Lula tem pena reduzida, mas a liberdade está cada vez mais longe

Supremo Tribunal de Justiça reduziu a pena do ex-Presidente, que até pode passar para a prisão domiciliária este ano. Porém, a condenação em terceira instância veda efeitos de revisão da jurisprudência do STF no seu caso.

Foto
Apoiantes de Lula da Silva nas imediações do Supremo Tribunal de Justiça, em Brasília ADRIANO MACHADO / Reuters

A defesa do ex-Presidente Lula da Silva obteve uma vitória parcial com a redução da pena de prisão por decisão unânime dos juízes do Supremo Tribunal Judicial (STJ), na terça-feira, no caso do triplex de Guarujá. O futuro de Lula continua, no entanto, dependente dos vários casos em que é acusado e a sua passagem para a prisão domiciliária em Setembro está longe de estar garantida.

Os quatro juízes do STJ rejeitaram de forma unânime os argumentos do recurso apresentado pela defesa do ex-Presidente que contestava vários aspectos da acusação, incluindo a imparcialidade de Sergio Moro, o juiz de primeira instância que condenou Lula e é hoje ministro da Justiça. A linha da defesa tem sido quase sempre a mesma: não há provas de que Lula fosse o proprietário do apartamento de Guarujá, que terá beneficiado de remodelações pagas por empreiteiras a troco de contratos públicos, e o caso é simplesmente uma perseguição política.

O STJ decidiu, no entanto, reduzir a pena de prisão para oito anos e dez meses, com o argumento de que a ampliação aplicada pelo tribunal de segunda instância – que condenou Lula a 12 anos e um mês – foi exagerada. A multa a ser paga pelo ex-Presidente também foi reduzida de 29 milhões de reais (6,5 milhões de euros) para 2,4 milhões (540 mil euros).

A defesa de Lula saudou o reconhecimento dos “abusos praticados contra o ex-Presidente”, mas insistiu que “o único desfecho possível é a absolvição, porque ele não praticou qualquer crime”.

À luz da nova pena, Lula da Silva poderia passar para um regime de prisão semi-aberto, em que apenas teria de pernoitar numa instituição prisional, ou até, por ter mais de 70 anos, passar para a prisão domiciliária, em Setembro, ao ter cumprido um sexto da duração da pena.

Mas Lula foi condenado noutro caso, que envolve a quinta de Atibaia – no qual também é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro –, a uma pena de 12 anos e dez meses de prisão pelo tribunal de primeira instância e, caso os juízes de segunda instância confirmem a condenação, as duas penas são adicionadas, atirando para 2022 uma potencial progressão para a prisão domiciliária. No limite, a passagem para um regime de detenção mais brando pode ser adiada por mais tempo, caso a pena seja aumentada pela segunda instância.

E há ainda os seis casos decorrentes da Operação Lava-Jato em que Lula é réu, mas ainda não foi julgado e que podem aumentar ainda mais o tempo de prisão do ex-Presidente.

À espera do STF

Com o julgamento de Lula pela terceira instância, uma das estratégias da sua defesa perde força. Desde 2016 que o Supremo Tribunal Federal (STF) defende uma controversa interpretação jurídica que viabiliza as prisões imediatas de condenados por tribunais de segunda instância – como aconteceu com o ex-Presidente, preso em Curitiba há mais de um ano. Os críticos deste entendimento consideram que se está perante a violação da norma constitucional que proíbe as detenções sem que todos os recursos tenham sido esgotados e há uma forte divisão mesmo entre os juízes do STF.

O tribunal tinha uma sessão marcada para 10 de Abril para decidir se mantém essa jurisprudência, mas o presidente Dias Toffoli decidiu adiá-la. Segundo a imprensa brasileira, o adiamento teve o objectivo de proteger os juízes do STF de uma eventual contestação pública que a reversão deste preceito poderia originar – e prejudicar ainda mais a imagem dos juízes do Supremo, um dos alvos de parte dos apoiantes do Presidente Jair Bolsonaro.

O fim das prisões após condenação em segunda instância permitiria a libertação imediata de dezenas de políticos e empresários implicados na Lava-Jato, mas já não  abrangerá Lula, uma vez que a sua condenação foi confirmada, desde terça-feira, pela terceira instância.