BdP não divulga devedores, mas revela que banca recebeu 23,8 mil milhões em 12 anos

O supervisor considera que em causa está informação sensível que pode ter consequências a nível financeiro, mas também da economia. Relatório tem apenas informação sobre injecção de capital nos bancos.

Banco de Portugal recusa divulgar lista de devedores
Foto
Banco de Portugal recusa divulgar lista de devedores Miguel Manso

O Banco de Portugal publicou esta tarde um resumo do relatório extraordinário sobre as instituições de crédito que, de algum modo, tiveram ajudas de Estado à sua recapitalização nos últimos 12 anos. Dele não consta qualquer lista de devedores, remetendo essa informação apenas para a Assembleia da República.

O supervisor entregou o relatório total na passada quinta-feira e foi instado pelo Parlamento a publicar os dados que considerava poderem ser do conhecimento público. Assim o fez, mas deixou de fora toda a informação relevante sobre devedores.

No preâmbulo que acompanha a divulgação do resumo do relatório, o BdP expressa a sua preocupação com o facto de a informação sobre devedores ser do conhecimento alargado do público. “O tratamento da informação reportada requer, no entender do Banco de Portugal, um dever de reserva especial, que salvaguarde firmemente o segredo a que essa informação está sujeita, de modo a não prejudicar as instituições de crédito, as empresas e a economia”, lê-se.

Este relatório extraordinário deveria conter a lista das principais posições financeiras dos bancos nos últimos 12 anos, incluindo todas as operações de valor “superior a 5 milhões de euros desde que igual ou superior a 1% do valor total dos fundos públicos mobilizados para essa instituição”. Esta informação não consta.

23,8 mil milhões para a banca em 12 anos

Contudo, o BdP acabou por agregar um conjunto de informação pública que demonstra a participação de dinheiro público – entretanto devolvido ou não – nos bancos. No total, nos últimos 12 anos, a banca teve ajudas de 23,8 milhões de euros.

No quadro do Banco de Portugal, pela sua natureza pública, a CGD foi o banco que mais apoio teve do Estado com, 6,250 mil milhões de euros, grande parte da capitalização de 2018. O BdP esclarece no entanto que “no caso da CGD, foram registados recebimentos de dividendos por parte  do  Estado  ao  longo  do  período  considerado”.

Logo de seguida, o que mais pesou em ajudas de Estado foi o Banco Português de Negócios (BPN) com 4,9 mil milhões e o BES, com 4,330 mil milhões. Neste quadro aparecem ainda os chamados Coco’s do BPI (1500 milhões) e do BCP (3000 milhões). Mas sobre estes bancos, o BdP faz uma nota: “Importa salientar que os fundos  públicos  disponibilizados  em  2012  foram  integralmente  devolvidos  ao  Estado,  incluindo  os  juros  contratados na altura entre o Estado e estas duas instituições”.

Entretanto, este documento será analisado pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças e serão eles a decidir se a informação publicada pelo supervisor é a suficiente para responder à legislação que foi aprovada este ano. Os deputados já têm em sua posse o relatório global, e cabe-lhes decidir se o público em geral tem direito a ter mais informação, especificamente a informação sobre os grandes devedores da banca.