Covid-19: ACNUR ajuda Brasil a construir hospital para refugiados venezuelanos

Foto
Reuters/RICARDO MORAES

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o Governo brasileiro uniram esforços para travar a disseminação do novo coronavírus entre refugiados venezuelanos, construindo um hospital em Roraima e distribuindo produtos de higiene.

O hospital temporário está a ser construído em Boa Vista, capital do estado brasileiro de Roraima e principal porta de entrada de refugiados no Brasil. Venezuelanos e brasileiros trabalham na sua construção. A unidade hospitalar, denominada Área de Proteção e Cuidados, terá 1200 camas e mais mil vagas para observação de casos suspeitos de covid-19. Está a ser erguida pela Operação Acolhida, uma resposta do Governo do Brasil ao fluxo de migrantes e refugiados venezuelanos, e que conta com o apoio do ACNUR e de outras agências das Nações Unidas.

“Além de prestar assessoria técnica na fase de construção do hospital, o ACNUR doou 250 unidades residenciais (as mesmas já usadas nos abrigos de Boa Vista e Manaus) para acomodar pacientes, além de 2500 camas, colchões, alimentos e materiais de limpeza e higiene pessoal. Um novo abrigo temporário foi criado em Boa Vista para acomodar casos suspeitos da covid-19 até que a APC esteja a funcionar”, disse à Lusa o porta-voz do ACNUR no Brasil, Luiz Fernando Godinho.

Outra das principais preocupações do ACNUR tem sido levar informações de prevenção a populações em situação de rua ou instaladas em abrigos espontâneos, assim como distribuir kits de higiene e limpeza para enfrentar a pandemia, ajuda essa que, segundo o porta-voz, já chegou a 15 mil refugiados.

Porém, a informação transmitida a esta população requer ainda a necessidade da sua tradução em espanhol e em idiomas falados pelas etnias indígenas venezuelanas que se refugiaram no país vizinho.

“Em todo o país, o ACNUR e seus parceiros têm distribuído informação confiável e acessível sobre hábitos e práticas de saúde que evitam a disseminação da covid-19. Esta informação precisa de ser customizada, dadas as necessidades específicas da população refugiada, inclusive em questões idiomáticas”, indicou Godinho.

Ao contrário de outros países que se têm negado a apoiar mais refugiados durante a pandemia, a agência da ONU garante que o executivo brasileiro, liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro, tem inserido a população refugiada na sua resposta nacional à covid-19, tanto nas questões de saúde, como nas medidas de compensação económica.

O Brasil tinha até sexta-feira 2141 óbitos e 33.682 casos de infecção pelo novo coronavírus, segundo dados do Ministério da Saúde.

A região Norte, que concentra a maioria dos refugiados venezuelanos no Brasil, e que nas últimas semanas vinha sendo a área menos afectada, viu os seus números de infetacdos dispararem, com o estado do Amazonas a estar no centro das preocupações da tutela da Saúde.

Apesar de o ACNUR não ter confirmado a existência de casos entre refugiados, frisou, no entanto, estar a trabalhar com as autoridades locais do Amazonas e do Pará de forma a reforçar os abrigos nesses estados, especialmente para as etnias indígenas venezuelanas Warao e Eñepa.

Uma das preocupações das autoridades é a vulnerabilidade das populações indígenas face a doenças respiratórias, o que aumenta o risco de agravamento em caso de contágio pelo novo coronavírus, e que já causou mortes.

Na semana passada, o governo do estado de Roraima confirmou a morte de um indígena brasileiro da etnia Yanomami, de 15 anos, que estava infectado pelo novo coronavírus. Mais tarde, o Ministério da Saúde informou o óbito de mais dois indígenas por causa do novo coronavírus: uma indígena Kokama, de 44 anos, e um indígena da etnia Tikuna, de 78 anos, ambos internados em Manaus.

Sugerir correcção