Bonfim e Alvalade entre os 20 “bairros mais cool do mundo”, diz Time Out

Depois de Arroios ter subido ao topo planetário no ano passado, o mundo deu voltas e os bairros ganharam uma inesperada importância e atenção. Em tempo de covid, destacam-se nas escolhas Time Out os “lugares que representam a alma” das cidades. Este ano, os bairros mais cool são também os mais generosos.

patrimonio,media,porto,lisboa,turismo,espanha,
Fotogaleria
Para a Time Out, o 14.º bairro "mais cool do mundo" fica no Porto DIOGO BAPTISTA
patrimonio,media,porto,lisboa,turismo,espanha,
Fotogaleria
O Parque de Nova Sintra é um dos locais destacados no Bonfim Nelson Garrido
patrimonio,media,porto,lisboa,turismo,espanha,
Fotogaleria
Alvalade, em Lisboa, ficou em 17.º Rui Gaudêncio
patrimonio,media,porto,lisboa,turismo,espanha,
Fotogaleria
Alvalade, em Lisboa, ficou em 17.º Rui Gaudencio

No topo da lista dos 40 bairros mais cool do mundo, eleitos com base num inquérito às populações, especialistas e editores locais da publicação internacional, ficou o Esquerra de l’Eixample, em Barcelona, Espanha, palco de diversas iniciativas e “demonstrações de humanidade” durante meses de pandemia e de confinamento partilhado “por um autêntico bairro de Barcelona”.

Se habitualmente as atenções recaem sobre a Dreta de l'Eixample, “com as suas lojas de luxo deslumbrantes e edifícios modernistas espectaculares”, com a covid-19 o foco concentrou-se na zona residencial da Esquerra de l'Eixample: blocos de prédios modestos de “arquitectura característica”, cada um com “o seu pátio interior”, onde o confinamento restrito foi vencido com danças à varanda e residentes mascarados. A Time Out destaca ainda a rede local de apoio criada para ajudar os mais vulneráveis e o projecto de solidariedade de Ana Parellada, que “começou a cozinhar para os trabalhadores da área da saúde” no seu restaurante Semproniana.

Espaços comunitários, jardins urbanos, mercados e parques são outros dos lugares do bairro que “dificilmente se encontram em muitos guias turísticos”. “No ano de todos os anos, é o Esquerra de l'Eixample que mostra o caminho a uma futura Barcelona onde onde os locais, não os turistas, dominam [a cidade].”

No top 5, ficaram ainda a Baixa de Los Angeles, Sham Shui Po, em Hong Kong, Bedford-Stuyvesant, em Nova Iorque, e Yarraville, em Melbourne.

Na primeira metade da tabela, depois de Arroios ter sido eleito o bairro mais cool do mundo em 2019, um bairro descrito como “um mundo em si mesmo”, onde “o novo coexiste com o clássico e a diversidade está por todo o lado”, ficaram duas moradas portuguesas que ainda mantêm intacta “uma identidade genuína” e uma população de raízes eminentemente locais e bairristas: Bonfim, no Porto, em 14.º, e Alvalade, em Lisboa, na 17.ª posição.

No Bonfim, que já merecia destaque no início do ano no Guardian, ainda a pandemia parecia um problema distante, refere-se o “forte espírito de comunidade e o comércio local”, “agora mais importante do que nunca”, com os seus pequenos cafés, lojas e “alguns dos restaurantes mais tradicionais da cidade” a par com “cozinhas de vanguarda”, como o Euskalduna Studio ou o Pedro Limão. Num bairro “cada vez mais pedonal”, aponta-se a presença da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, várias galerias de arte e os estúdios e salas de ensaio do antigo centro comercial CC Stop.

Já em Alvalade, sente-se ainda “o pulsar da vida de bairro”, entre “rostos familiares, eventos e espaços comunitários”, como a simpatia d'A Mariazinha, há mais de 60 anos a vender chás e cafés a granel, o Mercado de Alvalade ou as novas ondas do The Wave Factory, restaurante, bar e espaço de co-work. Vera Moura, jornalista da edição lisboeta da Time Out, destaca também os espaços onde ainda se ouvem os ecos da cena rock dos anos 1980, como o Popular Alvalade, o RCA ou o Noir Clubbing.

A selecção dos bairros mais cool do ano foi feita com base nos resultados do inquérito anual Time Out Index e na opinião de especialistas e dos editores das diferentes publicações da revista em todo o globo. Mantém como critério a mistura de pessoas, inovadores e inclusivos espaços de comida, bebida, artes e cultura, rendas acessíveis e “aquela agitação difícil de definir que atrai pessoas de todo o mundo”. Mas este ano, “mais do que nunca”, “é cool ser generoso”.

Sugerir correcção