Monção leva a Foda a casa

Com a Feira da Foda, que tanto anima a Internet, adiada para 2022, o cordeiro à moda de Monção serve-se em prato de take-away, na “tranquilidade do lar”.

coronavirus,feira,minho,moncao,gastronomia,fugas,
Fotogaleria
DR/CM Monção
coronavirus,feira,minho,moncao,gastronomia,fugas,
Fotogaleria
DR/CM Monção
coronavirus,feira,minho,moncao,gastronomia,fugas,
Fotogaleria
DR/CM Monção
coronavirus,feira,minho,moncao,gastronomia,fugas,
Fotogaleria
DR/CM Monção

No calendário monçanense, os caminhos da tradição pascal passam pela freguesia de Pias onde, desde 2017, tem lugar o certame gastronómico dedicado à receita de cordeiro cozinhado em forno a lenha, num alguidar de barro. “Prato autêntico com sabor único”, garante a organização, que pelo segundo ano se vê obrigada a adiar o ritual dos comensais, por culpa da pandemia

A Feira da Foda volta assim a cair por terra mas deixa a promessa de um regresso em grande no próximo ano, entre 1 e 3 de Abril. Antes, serve um aperitivo: a especialidade, que foi eleita uma das 7 Maravilhas à Mesa de Portugal, chegará agora a casa dos clientes, servida em take-away por vários restaurantes locais.

Com o “saber dos antepassados” e a “arte, carinho e profissionalismo das actuais cozinheiras” sem esquecer a provocação de um nome artístico apimentado –, a Foda à Monção vai a casa, mantendo a degustação na cesta das tentações da quadra. 

A acompanhar cada refeição está o selo de qualidade e genuinidade, assumido numa carta de compromisso pelos estabelecimentos associados à causa. Uma garantia de que o produto tem origem local e obedece à receita tradicional, que a par de outros ingredientes manda que, “entre os banhos e a cozedura deverá decorrer, pelo menos, um período de 24 horas” e que esta “deve ser feita nos tradicionais fornos de lenha, abertos uma única vez para virar o cordeiro, e a apresentação ao cliente no típico alguidar oval de barro minhoto, com o cordeiro a pingar no peculiar arroz dourado e fumegante”.

Com vista à valorização das jóias da coroa, a mesma carta dita que a harmonização das refeições seja feita com vinho Alvarinho do concelho, “servido em copo de pé alto a uma temperatura entre 10 a 12 graus”.

Isto, claro, num futuro desconfinado, longe do online, com os restaurantes abertos e os passos guiados pelo roteiro Cordeiro à Moda de Monção - Maravilha de Portugal, disponível para consulta e download no site do município e na Loja Interactiva de Turismo.

Um convite a “comer a foda e beber o Alvarinho” à moda antiga: de corpo e alma, com paixão e sem lonjuras.