Ópera de Los Angeles investiga acusações de assédio sexual contra Plácido Domingo

Os espectáculos marcados para os próximos meses com a Orquestra de Filadélfia e a Ópera de São Francisco foram cancelados na sequência “das informações recentes sobre as múltiplas acusações de assédio sexual” visando o tenor.

,Tenor
Foto
LUSA/MARTIN DIVISEK

As acusações de assédio sexual envolvendo Plácido Domingo que foram divulgadas na terça-feira pela Associated Press (AP) já levaram pelo menos duas instituições norte-americanas a cancelarem a presença do cantor em espectáculos agendados para os meses de Setembro e Outubro; a estas primeiras ondas de choque junta-se também o anúncio de que a Ópera de Los Angeles irá procurar “aconselhamento externo” para investigar os relatos das nove mulheres ouvidas por aquela agência noticiosa.

A primeira instituição a avançar para o cancelamento de um espectáculo com o cantor foi a associação de Orquestras de Filadélfia que, num comunicado emitido horas depois da publicação da reportagem da AP, anunciou ter decidido retirar o convite feito a Plácido Domingo para actuar na gala de abertura da temporada 2019/20, a 18 de Setembro. “Estamos empenhados em criar um ambiente seguro, solidário, respeitoso e apropriado para a orquestra e para os seus funcionários, para os artistas convidados e os compositores, para as nossas audiências e comunidades”, sublinha aquela orquestra.

Horas mais tarde, também a Ópera de São Francisco anunciou o cancelamento do concerto que assinalaria os 50 anos da sua relação de trabalho com Plácido Domingo, marcado para 6 de Outubro. “A decisão de cancelar o concerto foi tomada depois dos recentes relatos dando conta de múltiplas acusações de assédio sexual”, explicou a instituição num comunicado publicado na sua página oficial. “Ainda que os alegados incidentes não tenham acontecido na Ópera de São Francisco, a companhia não pode apresentar o artista” no seu palco, prossegue a nota de imprensa, que enfatiza o compromisso da instituição “com a sua resoluta política anti-assédio sexual” e apela a todos os membros da companhia para que “adiram aos mais elevados padrões de conduta profissional”.

O concerto de comemoração do meio século de colaboração da Ópera de São Francisco com Domingo estava a ser promovido como um “um evento único e especial” com “um dos cantores que fizeram a história” da companhia.

Já a Ópera de Los Angeles, de que Plácido Domingo é director-geral desde 2017, anunciou entretanto que irá contratar uma organização externa para investigar as “preocupantes alegações” visando o cantor. “Acreditamos que todos os funcionários e artistas devem ser tratados com respeito e sentir-se em segurança no seu ambiente de trabalho. A Ópera de Los Angeles tem políticas e protocolos robustos de recursos humanos, à luz dos quais vai procurar aconselhamento externo para investigar as preocupantes alegações que envolvem Plácido Domingo”, informou a companhia, ressalvando que ao longo das últimas três décadas o cantor “tem sido uma força criativa dinâmica na vida da Ópera de Los Angeles e na cultura artística da cidade”

De acordo com a reportagem da AP, pelo menos três das queixosas ter-se-ão cruzado com o tenor na Ópera de Los Angeles – incluindo a cantora que acusa o tenor de lhe ter posto a mão debaixo da saia, depois de ter sido convidada para ir ao seu apartamento “para ensaiar uma ária”.

