EPAL diz que até 2025 vai produzir energia 100% renovável

A empresa responsável pelo abastecimento de água em 35 municípios portugueses, inclusive Lisboa, explica que alcançá este objectivo através da instalação de centrais de produção de energia hidroeléctrica nas condutas de água, eólica e fotovoltaica.

Aqueduto das Águas Livres
Foto
A EPAL abastece água à região de Lisboa, num total de mais de 350 mil clientes Nuno Ferreira Santos

A Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL), que abastece 35 municípios portugueses, inclusive Lisboa, anunciou esta sexta-feira a produção da sua própria energia 100% renovável, com o objectivo de ser, até 2025, o primeiro operador mundial do sector “energeticamente auto-sustentável”.

No âmbito do projecto 0% Energia, a EPAL pretende “alcançar a neutralidade de emissões, produzindo a sua própria energia a partir de fontes renováveis”, avançou a empresa, explicando que tal será possível através da instalação de centrais de produção de energia hidroeléctrica nas condutas de água, eólica e fotovoltaica.

Além disso, o projecto vai retirar partido do armazenamento nos reservatórios existentes, uma vez que vai ser implementado em todos os municípios abastecidos pela EPAL, estando inclusivamente a ser testado nas Estações de Tratamento de Água (ETA) e nas Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do país. “Uma verdadeira aposta na sustentabilidade ambiental e económica, reduzindo a exposição da empresa ao mercado energético”, afirmou a EPAL, em comunicado.

O projecto 0% Energia foi desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da EPAL, com o apoio de empresas e instituições de referência, nomeadamente o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESCTEC), o Instituto Superior Técnico (IST) e o Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica (INEGI). “A EPAL tem como objectivo, até 2025, tornar-se o primeiro operador mundial do sector da água energeticamente neutro, reforçando a sua eficiência energética”, informou a empresa, acrescentando que vai ser produzida energia eléctrica a partir de fontes renováveis, o que resultará na “eliminação de 38 mil toneladas de emissões de CO2.

Segundo a empresa, o projecto 0% Energia faz parte de uma estratégia alinhada com os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e o Roteiro Nacional de Baixo Carbono 2050.

O sector das águas é responsável por um consumo de energia eléctrica superior a 1000 gigawatt-hora (GWh) por ano, valor correspondente a mais de 2% do consumo total de energia eléctrica do país, revelou a EPAL, referindo que “o Grupo Águas de Portugal consome cerca de 700 GWh/ano, dos quais 140 GWh/ano são consumidos na EPAL, representando cerca de 0,3% do consumo nacional de energia eléctrica”.

Na terça-feira, a Academia das Águas Livres da EPAL lançou o Curso Avançado de Energias Renováveis no Sector da Água, o qual reúne 10 entidades formadoras, “para reforçar as competências dos quadros portugueses para liderarem o processo de Acção Climática”, promovendo o aumento de competitividade das empresas nacionais do sector.

Sucessora da centenária Companhia das Águas de Lisboa (CAL) como concessionária do abastecimento de água à cidade de Lisboa, a EPAL foi constituída em 1974 com a designação de Empresa Pública das Águas de Lisboa, que se manteve até 1981, quando passou a denominar-se por Empresa Pública das Águas Livres.

Actualmente, a EPAL é responsável pelo abastecimento de água em 35 municípios portugueses, inclusive Lisboa.