Conferência National Geographic vai ouvir o planeta a partir do Porto

Na tarde de 29 de Abril, na Casa da Música, cinco oradores vão falar do problema do plástico descartável.

Fotogaleria
Lucy Hawkes DR
Fotogaleria
Paula Sobral, que tem colaborado com instituições e agências governamentais para pôr em prática a Directiva Quadro Estratégia Marinha DR
Fotogaleria
Jamie Butterworth, que irá falar sobre economia circular DR
Fotogaleria
Lauren Singer, que desde 2012 evita produzir lixo DR

Depois de dois anos em Lisboa, a Conferência National Geographic (National Geographic Summit) muda-se para o Porto e leva com ela um dos temas do momento: o plástico. Com o mote “Ouvir o Planeta a partir do Porto”, a 29 de Abril, na Casa da Música, o fotógrafo Brian Skerry, a ecóloga Lucy Hawkes, a bióloga Paula Sobral, o antigo presidente executivo da Fundação Ellen MacArthur Jamie Butterworth e a fundadora do movimento Desperdício Zero Lauren Singer vão apresentar a dimensão do problema e sugerir alternativas. Os bilhetes já estão à venda.

Se nos anos anteriores esta conferência foi centrada em personalidades da National Geographic – como Jane Goodall e Sylvia Earle –, a edição deste ano é dedicada à campanha internacional “Planeta ou Plástico?”, que apela à redução do consumo de plástico descartável. “Este ano pensámos num grande conceito que temos como instituição e quisemos aproveitar a ocasião da summit para dar notoriedade a essa questão”, diz ao PÚBLICO Luís Fernambuco, director-geral da National Geographic Partners Portugal.

A mudança para o Porto aconteceu por dois motivos, segundo o director da National Geographic Partners Portugal: pela “ligação emotiva” com a cidade depois de a exposição Photo Ark ter sido apresentada lá pela primeira vez e pelas boas relações com várias instituições no Porto; e porque se pretendia descentralizar esta conferência. As próximas edições serão então noutros sítios em Portugal? “Ainda é cedo para tomar uma decisão, vamos ver como corre no Porto”, refere Luís Fernambuco.

Vejamos então o programa da conferência. Os oradores farão as suas apresentações na tarde de 29 de Abril a partir das 15h. