Miguel Maravalhas saiu em liberdade quando na cadeia se espalhou o pânico

As directivas da Direcção-Geral de Saúde e o plano de contingência para o sistema prisional não tranquilizam os reclusos. Serviços Prisionais garantem que não há nenhuma caso positivo de covid-19 em prisões portuguesas. Foram feitos testes mas não dizem quantos nem em que estabelecimentos prisionais.

Foto
Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo em Matosinhos, distrito do Porto paulo pimenta

Depois de cumprir uma pena de cinco anos e meio, Miguel Silva Maravalhas saiu na altura certa – quando o medo de um contágio pelo covid-19 começou a invadir Santa Cruz do Bispo, a prisão onde esteve, e as restantes cadeias do país.

No dia em que foi libertado – 15 de Março – já há mais de um mês que tinha sido divulgado um plano de contingência para o sistema prisional, de forma a evitar o contágio pelo novo coronavírus. Estava-se na fase de contenção. A partir de 9 de Março, foram proibidas as visitas nos estabelecimentos prisionais do Norte e reduzidas as visitas nas restantes.

Uma semana depois, as visitas foram sendo gradualmente suspensas, até a suspensão se alargar a todas as cadeias bem como aos centros educativos, onde estão a cumprir medidas tutelares educativas jovens que cometeram actos considerados crime entre os 12 e os 16 anos. 

Miguel Maravalhas reconhece que “eles” – os responsáveis – “estavam a tentar organizar aquilo da melhor maneira”. Por exemplo com a quarentena de 14 dias imposta aos reclusos que voltavam à cadeia depois de saídas precárias a casa (saídas jurisdicionais aprovadas nalguns casos em que o recluso já tenha ultrapassado uma determinada fase da pena com bom comportamento).

Pavilhões instalados

Como explicou a Direcção-Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais (DGRSP) por e-mail, para dar garantias, esse isolamento de duas semanas é também aplicado “com o devido acompanhamento clínico” nos pavilhões reservados para os novos presos e colocados junto a algumas prisões. 

Os Serviços Prisionais e o Ministério da Justiça continuam a assegurar que foram feitos testes e que “não existe qualquer caso positivo” em estabelecimento prisional ou educativo, até ao momento em que foi enviada a resposta, na tarde desta sexta-feira. Mas não esclarece quantos reclusos foram submetidos a essas análises de despistagem do novo coronavírus. 

No entanto, do terreno chegam relatos muito diferentes e rumores de um ou outro caso positivo. Neste sábado, circulava a informação de que uma auxiliar de acção médica do Hospital Prisional São João de Deus em Caxias estaria infectada, o que o PÚBLICO não conseguiu confirmar junto das autoridades.

"Pânico na cadeia" 

Num vídeo gravado numa prisão não identificada, um preso de cara tapada também diz para a câmara: “Temos um caso confirmado de coronavírus”, depois de se apresentar – “daqui um recluso, um de muitos” –​ e antes de se insurgir. “A única coisa que nos dizem é que se houver um caso confirmado, são 14 dias de isolamento. Vamos ficar aqui todos fechados. Vai virar o pânico nesta cadeia.”  

E denuncia: “Não há higiene, desinfecção, nada. Estamos em isolamento na nossa cela por iniciativa própria.” Mostra-se revoltado com “a falta de atenção do Estado para com os presos”. Eleva a voz trémula. “Sabemos que entrámos nesta cadeia saudáveis. E agora?” 

Há razão para ter medo”, diz Miguel Maravalhas, que já está fora, mas compreende o pânico de quem está fechado. A não ser o cuidado por ele testemunhado com a aplicação da quarentena de quem entra pela primeira vez na prisão ou de quem beneficiou temporariamente de uma saída precária, diz que quase tudo torna mais real a ameaça de um contágio.

As aulas e outras actividades foram também suspensas. Mas guardas, educadores, técnicos de reinserção, e funcionários da cozinha e de departamentos das prisões mantiveram a sua rotina de entradas e saídas. “As doutoras, técnicos, guardas e restantes trabalhadores, civis. Não há forma de saber se essas pessoas estavam ou não infectadas”, relata.

Para o bem de todos 

Foi a partir daí que as pessoas começaram a ficar revoltadas, recorda. “Esses contactos mantinham-se quando já não podíamos receber visitas. Era para o bem de todos. Mas então por que motivo não fizeram nada para limitar os outros contactos?”

Enquanto lá esteve, pelo menos, a limpeza continuou a ser feita da mesma maneira: a prisão disponibiliza sabão e lixivia, para a lavagem das celas pelos reclusos que têm que comprar no bar os restantes produtos de limpeza. “A prisão dá um sabonete, uma pasta e escova de dentes, duas gillettes azuis de barbear de 15 em 15 dias, mas só aos presos que não recebem visitas. Só quem não tem ninguém.”

A penúria é generalizada. E quando um problema é resolvido, surgem outros. Em Dezembro do ano passado, a enfermaria teve de ser encerrada, porque não havia espaço para todos os doentes e não havia condições de higiene. Fecharam a enfermaria e todos foram transferidos para o espaço mais amplo que era até então a Unidade Livre de Drogas que deixou assim de existir, conta Miguel.

Garantias dos serviços

Para dar resposta de “internamento de reclusos que eventualmente venham a acusar positivo, foram criadas duas enfermarias de retaguarda, uma no Estabelecimento Prisional do Porto e outra no Hospital Prisional de São João de Deus em Caxias”, informa a DGRSP. Além disso, tem disponíveis “os pavilhões de segurança do Estabelecimento Prisional do Linhó e do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira para o caso de necessidade”.

Mas não convence: “Bastaria um caso positivo para contaminar alas inteiras ou pavilhões”, diz Miguel repetindo o que ouviu dentro da prisão. O problema, continua, é “o antes de estar contaminado, o não ter sintomas, o poder contagiar” de forma silenciosa. “Isso não está a ser prevenido.”

Mais de 60 anos

Os Serviços Prisionais dizem-se, no entanto, preparados; por exemplo através da coordenação com a Protecção Civil e as Forças Armadas que poderão disponibilizar mais tendas, “caso venham a tornar-se necessárias”, além das que já cederam e que estão instaladas no Hospital Prisional de São João de Deus em Caxias. 

Garantem, por outro lado, que tomaram outras precauções: os horários das rotinas diárias foram reajustados para “procurar separar dos restantes reclusos, o mais possível, as pessoas que a Direcção-Geral da Saúde considera mais vulneráveis” – pessoas com idade superior a 60 anos, com imunossupressão ou doença crónica, como doença respiratória, hipertensão e diabetes.

Em Dezembro de 2018, de acordo com as estatísticas oficiais disponíveis no site, havia 12.039 presos e 830 tinham mais de 60 anos.