A vigarista trans e o seu carro de três rodas

The Lady and the Dale, série documental de quatro episódios que se estreia na HBO Portugal esta segunda-feira, reconstitui o trajecto de Elizabeth Carmichael, empresária transgénero que nos anos 1970 fez furor com o Dale, protótipo de um carro de três rodas com que prometeu (mas não conseguiu) governar a indústria automóvel “como uma rainha”.

cultura,transgenero,hbo,automoveis,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
A série é simultaneamente a radiografia de uma figura difícil e um olhar sobre a transexualidade nos anos 1970 colin dangaard/hbo
cultura,transgenero,hbo,automoveis,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
O protótipo do Dale DR
cultura,transgenero,hbo,automoveis,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
DR

Houve um breve momento na década de 1970 em que Elizabeth Carmichael acreditou que tinha o futuro da indústria automóvel nas mãos. E a empresária tinha bons motivos para pensar assim: o seu Dale, o protótipo de um carro de três rodas e dois lugares com o qual prometeu destronar a General Motors em plena crise petrolífera, parecia uma nave espacial, um automóvel voador, demasiado vistoso e utópico para pertencer àquele tempo. Mas a personalidade carismática de Carmichael, cujas manobras de marketing eram tão improváveis como bizarras (e ocasionalmente hilariantes), acabou por fragilizar o Dale, tornando-o alvo de um escrutínio invulgarmente feroz — ao mesmo tempo que a sua complexa história pessoal travava o sucesso do carro antes mesmo de ele sair da oficina.

The Lady and the Dale, série documental de quatro episódios produzida pelos irmãos Mark e Jay Duplass que chega à HBO Portugal esta segunda-feira, analisa as razões que tornaram este protótipo tão polémico e faz o retrato possível da já falecida Carmichael (morreu com cancro em 2004), empresária trans cujo passado como vigarista foi desmascarado quando começou a ganhar mediatismo. Antes da mudança de género, Elizabeth fora Jerry Dean Michael, um homem nascido no Indiana que começou a falsificar cheques para ganhar dinheiro e se divorciou de um número incontável de mulheres (com quem teve um número incontável de filhos) antes de conhecer Vivian, aparentemente a sua última esposa. O casal teve cinco filhos — o documentário tem o seu momento Apanha-me se Puderes quando revela que, devido aos esquemas fraudulentos de Jerry, e de modo a evitar dissabores com a polícia, houve um período em que a família mudou de casa 21 vezes em três anos — até que, em 1966, Jerry deu início à sua transição.

A partir desse ponto, os irmãos Duplass saltam directamente para a Twentieth Century Motor Car Corporation, empresa que Carmichael abriu para trabalhar no Dale. “Vou liderar a indústria automobilística como uma rainha”, declarou a empresária, prometendo colocar no mercado um carro seguro e eficiente, capaz de percorrer 40 quilómetros por cada litro de combustível consumido. De facto, Elizabeth sempre encontrou maneiras originais de promover o seu protótipo — queremos acreditar na história de como terá ido contra uma parede a 50 quilómetros/hora para provar que o veículo resistia bem a acidentes — e a sua postura confiante dava regularmente aos jornalistas aquelas manchetes que se escrevem sozinhas (“Não quero parecer egocêntrica, mas sou genial”, chegou a dizer).

Foto
Carmichael depois da transição DR

Essa atenção mediática levaria porém a que os seus problemas com a lei acabassem por ser desenterrados — e a polémica mudança de sexo motivaria muitos artigos menos do que simpáticos ou sequer tolerantes. “Devido ao seu passado criminoso e à desinformação sobre o que ser transgénero significava, Carmichael foi difamada pela imprensa, que a acusou de meramente ‘fingir’ que era uma mulher para poder continuar a ser vigarista”, aponta a revista Variety num artigo que inclui depoimentos de Nick Cammilleri e Zackary Drucker, realizadores da série.

 The Lady and the Dale é simultaneamente a radiografia de uma figura difícil que foi julgada e presa pelos seus crimes e um olhar sobre a transexualidade nos anos 1970, período em que Elizabeth teve de ser o seu próprio ícone trans, a sua própria referência. O documentário, que se serve de animação e colagens de fotografias antigas para reconstituir o percurso da sua protagonista, conta também com as perspectivas de intervenientes como Candi Michael e Michael Michael, dois dos filhos de Jerry/Elizabeth, ou Charles Barrett, o irmão mais novo de Vivian, que também já morreu.