Opinião

A surpresa espanhola no Largo do Rato

Na semana em que o novo governo espanhol entrou em funções, a realidade mostra como a política do medo é sempre construída em cima de propaganda.

Há alguns meses foi a ameaça que pairou em plena campanha eleitoral. Apontando à maioria absoluta, António Costa acenava com o medo para justificar o pedido de um resultado forte para o PS. Onde estava o diabo? Do outro lado da fronteira, onde a dependência do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) dos partidos à sua esquerda ameaçaria a estabilidade política. A frase fica para a memória: “Um cenário à espanhola, com um PS fraco e o nosso Podemos forte [em alusão ao Bloco de Esquerda], seguramente inviabilizaria a estabilidade política.” Na semana em que o novo governo espanhol entrou em funções, a realidade mostra como a política do medo é sempre construída em cima de propaganda.

Uma primeira nota sobre o custo político da teimosia. O PSOE recusou durante meses um acordo com os partidos à sua esquerda, em particular com a coligação Unidas Podemos. O objetivo de Pedro Sánchez era usar a crise política como arma política para conquistar espaço eleitoral aos partidos à esquerda e pedir uma maioria absoluta. Durante meses faltou bom senso e sobrou taticismo partidário, reduzindo a política ao que tem de pior.

O resultado foi desastroso: nada de relevante mudou na relação de forças à esquerda, onde partidos perderam representação, e o prémio saiu à extrema direita. O fantasma da crise política catapultou os extremistas do Vox para terceira força política espanhola. O taticismo favoreceu apenas a extrema direita.

Tal como aconteceu em 2015 em Portugal, foi a pressão das urnas que obrigou o PSOE a abrir as portas a um verdadeiro diálogo. Em pouco tempo conseguiu-se o que antes diziam ser impossível e o acordo entre PSOE e Unidas Podemos virou a página da política em Espanha, dando corpo ao governo que agora tomou posse.

Colocando como um dos seus primeiros objetivos a “revogação” da reforma laboral que o governo de direita tinha realizado em 2012, acompanhada da promessa de aumentar o salário mínimo para 1200 euros ao longo da legislatura, a recente “coligação progressista” mostra coragem. O mesmo se passa com a subida de impostos para os mais ricos e para as grandes empresas. Creio que só estas propostas já deviam fazer corar António Costa, que tem negado mexer uma palha na legislação laboral deixada pela troika e rejeitado repor os direitos dos trabalhadores. Afinal, é possível ver um PS a defender esse tipo de medidas, apesar de esconjuradas em território nacional. Qual é o segredo para esta mudança no PSOE? Está à vista de todos, foi o susto eleitoral que tiveram. Por isso o programa de governo tem uma marca forte de esquerda.

No entanto, outra grande mudança a registar no PSOE é a abertura ao diálogo com os diversos nacionalismos. Da Catalunha à Galiza, o que está proposto é a normalização de relações. Será o início de um novo caminho capaz de sanar algumas das feridas profundas que estão abertas? A folha está em branco à espera de ser escrita, mas já se sabe que não haverá orçamentos sem que alguns avanços se consigam.

A resposta das direitas espanholas é um regresso ao nosso passado. Desde as acusações de usurpação de poder à negação dos resultados eleitorais, é o próprio exercício da democracia que colocam em causa. Lembra-se de Portugal depois das eleições de 2015? O guião é parecido. O novo governo é um terramoto político para as direitas que apostaram tudo na sua impossibilidade. No futuro desta solução política joga-se a crise das direitas ou o seu regresso ao poder e por isso a palavra de ordem é destruir, deitar abaixo.

Por último, sobre a participação da Unidas Podemos no governo. Há a eterna questão da relação de forças e se ela garante a sobrevivência do projeto político depois da experiência governamental. Cada qual saberá de si e acredito que essa avaliação terá sido feita. A presença num governo nunca pode ser um fim em si mesmo. Tem de fazer parte de um projeto para o país, resultado de uma dinâmica social que a sustente e acompanhada pela inteligência de nunca ficar refém de nenhuma situação. Que a força esteja convosco.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Sugerir correcção