Comité de especialistas da OMS vai reavaliar uso generalizado de máscaras

Um estudo publicado na revista científica JAMA sugere que as gotículas projectadas por um espirro podem alcançar até oito metros de distância.

Foto
Michele Tantussi/Reuters

Um comité de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) vai reavaliar as recomendações sobre o uso generalizado das máscaras de protecção individual.

O debate deu já muitas voltas e as conclusões sobre as vantagens e desvantagens do uso generalizado de máscaras não são consensuais. Por um lado, a OMS insiste que apenas as pessoas infectadas com o novo coronavírus SARS-CoV-2, os seus cuidadores e os profissionais de saúde deviam usar máscaras e, por outro, vários especialistas aconselham o seu uso e países como a Áustria, a República Checa e a Eslováquia tornaram obrigatório o uso de máscara em locais públicos.

Um painel de consultores e especialistas da OMS vai agora reavaliar a questão e analisar vários estudos publicados sobre a transmissão do vírus, avança a BBC.

O presidente do painel, o epidemiologista David Heymann, afirmou, em entrevista à estação britânica, que a reavaliação poderá levar a uma alteração das recomendações da OMS sobre o uso de máscaras. “A OMS está a abrir a sua discussão novamente e a analisar as novas provas[científicas] para avaliar se deve ou não alterar a forma como tem recomendado o uso das máscaras”, explicou.

Gotículas que alcançam uma distância de oito metros

Mas, afinal, de que forma se transmite o vírus? Será que as gotículas que contêm o vírus podem alcançar uma distância maior do que se pensava até agora?

As autoridades de países como o Reino Unido, Estados Unidos e Portugal aconselham que as pessoas mantenham uma distância de pelo menos dois metros. Estas recomendações têm por base estudos anteriores que sugerem que os vírus são transmitidos através de gotículas que, em grande parte, se evaporam ou caem no chão antes de alcançarem uma distância superior.

Mas um estudo publicado, na semana passada, na revista científica Journal of the American Medical Association (JAMA), sugere que as gotículas projectadas por alguém que tosse podem alcançar seis metros de distância e as que saem de um espirro (com maior velocidade) podem alcançar entre sete a oito metros.

PÚBLICO -
Foto
Nuvem de gás que se forma após um espirro Journal of the American Medical Association

A equipa do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, utilizou câmaras de alta velocidade e outros sensores para detectar, com precisão, o que acontece após uma pessoa tossir ou espirrar e chegou à conclusão de que se forma uma pequena nuvem de gás, que se move a alta velocidade e que contém gotículas, de vários tamanhos, que podem ser transportadas na nuvem por longas distâncias.

Os autores sublinham, porém, que a trajectória da nuvem de gás e das gotículas pode variar de acordo com o tamanho das próprias gotículas, a fisiologia do indivíduo, o “grau de turbulência e velocidade da nuvem de gás” e as condições ambientais (como a temperatura, humidade e circulação do ar).

Estas gotículas podem cair, contaminando as superfícies ao redor, ou ficar “retiras e aglomeradas na nuvem em movimento”, descreve o estudo. A nuvem e as gotículas vai acabar por “perder força e coerência e as restantes gotículas dentro da nuvem evaporam-se, produzindo resíduos ou núcleos de gotículas que podem permanecer suspensos no ar durante horas” e que se deslocam de acordo com os fluxos de ar.

Dinâmicas de transmissão

O artigo cita um outro estudo, realizado por equipa de cientistas de Singapura e publicado em Março na revista JAMA, que revela que partículas do vírus SARS-CoV-2 foram encontradas nos sistemas de ventilação em quartos de hospitais onde estiveram internados pacientes com covid-19. A equipa do MIT acredita que esta descoberta reforça a sua hipótese e, à semelhança de estudos anteriores, reflecte sobre a possibilidade de transmissão do vírus por via aérea, através de aerossóis (pequenas partículas que permanecem suspensas no ar e que se podem dispersar por longas distâncias), nomeadamente em hospitais.

Embora nenhum estudo tenha ainda analisado o que acontece quando pacientes infectados com o novo coronavírus tossem ou espirram, a equipa do MIT acredita que estas conclusões poderão ser aplicáveis no que diz respeito à transmissão do SARS-CoV-2. O estudo acrescenta que as recomendações de distanciamento actuais “são baseadas em estimativas de alcance” que não têm em consideração a possível formação de uma nuvem que transporta as gotículas por longas distâncias. “Por esses e outros motivos, o uso de equipamentos de protecção individual adequados é de vital importância para os profissionais de saúde que cuidam de pacientes que podem estar infectados, mesmo que estejam a uma distância superior a um metro de um paciente”, conclui.

Os autores sublinham a importância do uso das máscaras cirúrgicas para controlar a propagação do vírus pela fonte (uma pessoa infectada) e para proteger o utilizador e impedir a transmissão do vírus a pessoas que não estão infectadas, mas destaca que a “eficácia protectora das máscaras N95 depende da sua capacidade de filtrar o ar” e os aerossóis e que tais máscaras são produzidas para serem utilizadas em determinadas “condições ambientais e locais”, tendo uma “duração limitada de uso”.

“A rápida propagação da covid-19 destaca a necessidade de compreender melhor as dinâmicas da transmissão de doenças respiratórias”, concluem os autores.

"Distância de segurança"

Lydia Bourouiba, a investigadora do MIT que liderou o estudo, revelou à BBC que poderá ser necessário repensar o conceito actual de “distância de segurança”. “O que exalamos, tossimos ou espirramos é uma nuvem de gás que tem grande momentum [força] e que pode ir longe, retém as gotas de todos os tamanhos e transporta-as pela sala”, disse, destacando uma “falsa ideia de segurança a um ou dois metros”.

As conclusões deste estudo serão analisadas pelo painel de especialistas da OMS, segundo David Heymann, que não descarta a hipótese de se vir a comprovar que o uso de uma máscara “é igualmente eficaz ou mais eficaz do que o distanciamento”. Porém, os especialistas alertam que o uso de máscaras não dispensa a lavagem frequente das mãos e que estes equipamentos devem ser utilizados adequadamente e descartados imediatamente após a utilização.

O painel, conhecido como Grupo Técnico e Estratégico de Aconselhamento para Riscos Infecciosos, deverá reunir-se online nos próximos dias, segundo a BBC.

DGS alarga recomendações para uso de máscaras

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) alargou, esta sexta-feira, as recomendações para o uso de máscaras cirúrgicas a novos grupos profissionais e doentes imunossuprimidos.

A norma acrescenta que “a utilização de máscara cirúrgica está recomendada a todas as pessoas com sintomas de infecção respiratória — como febre, tosse ou dificuldade respiratória — que estão em contacto com outras pessoas, e para todas as pessoas no interior de instituições de saúde”.

“A utilização de EPI [equipamentos de protecção individual] fora das instituições de saúde está aconselhada para os profissionais ou pessoas que possam contactar directamente com doentes suspeitos ou confirmados de covid-19 ou com material utilizado por estes doentes”, salienta a DGS.

A directora-geral da Saúde, Graça Freitas, referiu, por sua vez, na conferência de imprensa desta sexta-feira, que nenhuma medida isolada no combate à covid-19 “é milagrosa” e que o uso generalizado de máscaras será decidido de acordo com as recomendações da OMS e do Centro Europeu de Controlo de Doenças.

Sugerir correcção