Pedro Corrêa do Lago: uma descoberta em Portugal

Na editora Capivara, de Paulo Corrêa do Lago, estão representados todos os grandes artistas importantes estrangeiros que trabalharam no Brasil até ao começo do século XX.

,História
Fotogaleria
A capa do livro Coleção Princesa Isabel –? Fotografia do Século XIX de Bia Corrêa do Lago e Pedro Corrêa do Lago Walter Craveiro
Pedro Corrêa do Lago
Fotogaleria
Pedro Corrêa do Lago na sua casa em São Paulo Walter Craveiro

Construir uma colecção “panorâmica” que procurasse “peças importantes de quatro a cinco mil pessoas” que Pedro Corrêa do Lago considera que são as que tiveram “um papel maior” na arte, na música, na literatura, na ciência, no entretenimento e na história foi “uma fonte de aprendizado de prazer”. Mas também é um prazer solitário. “Quando publiquei um dos meus primeiros livros, um amigo meu que sabia que era uma coisa que eu fazia no meu quartinho, me disse: ‘Finalmente, você está transando, até agora foi só masturbação.’ E é verdade.” Foi a partir de 1999 que Pedro Corrêa do Lago publicou os seus primeiros livros (actualmente, já são 20). “Ao fim de um certo tempo, apercebi-me de que era eu que trazia as ideias, os patrocínios, por que não ser também eu a editá-los? A Bia se animou, para eu não fazer besteira, me deu uma participação simbólica e está à cabeça da editora.”