O segredo dos Barca Velha ainda é a longevidade

Prova vertical de alguns Barca Velha, em São Paulo, apresentou colheitas de 1965, 82, 91 e 2008 para o público brasileiro conhecer melhor o vinho que tem no Brasil um dos seus principais mercados fora de Portugal.

Fotogaleria
ANA PATRÍCIA
Fotogaleria
Vinhos de Portugal em São Paulo ANA PATRÍCIA
Licor
Fotogaleria
Vinhos de Portugal em São Paulo ANA PATRÍCIA
Fotogaleria
Vinhos de Portugal em São Paulo ANA PATRÍCIA
Fotogaleria
Vinhos de Portugal em São Paulo ANA PATRÍCIA
Fotogaleria
Vinhos de Portugal em São Paulo ANA PATRÍCIA

O que faz um grande vinho ser um grande vinho e sê-lo de forma consistente ao longo de décadas? Nada melhor, para responder a esta pergunta, do que uma prova vertical de Barca Velha, o mais famoso vinho português. Na sua última edição produziram-se 18 mil garrafas, que hoje estão cotadas em cerca de 600 euros por unidade em Portugal e, face à procura no Brasil, pode atingir a cotação de 2000 euros.

Foi precisamente uma prova dessas que aconteceu sexta-feira, no arranque do Vinhos de Portugal em São Paulo, que chegou a esta cidade depois da primeira etapa, no fim-de-semana anterior, no Rio de Janeiro.

A prova, apresentada por Manuel Carvalho, director do PÚBLICO, aqui na qualidade de crítico de vinhos, tinha sido anunciada pela organização como o momento mais aguardado do evento de São Paulo, não só pela oportunidade de provar quatro Barca Velha de diferentes anos e ainda um Reserva Especial, como pela presença de Luís Sottomayor, o enólogo da Casa Ferreirinha, responsável por este vinho, que, em 67 anos de história recebeu o rótulo de Barca Velha apenas em 18 colheitas. Nos outros anos, como explicaria o enólogo, ele pode ser Reserva Especial ou pode não ser nada.

O que leva então à decisão de declarar um vinho como Barca Velha, o que o distingue de um Reserva Especial, é um dos grandes mistérios que os participantes nesta prova queriam desvendar. E Luís Sottomayor não os desiludiu.

Apesar de estarmos a falar de diferenças muito subtis, alguém com a experiência dele, que ainda conheceu o criador do vinho, Fernando Nicolau de Almeida, e que declarou o seu primeiro Barca Velha em 2008, sabe exactamente o que procura: a certeza de que o vinho tem capacidade para envelhecer bem, a garantia da longevidade.

PÚBLICO -
Foto
Ana Patrícia

A prova abriu em ambiente solene – “provar quatro grandes Barca Velha, o vinho português mais consagrado, mais caro, mais raro, é um momento que exige alguma solenidade e alguma reflexão”, disse Manuel Carvalho, antes de contar resumidamente a história da Casa Ferreirinha, do papel dessa mulher única no Douro que foi D. Antónia Adelaide Ferreira, e depois a aventura de criar o Barca Velha com uvas nascidas no calor tórrido do Douro Superior e, como explicaria Sottomayor, a pedirem alguma frescura e, sobretudo, a acidez de outras nascidas em quotas mais elevadas. É desse equilíbrio, construído e mantido desde os anos 50 do século passado até hoje, que se faz o Barca Velha.

“De cada vez que provo um Barca Velha é como se fosse a primeira vez”, confidenciou o enólogo, que fez precisamente no Brasil as verticais mais completas deste vinho. Modesto, diz que não sente um grande peso de responsabilidade porque sabe que tem o que precisa para trabalhar: “muito boas uvas”.

E agora tudo é mais fácil do que era no tempo de Fernando Nicolau de Almeida, quando era preciso transportar gelo de Matosinhos até à Quinta do Vale Meão (hoje o Barca Velha é feito noutra quinta, a da Leda) para poder controlar a temperatura nas cubas de fermentação.

O criador do Barca Velha “tinha o sonho de produzir no Douro um grande vinho de mesa” e para isso foi a França aprender com os melhores. O primeiro vinho da prova de São Paulo foi o Barca Velha de 1965 que, segundo Sottomayor, “foi feito como o de 52”, o primeiro, em condições que descreveu como “arcaicas”. Apesar da idade, Sottomayor chamou a atenção para os aromas terciários que já começam a notar-se, com notas “levemente iodadas, uma certa maresia, alguns cheiros de farmácias antigas”.

PÚBLICO -
Ana Patrícia
PÚBLICO -
Ana Patrícia
Fotogaleria
Ana Patrícia

Em novo, provavelmente “seria imbebível dada a sua adstringência”. Mas, moldado pelo tempo, ultrapassou os 50 anos de vida ganhando em charme e complexidade o que perdeu em intensidade, porque, notou o crítico, “os vinhos são seres vivos, evoluem, passam por diferentes fases, quase à semelhança dos humanos”.

Daí o interesse de uma prova vertical como esta, que continuou com o Barca Velha de 1982, já da “era da electricidade” nas adegas. O público foi fazendo perguntas: como sabe que vai ser Barca Velha? Alguma vez decidiu que seria Reserva Especial e mais tarde pensou que poderia ter sido Barca Velha? Houve até quem tentasse a sua sorte perguntando ao enólogo como estava o de 2011 – mas a decisão sobre este, respondeu Sottomayor sorrindo, será tomada até ao final do ano.

No de 82, os aromas terciários estão apenas a começar a aparecer, sente-se “muita pimenta, frutos secos como a noz e a amêndoa, e na boca é de uma frescura extraordinária, uma intensidade fora do comum”, resumiu o enólogo. O terceiro vinho foi o de 1991, já vinificado por Sottomayor, e o quarto foi o de 2008, o tal cuja decisão de levar o rótulo de Barca Velha foi tomada pela primeira vez por ele.

PÚBLICO -
Foto
Ana Patrícia

Por fim, para terminar a prova, foi servido um Reserva Especial de 2009, um vinho, nas palavras de Sottomayor, “provocante, guloso, que diz olá, cheguei, estou aqui, sou bonito”. Não sendo um Barca Velha, ajudou o enólogo a explicar melhor a tal diferença: “Se calhar é um vinho demasiado oferecido e talvez tenha sido isso que me levou a decidir que seria um Reserva Especial”.

O Vinhos de Portugal no Brasil, com presenças no Rio e em São Paulo, é uma iniciativa dos jornais PÚBLICO, de Portugal, e O Globo e Valor Econômico, do Brasil, em parceria com a ViniPortugal.