Morreu John Frey, actor de Cabaret Maxime

Actor nascido em Nova Iorque há 62 anos era “um genuíno lisboeta por adopção”. Co-escreveu e interpretou vários filmes de Bruno de Almeida.

Foto
John Frey DR

O actor, argumentista e encenador norte-americano John Frey, que em 2018 integrou o elenco de Cabaret Maxine, de Bruno de Almeida, morreu no passado sábado, em Nova Iorque, aos 62 anos, vítima de acidente cardíaco. A notícia foi dada esta segunda-feira num comunicado difundido pelos Amigos de John Frey em Portugal.

De facto, o actor sempre manteve uma intensa relação de trabalho com Portugal, no cinema mas também no teatro. Com Bruno de Almeida, além de ter participado na escrita do argumento de Cabaret Maxime, colaborou nos argumentos de Operação Outono (2012), longa-metragem sobre o assassinato de Humberto Delgado; The Lovebirds (2007), um painel de seis histórias sobre o amor, a vida e a sobrevivência passadas em Lisboa; e The Collection (2005), uma série curtas-metragens rodadas em Nova Iorque. Além de ter sido também actor nestes filmes, interpretou, para o cineasta português, a longa Em Fuga (1999) e a curta The Lecture (2012), produzida para Guimarães Capital Europeia da Cultura.

Mas John Frey fez papéis e figurações noutras produções portuguesas, como Em Câmara Lenta (2012), última longa-metragem de Fernando Lopes; ou Call Girl (2007), de António-Pedro Vasconcelos. Na televisão, participou na série Frágil (2019), cuja temporada de seis episódios, rodados em Lisboa, foi realizada por Filipa Amaro e Catarina Rodrigues.

No pequeno e no grande ecrã, cruzou-se ainda com nomes como John Ventimiglia, Drena De Niro, Nick Sandow e Michael Imperioli, para quem interpretou The Hungry Ghosts, rodado em Nova Iorque, e com quem contracenou igualmente em Cabaret Maxime.

Entre os palcos e os ecrãs

John Frey nasceu no Bronx, em Nova Iorque, e formou-se no William Esper Studio for Actors, onde iniciou a sua carreira nos palcos, e onde depois foi professor, até há pouco tempo. Na “Big Apple”, desempenhou papéis em Gata em Telhado de Zinco Quente e 27 Wagons Full of Cotton, de Tennessee Williams, Menina Julie, de August Strindberg, Ratos e Homens, de John Steinbeck, e participou na retrospectiva dedicada ao artista Bruce Nauman, levada ao Dia Arts Center de Manhattan, escrita e dirigida pelo britânico Mark Wallinger.

Como encenador, ainda em Nova Iorque dirigiu, entre outras, as peças The Woolgatherer, de William Mastrosimone, no Flamingo East Theater; Call it Clover, de Wil Calhoun, no Trilogy; e, de Tennessee Williams, Summer and Smoke, na sala John Houseman; e Talk to Me Like the Rain and Let Me Listen, no Theater Row.

Em televisão, trabalhou em produções como Days of Our Lives, Mata Hari (com Rutger Hauer e Gérard Depardieu) e Socorro (com Dennis Leary).

Para John Frey, Portugal, e Lisboa em particular, foram, desde 2009, a sua segunda terra, onde passava largas temporadas e onde fundou mesmo um estúdio de representação com o seu nome – o John Frey Studio for Actors, que funcionava no Teatro do Bairro e era frequentado por actores interessados na designada Técnica Meisner, em que era especialista.

Ainda na capital portuguesa, lançou, em 2013, a companhia de teatro Below the Belt, para a qual encenou nesse ano Danny e o Profundo Mar Azul, de John Patrick Shanley, e, em 2015, The Motherfucker with the Hat, de Stephen Adly Guirgis.

Na sua lista de prémios, incluem-se o de Melhor Argumento no Prémio Autores (SPA), por Cabaret Maxime (com que foi também nomeado, na mesma categoria, para os Prémios Sophia); de Melhor Argumento Adaptado nos Prémios Sophia, por Operação Outono; e de Melhor Argumento no Festival de Cinema Independente de Ourense, na Galiza, por The Lovebirds.

Ainda em nome próprio, escreveu e realizou as curtas-metragens Another Day (2006) e Fantasia (2015), esta rodada em Lisboa e protagonizada por Sofia Aparício. Actualmente trabalhava num guião biográfico sobre Herman Melville, o autor de Moby Dick, cuja primeira versão terminara no Verão de 2020.

“John Frey era um apaixonado pela capital portuguesa, pela sua vida artística e boémia, de que se tornara uma figura permanente, admirada e acarinhada”, diz o comunicado dos amigos do actor em Portugal, classificando-o como “um genuíno lisboeta por adopção”, que, como poucos, “conhecia o código” da cidade. Com Lusa.