Príncipes do Nada: a “luta pela sobrevivência” dos refugiados na RTP

Sexta temporada do projecto documental de Catarina Furtado estreia-se a 9 de Junho. O primeiro episódio inclui imagens do campo de refugiados de Moria e do campo de Kutupalong — onde a comunidade rohingya tenta fugir da limpeza étnica na Birmânia.

Foto
Catarina Furtado ouve as histórias de pessoas que são "exemplos de resistência" e acompanha associações que tentam minimizar o seu sofrimento Pedro Pina / RTP

“Sabemos de cor aqueles números todos dos milhões de deslocados à força ou dos refugiados que vivem em condições indignas, mas quase não cabe na nossa imaginação a quantidade de pessoas que, por causa da guerra, de perseguições políticas ou até da sua religião, são obrigadas a pegar nas suas coisas e a deixar os seus países”, começa por explicar Catarina Furtado no início de uma longa conversa com o PÚBLICO sobre a sexta temporada da série documental Príncipes do Nada, que tem estreia marcada na RTP para esta terça-feira, 9 de Junho. “Nós quisemos transformar esses números em pessoas reais, que têm vidas extraordinariamente duras.”

Este programa, que a Embaixadora da Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População começou a desenvolver com o realizador Ricardo Freitas em 2005, nasceu da vontade de, “mais do que expor a dor de uma forma gratuita”, mostrar “soluções para a combater”. Catarina Furtado ouve as histórias de refugiados que, apesar de envoltos em “realidades dramáticas”, são “exemplos de resistência”. Paralelamente, dá conta do trabalho de organizações não-governamentais e associações que, com meios escassos e em terrenos exigentes, tentam minimizar o sofrimento daqueles para quem cada dia é “uma luta pela sobrevivência”.

O primeiro episódio desta nova temporada de Príncipes do Nada inclui uma passagem pela ilha grega de Lesbos, onde, na aldeia de Moria, se encontra o maior campo de refugiados da Europa. Um espaço que, devido às suas “condições administrativas desumanas”, escrevia o estudante de jornalismo Tomás Guerreiro nestas páginas há cerca de um ano, é “mais de detenção do que de abrigo”, e que, similarmente, a apresentadora descreve como uma “prisão a céu aberto”, que hoje acolherá mais de 20 mil pessoas quando, originalmente, terá sido construída para não mais de três mil.

“Temos relatos horríveis de crianças que tentam o suicídio naquele campo”, assinala a autora da série. Crianças que precisam de enfrentar filas “inimagináveis” para poderem ir à casa de banho ou beber um gole de água da fonte, e que “passam o tempo cheias de febre” em tendas que ficam “cheias de buracos” sempre que chove. A equipa acompanha os Médicos Sem Fronteiras e a fundação Movement On The Ground, que procuram tirar máximo partido das poucas ferramentas à sua disposição.

Foto
Pedro Pina / RTP
Foto
Pedro Pina / RTP

No mesmo episódio, Catarina Furtado percorre o campo de Kutupalong, no Bangladesh, ocupado em grande parte pela comunidade rohingya que se confronta com uma limpeza étnica na Birmânia  onde, nas “aldeias dizimadas por bombas e incêndios”, os meninos são “atirados às chamas” e as mulheres são “violadas pelo exército à frente da família”. É um intranquilo cenário de vida em suspenso para estas pessoas, porque “o Bangladesh não lhes confere o estatuto de refugiados”, deixando-as “congeladas num pedaço de terra”. “As crianças não podem estudar e contam os dias para um futuro que não existe.”

A temporada contém ainda reportagens no Uganda — onde procuram um abrigo seguro as comunidades do Sudão do Sul e da República Democrática do Congo que, “muito provavelmente”, serão atormentadas pelas memórias dos conflitos que testemunharam nos seus países de origem “até ao fim das suas vidas” —, no Líbano — onde “uma em cada cinco pessoas é refugiada” — e na Colômbia, que tem recebido os que tentam contornar a grave crise sócio-económica na Venezuela, onde “um ordenado de professor não dá para comprar um pacote de arroz”.

Os refugiados contam a sua história “com muita coragem”, e esperam que, “com uma câmara, um microfone e alguém disposto a ouvir, alguma coisa possa mudar”. Príncipes do Nada reúne relatos de problemas a que “a comunidade internacional costuma fechar os olhos”, lamenta Catarina Furtado. “Mas a grande contradição no meio disto tudo é que, no fundo, estas são pessoas iguaizinhas a nós”, sustenta. “O desconhecimento do outro assusta-nos, mas também devia aproximar-nos.”