Cozinheiros fazem refeições para distribuir pelos hospitais e pelos mais carenciados

No Algarve, Rui Silvestre e Noélia lançaram o Alimentar a Saúde, para ajudar hospitais e famílias. No Porto, vários chefs estão a cozinhar, com produtos fornecidos pela Makro, que são entregues por voluntários a quem mais precisa.

Fotogaleria
Noélia do restaurante Noélia e Jerónimo
Fotogaleria
Rui Silvestre do Vistas dr
Fotogaleria
Marco Gomes do Oficina Manuel Roberto
Fotogaleria
Vasco Coelho Santos do Euskalduna Nelson Garrido

Da cozinha do restaurante Vistas, em Vila Nova de Cacela, no Algarve, já saíram esta segunda-feira refeições destinadas ao Hospital de Faro. No Porto, na cozinha do Oficina, três cozinheiros prepararam nos últimos dias “cerca de mil” pratos de massada de peixe destinados a famílias carenciadas da cidade.

Em diferentes pontos do país, chefs e cozinheiros tentam organizar-se em solidariedade para com os que mais precisam de ajuda em plena crise provocada pelo surto de covid-19. Após a declaração do estado de emergência pelo Presidente da República e novas medidas de contenção do surto, os restaurantes fecharam as portas (só ficam os que fazem take-away ou entregas) mas as cozinhas estão prontas a funcionar e as equipas disponíveis para ajudar.

A ideia da iniciativa Alimentar a Saúde nasceu da cabeça de Rui Silvestre, do algarvio Vistas, que entrou em contacto com a Makro, onde em tempos normais os chefs se abastecem de muitos dos ingredientes que utilizam, para saber se teria à disposição produtos para cozinhar. Perante a resposta afirmativa, contactou a Rede de Emergência Alimentar, lançada na sexta-feira, dia 20, pela Federação de Bancos Alimentares, e ofereceu-se para cozinhar refeições destinadas a “pessoal médico, lares, associações e famílias carenciadas”.

A Rui Silvestre juntou-se já, no Algarve, Noélia, do restaurante Noélia e Jerónimo em Cabanas de Tavira, que está igualmente a preparar refeições com os produtos fornecidos pela Makro. O panorama da indústria da restauração no Algarve é desolador, confirma Rui Silvestre. “Não existe uma estrutura montada para serviços de take-away, alguns estão a tentar organizar-se mas acho que vai ser muito complicado.”

No Porto, Vasco Coelho Santos, do Euskalduna e do Semea, está a trabalhar com Marco Gomes e com Tânia Durão, do Atrevo, na cozinha do Oficina. “Fechei os restaurantes no dia 13 e soubemos que a Makro tinha alimentos que se iam estragar. Falei com a Isabel Caeiro [da Makro] que me disse que tinham 300 quilos de peixe.”

Os cozinheiros organizaram-se, levaram alguns colaboradores das suas equipas e puseram-se a cozinhar massada de peixe, que, através dos voluntários das instituições parceiras do Banco Alimentar, estão a enviar para as famílias que precisam de apoio.

Se, no Algarve, Rui Silvestre assegura que o Alimentar a Saúde “é para continuar enquanto for necessário”, com a garantia do apoio da Makro e da colaboração com a Rede de Emergência Alimentar, no Porto ainda nada está definido.

“Temos muitos cozinheiros que querem ajudar”, afirma Vasco. “O problema é termos ingredientes. Os que tínhamos nos restaurantes já se esgotaram. Temos que ter o apoio da Makro, do Continente ou do Pingo Doce”.

Sabe, por exemplo, que a Makro já tinha disponibilizado esta segunda-feira mais 30 quilos de peixe que Joana Babo do restaurante Boa Bao tinha ido buscar. Também a padaria Intrigo se ofereceu para fornecer pão. “Cada um à sua maneira está a tentar ajudar.”