Reportagem

Uma viagem no tempo com os manuscritos de Pedro Corrêa do Lago

Do menino que escreveu a Truffaut a pedir um autógrafo ao coleccionador que viu o seu espólio reconhecida em A Magia do Manuscrito, de Christine Nelson, livro da Taschen.

Pedro Corrêa do Lago
Fotogaleria
Pedro Corrêa do Lago na sua sala em São Paulo Walter Craveiro
literatura,culturaipsilon,camoes,fernando-pessoa,livros,brasil,
Fotogaleria
literatura,culturaipsilon,camoes,fernando-pessoa,livros,brasil,
Fotogaleria
TASCHEN
literatura,culturaipsilon,camoes,fernando-pessoa,livros,brasil,
Fotogaleria
Carta de Dom Sebastião em 1571 para João Telo de Menezes, o embaixador junto ao Papa Pio V Walter Craveiro
literatura,culturaipsilon,camoes,fernando-pessoa,livros,brasil,
Fotogaleria
Um pormenor de uma das cartas de Machado de Assis que fazem parte da colecção de Pedro Corrêa do Lago Walter Craveiro

Pedro Corrêa do Lago sabe que é um privilegiado, pois convive diariamente com vários tesouros. É detentor de duas colecções de manuscritos e autógrafos, uma internacional e uma luso-brasileira, com cerca de 110 mil peças datadas de 1140 até 2017. “Claro que não é a mesma coisa que ser-se dono de obras de Van Gogh. Mas este manuscrito de Machado de Assis me toca muito, bem como as cartas de Fernando Pessoa…”, confessa o brasileiro ao P2 enquanto, na sala da sua casa em São Paulo, mostra uma fotografia de Pessoa, em criança, cujo verso tem uma assinatura que “deve ser uma das primeiras” do escritor português.