Braga nomeada para melhor destino europeu do ano

Em 2019 só Budapeste derrotou Braga, que ficou em 2.º lugar no concurso. Este ano, o “coração do Minho” vai a jogo para ganhar. Braga é a única cidade portuguesa nomeada.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
viagens,fugas,portugal,braga,turismo,europa,
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
viagens,fugas,portugal,braga,turismo,europa,
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
viagens,fugas,portugal,braga,turismo,europa,
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA / PUBLICO
Fotogaleria
Ines Fernandes
viagens,fugas,portugal,braga,turismo,europa,
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA / PUBLICO

No esquisito ano de 2020, embora ainda antes de o mundo ser atingido de facto pela declaração de pandemia, foi Cascais a representar Portugal no concurso Destino Europeu do Ano e ficou em 5.º lugar. Na competição, que já foi dominada tanto por Lisboa como pelo Porto noutros anos, será agora a vez de Braga?

A capital do Minho, única nomeação portuguesa como já anunciou a autarquia local, aposta na vitória e até já lançou uma campanha em redor da candidatura aproveitando o mote “2000 anos, um destino”.

Como acontece anualmente, estarão nomeados 20 pesos pesados e/ou emergentes do turismo europeu, com Braga a apelar ao voto a partir de 20 de Janeiro (dia em que abre esta eleição online) e até 10 de Fevereiro.

“O apoio de todos é essencial para que Braga possa continuar o seu percurso de afirmação no contexto turístico internacional”, defende a autarquia.

Segundo avançou em nota de imprensa, a selecção de Braga refere critérios como ser “um dos destinos europeus com maior crescimento turístico na Europa”, ou mesmo ser uma “cidade que rapidamente implementou diversas medidas de saúde pública para proteger a sua população contra a pandemia de covid-19, tendo inclusivamente sido mencionada pela OCDE como exemplo de boas práticas nesta matéria”, o “desenvolvimento sustentável do turismo” e a “distinção, pela Comissão Europeia, como uma das cidades com melhor qualidade de vida e mais felizes” do continente.

Em 2019, como dizia então à Fugas Maximilien Lejeune, responsável pela organização que gere a iniciativa, a votação foi “aguerrida": a vencedora Budapeste recebeu cerca de 62 mil votos e Braga 59 mil. O que levava Lejeune a concluir que a ascendência​ de Braga “é uma tendência real”. A votação mostrava também que os destinos “secundários"/emergentes podem facilmente ultrapassar as cidades-estrelas do turismo quando conseguem grande mobilização para a votação online.

O concurso European Best Destination começou por ser levado a cabo pela European Consumers Choice (ECC), "organização sem fins lucrativos de consumidores e especialistas” com sede em Bruxelas dedicada a “avaliar produtos e serviços”, afirmando-se hoje como um guia online dedicado a “promover a cultura e turismo na Europa” em “parceria com os organismos de turismo nacionais participantes e a rede EDEN” (rede de European Destinations of Excellence, lançada pela Comissão Europeia em 2006).

A competição já foi vencida por Lisboa (logo à primeira edição, 2010) e Porto (três nomeações, três vitórias). Em 2020, Cascais ficava em 5.º lugar, com a cidade francesa de Colmar a vencer a votação.

Ao longo do ano, a European Best Destinations vai também lançando listas dos melhores pontos da Europa: entre as mais recentes, com Portugal sempre em destaque, incluem-se a Madeira como o destino mais seguro da Europa para o Natal e também este arquipélago, juntamente com Açores, Alentejo e Algarve no top dos “destinos mais seguros” da Europa em tempos de pandemia.