Na Ericeira não é a Avó mas o neto que confecciona, deixando-a orgulhosa

Do chef ao chefe de sala, a equipa do Restaurante Avó é jovem e dinâmica, fazendo uma cozinha portuguesa renovada mas com sabores tradicionais, típicos das refeições feitas pelas avós.

restauracao,nutricao,alimentacao,gastronomia,gastronomia-critica,fugas,
Fotogaleria
O logótipo do restaurante Avó tem uma montagem do rosto do chef José Simplício e do da sua avó DR
restauracao,nutricao,alimentacao,gastronomia,gastronomia-critica,fugas,
Fotogaleria
No Verão, a esplanada é a primeira a encher DR
restauracao,nutricao,alimentacao,gastronomia,gastronomia-critica,fugas,
Fotogaleria
Em cada mesa há um livro de gastronomia ou de receitas que assim que o cliente se senta é recolhido DR
restauracao,nutricao,alimentacao,gastronomia,gastronomia-critica,fugas,
Fotogaleria
A sala do restaurante é simples mas confortável DR
restauracao,nutricao,alimentacao,gastronomia,gastronomia-critica,fugas,
Fotogaleria
Os livros de receitas, história da cozinha e dos seus produtos fazem parte da decoração DR

José Simplício esteve na Casa de São Lourenço, em Manteigas, desceu até ao litoral e passou pela Quinta do Arneiro, perto de Mafra, onde a aposta é na alimentação biológica, e desaguou na Ericeira, onde dominam as marisqueiras e os restaurantes de peixe, mas o que se faz no restaurante Avó é muito diferente. Embora o sabor seja o da cozinha tradicional portuguesa, Simplício apresenta à mesa petiscos e recriações de pratos tradicionais com produtos comprados mesmo ali ao lado, no mercado da vila. 

As boas-vindas são dadas por Diogo Marques, que tem acompanhado Simplício no seu percurso. “Olá, eu sou o Diogo”, apresenta-se constantemente, a cada conviva que chega. É importante marcar mesa porque o restaurante enche rapidamente, seja ao almoço ou ao jantar. Embora esteja aberto há praticamente um ano, a passagem do chef e estrela televisiva Gordon Ramsay pela Ericeira teve o seu impacto, reconhece o chefe de sala e sommelier. Ramsay gostou do que provou no Avó e agora muitos querem perceber porquê. Diogo Marques, depois de apresentar a carta e recolher o pedido dá sugestões sobre o que beber e a aposta é nos vinhos da região de Lisboa e Vale do Tejo, embora a carta de vinhos seja abrangente, dos Verdes ao Douro, passando pelo Alentejo.

Quanto ao menu, trata-se de uma carta muito diversificada, numa folha A4 por causa das regras de higiene, mas também porque está sempre a mudar, embora existam já pratos que Simplício sabe que vai manter como a Salada de algas (4 euros), feita com algas apanhadas nas praias da vila piscatória. O menu está dividido entre pratos de peixe e de carne, três de cada, e dois vegetarianos — os preços variam entre os 11 euros (o Frango do campo, legumes assados e puré de batata-doce) e os 16 euros (a Lula fresca, arroz de tomate e verdes de Verão). Não há carne de vaca e todos os pratos apostam nas verduras e legumes — a passagem pela Quinta do Arneiro deixou marcas. 

PÚBLICO - Sandes de bochecha de porco (5,50 euros)
Sandes de bochecha de porco (5,50 euros) DR
PÚBLICO - Açorda de tomate e gema de ovo (4,50 euros)
Açorda de tomate e gema de ovo (4,50 euros) DR
Fotogaleria
DR

A sugestão de Diogo Marques passa pela “petiscaria”, ou seja, mandar vir o couvert com pães feitos com massa mãe, manteiga artesanal, azeite e queijo (5 euros) e depois vários petiscos para partilhar. Estes são fáceis de dividir por duas pessoas, mas se forem mais, há que mandar vir a dobrar ou a triplicar consoante o número dos que estão sentados à mesa. No dia em que o Fugas passou pelo Avó havia duas sopas, o Gaspacho (4 euros) e o Creme de cenoura e feijão-verde (3 euros), que lembra mesmo a sopa feita pela avó. Depois há Rissóis de porco e coentros (4,50 euros), Broa, sardinha e pimentos (4,50 euros), Carapauzinhos fritos com molho holandês (4,50 euros), Porco e pimentão, polenta de alecrim e berbigão (6,50 euros). Por fim, as sobremesas são sempre uma surpresa, mas o pudim de Abade de Priscos e um pão-de-ló de Alfeizerão são constantes.

PÚBLICO - Pudim Abade de Priscos caseiro
Pudim Abade de Priscos caseiro DR
PÚBLICO - Pão de Ló de Alfeizerão caseiro
Pão de Ló de Alfeizerão caseiro DR
Fotogaleria
DR

José Simplício conta que gosta de chegar cedo ao restaurante para fazer todas as preparações com a sua equipa e depois sai da cozinha e vem à sala com frequência para estar com os clientes, perceber do que gostam, saber o que repetem, ouvir as sugestões. A restauração também se faz desta proximidade em que José Simplício e Diogo Marques estão apostados. E chama-se Avó, claro está, porque Simplício tem uma avó que cozinha como ninguém.

Sugerir correcção