“Farfalha” condenado a 11 anos de prisão por coacção sexual e tráfico de droga

Caso remonta a 2017 e juíza disse não ter “razões para duvidar dos factos” relatados pelas vítimas.

Foto
"Farfalha" já tinha sido condenado em 2005 num caso de pedofilia MG MANUEL GOMES

Um antigo pintor de construção civil conhecido como “Farfalha” foi condenado esta segunda-feira a 11 anos de prisão num processo em que foi acusado dos crimes de violação, abuso sexual e recurso à prostituição de menores.

A sentença foi proferida no Tribunal Judicial de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, tendo o homem de 52 anos sido condenado pelos crimes de recurso à prostituição de menores, coacção sexual e tráfico de estupefacientes agravado. O crime de violação não ficou provado. A condenação inclui também o pagamento de indemnizações às três vítimas, no valor global de 13.500 euros.

O arguido já tinha sido condenado em 2005 num caso de pedofilia na ilha de São Miguel e em Outubro de 2019 voltou a tribunal para ser julgado, à porta fechada, pela prática de três crimes de violação de menores, um crime de coacção sexual de menor, dois crimes de recurso à prostituição de menores e um crime de tráfico de estupefacientes agravado.

Os factos deste novo caso remontam a 2017, altura em que os três ofendidos tinham 17 anos de idade. Na leitura do acórdão, a juíza sublinhou que o tribunal “não tinha razões para duvidar dos factos” relatados pelas vítimas, embora o arguido tenha negado todas as acusações. Dirigindo-se ao arguido, após a leitura do acórdão, a juíza lembrou que o homem já tinha sido condenado por actos sexuais com menores. “Esta decisão não podia ser de outra forma, os menores são para respeitar”, frisou a juíza, referindo, durante a leitura do acórdão, os relatos das vítimas.

O arguido, que está aposentado por invalidez, tinha sido condenado em 2005 a uma pena única de prisão de 14 anos, pelo Tribunal Judicial de Ponta Delgada, pela prática de vários crimes de abuso sexual de crianças, abuso sexual de adolescentes, violação e actos exibicionistas, tendo saído em liberdade condicional em 2013. Naquela altura, foi a pena mais elevada do processo decidida pelo tribunal de júri, composto por três juízes e quatro jurados.

As investigações da PJ permitiram então a detenção de 17 homens da ilha de São Miguel que supostamente frequentavam uma garagem propriedade de “Farfalha”, num processo que envolvia ainda cerca de duas dezenas de menores. Hoje, após a leitura do acórdão, os jornalistas tentaram obter uma reacção da advogada de “Farfalha” para saber se este irá ou não recorrer da pena, mas tal não foi possível.

Sugerir correcção