Uma boa cidade para se viver? Bracarenses mais satisfeitos do que lisboetas

Estudo da Comissão Europeia sobre a qualidade de vida em 83 cidades mostra algumas divisões dentro do velho continente. Braga é a cidade da Europa onde mais se usa o carro, em Lisboa destaca-se a dificuldade em conseguir habitação a preços acessíveis.

saude,portugal,braga,lisboa,uniao-europeia,europa,
Foto
Quase todos os moradores de Braga entrevistados dizem que a cidade é um bom lugar para se viver PAULO PIMENTA

Nove em cada dez europeus estão satisfeitos com a cidade onde vivem e Braga figura no top 10 das urbes onde os cidadãos estão mais felizes com a sua geografia, com 97% dos inquiridos a dizerem estar satisfeitos com a vida no concelho. Em Lisboa, a avaliação é também positiva, embora mais baixa (86%). Os habitantes da cidade nortenha mostram-se mais fãs da sua “casa” do que os da capital em 18 dos 22 itens avaliados. Os resultados divulgados esta semana no Inquérito de Percepção sobre a Qualidade de Vida nas Cidades Europeias de 2019 integram um estudo coordenado pela Comissão Europeia e esboçam um velho continente onde a qualidade de vida é boa – mas com grandes discrepâncias entre cidades em vários pontos.

Ao longo de 108 páginas, a Comissão Europeia avaliou a satisfação dos cidadãos em áreas como a segurança, o acesso a habitação e emprego, cuidados de saúde ou transportes. Das 83 cidades avaliadas, Copenhaga e Estocolmo são aquelas onde a satisfação geral com a vida na urbe é mais elevada (98% estão satisfeitos) e Belgrado (63%), Palermo (64%) e Atenas (64%) os locais onde a avaliação é pior. Segundo a OCDE, citada no relatório, a capacidade de conciliar trabalho com compromissos pessoais e familiares é importante no bem-estar das pessoas e a dificuldade em encontrar esse equilíbrio poderá explicar a menor satisfação verificada em residentes com idade para trabalhar (88%) em comparação com os que têm entre 15 e 24 anos (91%) ou com quem tem mais de 55 (90%).

Nas cidades analisadas, três em cada quatro residentes sentem-se seguros quando andam sozinhos à noite, com Copenhaga a ocupar o lugar cimeiro (94%). Há cinco cidades onde menos de metade dos residentes dizem sentir-se seguros: Atenas, Roma, Sofia, Liège e Marselha. Quatro das dez cidades com respostas mais positivas a esta pergunta ficam no Norte da Europa e três das dez piores ficam em Itália.

A relação entre dimensão da cidade e sentimento de segurança é óbvia: quanto maior a urbe, maior a insegurança. Enquanto em cidades com menos de 250 mil habitantes, 80% dos residentes dizem sentir-se seguros, em cidades com mais de cinco milhões apenas 67% dá essa resposta.

A pergunta sobre a cidade como um bom sítio para se viver não se limitava a avaliar a percepção em relação ao entrevistado. Um dos parâmetros estudados tem a ver com os imigrantes. Três em cada quatro residentes (75%) disseram que a sua cidade era um bom lugar para pessoas de outros países viverem. As cidades ocidentais mostram melhor desempenho (81%) e as do leste pior (65%). Em Braga e Lisboa, a esmagadora maioria considera que os imigrantes são bem-recebidos – 95% na cidade nortenha, 91% na capital. Juntamente com as cidades espanholas, as portuguesas ficam acima da média do sul da UE (77%).

Também no que diz respeito às cidades como bons locais para homossexuais viverem sem ser discriminados, a percepção global é positiva: oito em cada dez residentes (78%) consideram que a sua cidade é um bom sítio para gays e lésbicas viverem. Mas as discrepâncias neste capítulo são grandes: na UE são 81%, no Reino Unido 94%, na Turquia e nos Balcãs 37%.