Nova Iorque e Washington à espera

A Metropolitan Opera, de Nova Iorque, prefere esperar os resultados da investigação da Ópera de Los Angeles antes de tomar “quaisquer decisões finais sobre o futuro de Plácido Domingo na Met”. “Levamos muito a sério as acusações de assédio sexual e de abuso de poder”, apressou-se a comentar a instituição, que recentemente se viu abalada por um escândalo análogo envolvendo o maestro James Levine – o histórico director musical da companhia viria a ser despedido na sequência de um inquérito interno que entendeu serem “credíveis” as denúncias de abuso sexual de jovens músicos, entre os quais alguns menores. Frisando que,"no âmbito da sua carreira na Met como artista convidado, [o cantor] nunca esteve em posição de influenciar decisões de casting”, a companhia nova-iorquina prefere aguardar o desfecho da investigação a decorrer em Los Angeles antes de cancelar os vários espectáculos da próxima temporada em que Plácido Domingo está envolvido. O primeiro deles, uma produção do Macbeth de Verdi, sobe ao palco já a 25 de Setembro (Domingo alternará o papel de protagonista com o sérvio Željko Lučić, cabendo-lhe ainda as apresentações de 28 de Setembro e de 1 de Outubro); a seguir, o cantor encarnará pela primeira vez na sua carreira o Sharpless da Madame Butterfly de Puccini a 6, 9, 13 e 16 de Novembro.

Também a Ópera de Washington – de que Plácido Domingo foi director artístico entre 1996 e 2003 e director-geral entre 2003 e 2011 – declarou, em comunicado conjunto com o Kennedy Center, que “não recebeu queixas sobre o comportamento de Domingo antes da afiliação da Ópera ao Kennedy Center [em 2011] nem desde então”. A instituição acrescenta ainda que a empresa tem “políticas de tolerância zero no que respeita a assédio, discriminação ou abuso de qualquer tipo” e que avalia com muita seriedade “alegações desta natureza”.

Porém, a meio-soprano Patrícia Wulf – a única das nove mulheres que falaram à AP que aceitou ser nomeada – relata ter sido justamente em Washington, no decurso de uma produção de Fedora protagonizada por Domingo e por Mirella Freni, que foi assediada pelo cantor. Enquanto trabalharam juntos naquela ópera, Domingo tê-la-á confrontado todas as noites com a mesma questão: “Tens mesmo de ir para casa esta noite?”

Festival de Salzburgo não cancela

Os próximos espectáculos de Plácido Domingo, que terão lugar a 25 e 31 deste mês no Festival de Salzburgo, na Áustria, não sofreram no entanto quaisquer alterações. Contactada pela AP, a presidente do festival, Helga Rabl-Stadler, confirmou que a distribuição da versão de concerto da ópera Luisa Miller, de Verdi, se mantém: “Conheço Plácido Domingo há mais de 25 anos. Para além da sua competência artística, impressionou-me desde o início o apreço com que trata todos os empregados do festival. Conhece-os a todos pelo nome, do porteiro à secretária; nunca deixa de agradecer a quem quer que lhe preste o mínimo serviço. Se as acusações contra ele tivessem sido proferidas no festival, já teria tomado conhecimento”, continua, considerando “factualmente errado e moralmente irresponsável fazer juízos irreversíveis nesta altura, e basear quaisquer decisões em tais juízos”.

Também a sua actuação de 28 de Agosto em Szeged, na Hungria, continua de pé, assim como os espectáculos que nos próximos meses o levarão às óperas de Zurique e de Viena, de Berlim e de Dallas, à Royal Opera House de Londres, ao Scala de Milão, à Elbphilharmonie de Hamburgo e ao Teatro Real de Madrid, entre muitas outras salas.

Pelo menos nove mulheres (oito cantoras e uma bailarina) relataram à AP episódios de alegado assédio sexual perpetradas ao longo dos últimos 30 anos pelo tenor Plácido Domingo, um dos cantores líricos mais conhecidos e mais reputados do mundo. De acordo com os testemunhos recolhidos pela AP, Domingo terá pressionado várias mulheres a manterem relações sexuais com ele a troco de trabalho; quando recusavam, este prejudicava-as profissionalmente, usando os cargos de gestão que ocupava dentro das companhias. Uma destas mulheres relatou que Domingo enfiou a mão por debaixo da sua saia e outras três contaram que Domingo forçou beijos em camarins, quartos de hotel e almoços de trabalho.

As mulheres que agora falaram à AP – e que, na sua grande maioria, decidiram manter o anonimato – disseram que não contaram as suas histórias antes porque tinham medo de prejudicar as suas carreiras. com Inês Nadais