Parlamento volta a chumbar alternativas ao “Brexit”

Gabinete de May reunido nesta terça-feira para decidir passo seguinte. Ainda pode submeter a uma quarta votação o seu acordo de saída da União Europeia.

Foto
LUSA/MARK DUFFY / UK PARLIAMENT / HANDOUT

A Câmara dos Comuns voltou esta segunda-feira à noite a rejeitar todas as propostas alternativas para a saída do Reino Unido da União Europeia. Depois de uma primeira votação a 27 de Março, quando foram chumbadas oito moções alternativas, foram a votos apenas quatro resoluções.

- A moção “C” previa a negociação de uma “união aduaneira permanente e abrangente” com a União Europeia no âmbito de qualquer acordo de saída.

- A “D”, conhecida como a moção do “Mercado Comum 2.0” ou da “Noruega +”, defendia a adesão do Reino Unido à EFTA (Associação Europeia de Livre Comércio) e à EEA (Área Económica Europeia).

- A “E” propunha a realização de um referendo a qualquer acordo a ser aprovado pelo Parlamento.

- A “G” propunha evitar a saída sem acordo, incluindo por via da realização de um referendo à revogação do Artigo 50.

Jeremy Corbyn, o líder do Partido Trabalhista, tinha pedido aos seus deputados para apoiarem as moções “C” e “D” para “quebrar o impasse e encontrar o consenso necessário para forçar uma alteração às linhas vermelhas do acordo negociado pela primeira-ministra e chumbado três vezes pelos deputados..

Nick Boles, do Partido Conservador e autor da moção do “Mercado Comum 2.0”, foi outro dos derrotados da noite, apresentando em seguida a sua demissão, apesar de a sua proposta ter sido a que ficou mais próxima de alcançar uma maioria.

O debate ficou ainda marcado pelo protesto de 11 ambientalistas nus nas galerias da Câmara dos Comuns.

Theresa May ainda planeia ver aprovado o acordo que assinou com a União Europeia para a saída do Reino Unido. Nesta terça-feira reúne o seu gabinete para decidir os passos seguintes.