Parlamento britânico assume as rédeas do “Brexit” e votará alternativas ao plano de May

Primeira-ministra conservadora sofre nova derrota em Westminster.

Foto
LUSA/UK PARLIAMENTARY RECORDING UNIT / HANDOUT

A Câmara dos Comuns aprovou esta segunda-feira, por 329 votos contra 302, uma resolução que atribuiu ao Parlamento o controlo sobre a agenda das votações da próxima quarta-feira, retirando precedência ao Governo e abrindo caminho à apreciação de outras alternativas ao plano da primeira-ministra Theresa May para o “Brexit” — que ainda não reuniu apoios suficientes a quatro dias da data originalmente estabelecida (e entretanto prorrogada) para a saída do Reino Unido da União Europeia.

Quarta-feira ficará assim marcada pela votação de vários cenários alternativos ao plano de May, que podem ir desde novos acordos até à convocação de um segundo referendo, o abandono da União Europeia sem qualquer acordo ou mesmo a revogação do Artigo 50 e o consequente cancelamento do próprio “Brexit”.

Theresa May — que irá submeter o seu acordo para o “Brexit” à votação dos parlamentares pela terceira vez nessa quarta-feira, apesar de reconhecer que continuará a não reunir votos suficientes para a aprovação — já afirmou que o Governo não garante a adopção das resoluções alternativas que vierem a ser apreciadas, declarando que “nenhum Governo pode passar um cheque em branco sem saber o que se vai aprovar”. A primeira-ministra afirmou ainda que “uma saída sem acordo é melhor do que um mau acordo”.

A aprovação da chamada “Emenda A”, ou “Emenda Ledwin”, foi antecedida pela demissão de três membros do Governo de May — Alistair Burt, Steve Brine e Richard Harrington — que desobedeceram à orientação de sentido de voto. Um total de 30 deputados conservadores votoram favoravelmente a proposta. Na carta de demissão, Harrington, sub-secretário de Estado do Comércio, acusou o Executivo de “jogar roleta russa com as vidas e as economias da vasta maioria” dos britânicos.