Trump apresenta plano contraditório para a paz israelo-palestiniana

Presidente dos Estados Unidos diz que Jerusalém Oriental seja capital de um Estado palestiniano - mas também disse que a cidade santa é a capital indivisível de Israel.

Televisão
Foto
Na Palestina um homem põe um sapato na cara de Trump (um insulto) durante o anuncio Reuters

Na Casa Branca, e ao lado do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, o Presidente dos Estados Unidos apresenta o seu plano de paz para o conflito israelo-palestiano - a que chamou “deal of the century” (negócio, ou acordo, do século).

Disse que a sua proposta representa “uma solução realista de dois Estados”, o que indica que o plano prevê a criação de um Estado palestiniano (o que podia não estar contemplado num primeiro momento do plano)

Donald Trump, muito aplaudido pela assistência quando disse que a cidade de Jerusalém é a capital indivisível de Israel, disse também que Jerusalém Oriental deve ser a capital desse Estado palestiniano. Também reconheceu os territórios anexados por Israel.

“Eles querem a paz, e querem-na muito”, disse Trump.

“O Estado de Israel está à procura da paz e essa paz transcende a política”, disse Trump, que explicou ter-se reunido, na segunda-feira, com “o homem que está a tentar ser primeiro-ministro”, Benny Gantz (que não ficou para a cerimónia de apresentação do plano; Israel está em campanha eleitoral para as legislativas de Março).

O discurso foi seguido nos territórios palestinianos com manifestações de rejeição da proposta.

Trump está ciente da oposição das autoridades palestinianas a este plano - a que Netanyahu chamou “excepcional” no início da sua intervenção. Mas disse que “não seria justo” se não fizesse concessões aos palestinianos - e pediu à audiência para não aplaudir estas palavras.

Trump disse aos palestinianos para não desperdiçarem esta “oportunidade histórica” de obterem um estado independente. “Nunca mais teremos uma equipa como esta”, disse, numa frase de pressão sobre a Autoridade Palestiniana.

Netanyahu disse que este é um “grande plano” para Israel. E afirmou que Donald Trump é “o maior amigo que Israel já teve na Casa Branca”.

O primeiro-ministro israelita - que não se cansou de elogiar Trump, a quem tratou por Donald várias vezes -  disse ainda que se os palestinianos aceitarem as propostas de Trump, está disposto a “negociar imediatamente”.

Na Faixa de Gaza, o Hamas reagiu ao plano - disse que o discurso é “agressivo” para os palestinianos e chamou “absurdo” ao plano.

As propostas de Trump (numa intervenção que teve algumas contradições)

  • Estabelecer Jerusalém como capital “indivisível”, mas com o potencial de também albergar a capital palestiniana em alguns sectores orientais
  • Reconhecer como parte de Israel os colonatos judaicos nos territórios palestinianos ocupados 
  • Oferece a possibilidade de, no futuro, haver um Estado palestiniano que “mais do que duplica o território palestiniano"; mas não disse a que território se refere
  • Criar “um milhão” de novos empregos para os palestinianos e triplicar o seu PIB
Sugerir correcção