Na pergunta sobre a qualidade da cidade para os mais velhos, Braga destaca-se como local onde os maiores de 65 anos encontram um bom lugar para viver, ao ocupar um lugar no top 10 e com 94% das pessoas a responder que é um bom lugar para quem tem mais de 65 anos.

Se a pergunta é sobre famílias jovens e com crianças, a globalidade dos cidadãos (oito em cada dez) consideram que a Europa é uma boa escolha. Genericamente, as não capitais parecem ser melhores para este grupo. Por exemplo, em Amesterdão o valor é de 65% enquanto em Roterdão é de 77% e em Groningen é de 88%. Em Paris, é de 71% enquanto Bordéus, Lille e Estrasburgo ficam acima de 90%. Em Portugal, Braga fica também acima de Lisboa, mas a discrepância não é significativa.

PÚBLICO -
Conseguir casa a preços acessíveis é, regra geral, mais difícil nas capitais Daniel Rocha

Emprego e habitação são problema em Portugal

As cidades portuguesas fazem uma má avaliação da facilidade em encontrar emprego: a percentagem de pessoas a relatar facilidade fica abaixo dos 24%. São números que não as colocam, ainda assim, na lista das dez cidades mais “pessimistas”, onde figura Palermo (3%), Madrid (15%) ou Roma (15%), por exemplo. Em média, apenas dois em cada cinco residentes das 83 cidades estudadas pensam que é fácil encontrar um emprego. Mas as diferenças dentro do continente voltam a ser grandes: no sul, apenas uma em cada cinco acredita ser fácil encontrar emprego, no norte e oeste metade tem essa convicção.

Quem vive no sul da UE e em cidades dos Balcãs Ocidentais tem mais facilidade em encontrar casa a um preço razoável do que quem habita na zona ocidental e norte e nos países que fazem parte da EFTA, como a Noruega, Islândia, Suíça e Liechtenstein. As capitais têm quase sempre um desempenho pior (31%) do que as não capitais (44%) e Portugal faz parte desse grupo (com 47 pontos percentuais de diferença entre Lisboa e Braga), a par da Finlândia, Dinamarca ou Alemanha. 

Quanto à situação financeira dos agregados familiares, 72 % dos residentes dizem estar satisfeitos. Mas em Portugal, ambas as cidades ficam abaixo dos 62%. Este dado está quase sempre relacionado com a percepção geral de a cidade ser ou não um bom local para viver, mas aqui Lisboa e Braga aparecem como excepções já que a avaliação global feita é mais elevada.

Braga, cidades dos automóveis

Menos de metade (46%) dos residentes das cidades estudadas utilizam o carro, mas o número é ainda mais baixo para transportes públicos (44%). A pé andam apenas 24%, de bicicleta 16% e de motocicleta 8%. Regra geral, quanto mais se usa o transporte público menos se usa o carro.

Nas capitais parece haver menos uso de automóvel, o que se pode explicar pela melhor oferta de serviço público de transporte e também por o veículo próprio ser menos atraente por causa de trânsito e custos de estacionamento mais elevados.

Braga é das 83 cidades avaliadas aquela que mais usa o automóvel (61%) e Groningen a que menos usa (29%). Por outro lado, Braga é também das que menos usa transporte público (só ultrapassada por Podgorica, Nicósia e Palermo). Lisboa aparece no top 10 das cidades que menos usam bicicleta (9%).

PÚBLICO -
Foto
Lisboa aparece no top 10 das cidades que menos usam bicicleta (9%) Nuno Ferreira Santos

Na avaliação dos espaços verdes são os moradores de Malmo quem mais satisfação mostra (96%) e os de Atenas ficam no lado oposto da tabela (29%). Comparando dados de 2015 com 2019, Braga (73%) e Lisboa (70%) aparecem como duas das cidades onde houve um maior aumento da satisfação neste item.

As preocupações com a qualidade do ar são mais proeminentes nas cidades do sul e leste da Europa, onde 49% e 52%, respectivamente, estão satisfeitos com a qualidade do ar em comparação com uma média global de 62%. Esta satisfação é menor nas capitais do que noutras cidades, mas tende a crescer em cidades com mais população.

Sugerir correcção