Trump quer incluir a China num novo tratado nuclear com a Rússia

Depois da saída dos EUA do INF, Presidente norte-americano quer um pacto alargado. Pequim diz que não está interessada e que nem tem o mesmo nível de capacidade de Washington e Moscovo.

Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos
Foto
Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos Reuters/YURI GRIPAS

Donald Trump quer incluir a China num futuro acordo internacional sobre armamento nuclear. Confirmado, na sexta-feira, o abandono dos Estados Unidos do Tratado de Armas Nucleares de Médio Alcance (INF, na sigla em inglês) – assinado em 1987 com a União Soviética, para limitar o armamento nuclear dos dois países –, o Presidente norte-americano pretende agora juntar Pequim e Moscovo à mesma mesa e desenhar um novo pacto a três. Uma ideia que não agrada a Xi Jinping.

Trump revelou que a China “está muito, muito entusiasmada” com a ideia, mas de Pequim não chegou qualquer sinal nesse sentido. Bem pelo contrário. Os chineses lamentam que os EUA tenham abandonado o INF, argumentam que a sua própria capacidade nuclear é significativamente inferior à de russos e norte-americanos e não estão disponíveis para negociar uma limitação ou redução do seu armamento.

“Os EUA estão a dizer que a China deve fazer parte de um acordo de desarmamento, mas toda a gente sabe que não temos a mesma capacidade dos EUA e da Federação Russa”, reagiu Zhang Jun, embaixador chinês em Washington, citado pela Reuters.

Dias antes, uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, citada pelo jornal pró-Governo Global Times, já tinha dito à imprensa local: “O tratado é um pacto bilateral entre EUA e Rússia. Transformá-lo num acordo multilateral envolve questões complexas, que preocupam muitos países”.

Segundo os dados recolhidos pelo Departamento de Defesa norte-americano, a China possui, neste momento, cerca de 290 armas nucleares. Um número bastante distante dos 1300 engenhos deste tipo que se calcula que tanto EUA, como Rússia, possuam.

A Administração Trump – e particularmente o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton – entende, no entanto, que a China tem aproveitado as limitações impostas aos EUA, pelo INF, para desenvolver e acelerar o seu arsenal de mísseis de médio alcance. Terá sido esse um dos motivos para a saída norte-americana do acordo de 1987, para além das acusações de violação do mesmo, dirigidas a Moscovo.

“Os EUA desafiam a Rússia e a China a juntarem-se a nós, nesta oportunidade, para oferecermos garantias reais de segurança aos nossos países e ao mundo inteiro”, declarou o secretário de Estado e responsável pela diplomacia norte-americana, Mike Pompeo.

Ratificado por Ronald Reagan e Mikhail Gorbatchov, na etapa final da Guerra Fria, o INF impunha aos signatários a redução do número de mísseis de médio alcance, disparados a partir do solo, e o compromisso de não se fabricarem novas versões desse tipo de armamento, capazes de transportar ogivas nucleares – entre mísseis de curto e médio alcance, foram destruídas mais de 2600 armas nucleares.

Há cerca de um ano, porém, os EUA ameaçaram abandonar o tratado que vigorava há mais de três décadas, por entenderem que a Rússia estaria a desenvolver mísseis 9M729, com um alcance que varia entre os 500 e os 5500 km – proibidos pelo pacto em vigor. Moscovo negou todas as acusações, mas Washington manteve a sua posição e depois da suspensão do INF, em Fevereiro deste ano, rasgou-o na sexta-feira, responsabilizando os russos pela sua “morte”.

Enquanto as partes não se decidem sobre um novo e actualizado acordo, teme-se uma corrida ao armamento das principais potências. António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, foi uma das vozes que se levantou contra o fim do INF, projectando que o mesmo vai “aumentar a ameaça apresentada pelos mísseis balísticos”.