Huawei sofre primeiro golpe das sanções e lança telemóvel sem aplicações do Google

A empresa criou um fundo de mil milhões de dólares para motivar programadores a criarem aplicações especiais para os telemóveis da marca chinesa.

Microfone
Foto
A nova estratégia é uma consequência das sanções dos EUA LUSA/LUKAS BARTH-TUTTAS

Os novos telemóveis topo de gama da Huawei vão chegar ao mercado sem aplicações do Google pré-instaladas. O Mate 30 e o Mate 30 Pro terão um sistema Android, mas virão sem serviços como o navegador Chrome, os Google Maps e o Gmail – e sem acesso à loja do Google para os instalar. A ausência destas aplicações torna os novos modelos menos apelativos para consumidores nos mercados ocidentais e representa o primeiro grande impacto das sanções dos EUA na empresa chinesa. O Facebook, Messenger e Instagram também não virão incluídos, embora possam ser descarregados após a compra. 

Os aparelhos foram apresentados esta quinta-feira, em Munique. Os futuros utilizadores terão a oportunidade de instalar novas aplicações a partir da própria loja da Huawei, a Huawei App Gallery (é daqui que poderão descarregar as aplicações do Facebook). A empresa está a disponibilizar um fundo de mil milhões de dólares (mais de 903 milhões de euros) para incentivar programadores a criarem novas aplicações para os telemóveis da marca.

A iniciativa faz parte de uma estratégia para mitigar o impacto da falta de aplicações norte-americanas nos novos aparelhos. Este ano, a Huawei viu-se no meio de uma disputa comercial entre os EUA e China quando a administração de Donald Trump incluiu a empresa chinesa numa “lista negra” de entidades às quais as empresas americanas não podem fornecer serviços ou produtos.

“As sanções dos EUA impedem-nos de usar os serviços móveis do Google, obrigando-nos a usar apenas o núcleo de serviços da Huawei”, admitiu Richard Yu, director executivo para a área de consumo da empresa chinesa, ao subir em palco em Munique. Yu esperou duas horas antes de abordar a questão do conflito económico entre a China e os EUA. “Por isso, vamos disponibilizar um kit para ajudar programadores de aplicações a criar melhores aplicações para os serviços de telemóvel da Huawei”, disse Yu. “E vamos disponibilizar um programa de incentivos.”

O bloqueio do Google leva novos aparelhos da Huawei a ficarem barrados da loja de aplicações do Google e das actualizações do sistema operativo Android, que o Google desenvolve. Como alternativa, a Huawei está a optar por utilizar uma versão em código aberto do sistema, que está disponível para qualquer pessoa ou empresa, com a esperança de que o recurso a incentivos financeiros motive programadores a desenvolverem aplicações compatíveis com o EMUI 10, a versão do Android da Huawei.

Se o programa não tiver adesão, a falta de acesso a aplicações populares, como o Google Maps e o YouTube, não é um bom presságio para a empresa: em 2017, a Microsoft desistiu de desenvolver o seu sistema operativo para telemóveis, o Windows Phone, devido à falta de oferta de aplicações para a plataforma. Lançado em 2010, o sistema da Microsoft chegou tarde de mais, com o Android e o iOS a dominar o mercado.

Os telemóveis da Huawei têm vindo a conquistar consumidores. Nos últimos anos, a Huawei é das marcas que mais tem crescido, tendo substituído a Apple no segundo lugar do pódio do maior número de telemóveis vendidos. A sul-coreana Samsung continua na frente. 

No começo da apresentação desta quinta-feira, Richard Yu anunciou que as vendas de smartphones da empresa aumentaram 26% entre Janeiro e Agosto deste ano, face aos mesmos meses do ano passado. E a Europa é um dos mercados onde a marca tem tido sucesso a vender aparelhos topo de gama, particularmente da série Mate e da série P: em 2018, a fabricante enviou 26,3 milhões de smartphones para a região, de acordo com dados da analista IHS Markit. Nesse ano, a receita total da empresa atingiu os 105 mil milhões, representando um aumento anual de 20%. 

PÚBLICO -
Foto
Novos telemóveis virão sem as aplicações do Google

Embora as sanções à Huawei tenham sido anunciadas após meses em que os EUA afirmavam terem preocupações sobre segurança e espionagem por parte da empresa, também têm sido vistas como uma consequência da guerra comercial em curso.

Nem todos apoiam a decisão dos EUA, com a Microsoft entre as empresas norte-americanas a criticar publicamente o bloqueio à Huawei. Esta semana, o responsável legal da multinacional, Brad Smith, pediu ao governo dos EUA para acabar com a proibição de fornecer produtos à Huawei. Em declarações à BBC, Smith explicou que criar uma “cortina de aço digital” trata-se de um erro que poderá atrasar os EUA e as democracias globais.

Até Novembro, estão em vigor algumas excepções às sanções americanas – a justificação é que as empresas de telecomunicações norte-americanas precisam de tempo extra para poderem funcionar sem a tecnológica chinesa. Mas estas excepções apenas dizem respeito a produtos que já estão no mercado.

Telemóveis que nunca desligam

Os novos Mate 30 – que incluem o Mate 30, o Mate 30 Pro, uma versão 5G do Mate 30 Pro e uma edição vegan – virão todos com o novo processador Kirin 990, que permitirá descarregar vídeos e aplicações mais rapidamente, e quatro câmaras traseiras cada. Os preços irão variar entre os cerca de 800 euros e os 2100 euros.

Uma das grandes novidades dos aparelhos (além da total ausência de aplicações do Google) é o facto de o telemóvel também não ter qualquer botão para desligar. Em vez disso, os telemóveis virão com um ecrã que está sempre ligado e que mostra as horas ou um protector de ecrã personalizado, quando não está a ser utilizado. Não será preciso deslizar directamente o dedo no ecrã para fazer scroll (basta fazer o movimento no ar).

Em vez do ecrã do telemóvel rodar automaticamente, consoante a posição do aparelho, os novos Mate 30 usam inteligência artificial para acompanhar o olhar dos donos e perceber se estão a olhar para o telemóvel na vertical ou na horizontal. “Já não vou ter de desligar a função de rotação automática quando estou a tentar ler no sofá ou na cama”, disse Richard Yu.

 Outros elementos destacados foram a capacidade de carregamento sem fios (inclusive através de um aparelho ligado ao carro), a capacidade de carregar outros telemóveis (uma funcionalidade que apareceu, pela primeira vez, com os telemóveis Mate 20 da Huawei) e um modo nocturno. Foi também apresentado um novo relógio inteligente da Huawei com um preço a começar nos 299 euros.

Antes do lançamento oficial do Mate 30, circulavam rumores de que a multinacional se preparava para a possibilidade de deixar de utilizar os serviços Android por completo. No começo de Agosto, a marca chinesa apresentou o Harmony OS, um novo sistema operativo para os aparelhos conectados da marca (por exemplo, colunas inteligentes), que a fabricante acredita poder incluir em novos telemóveis.

Actualizado às 19h22: Clarificado que embora os novos aparelhos Huawei não venham com as aplicações do Facebook pré-instaladas, estas podem ser descarregadas, mais tarde, da loja de aplicações da Huawei.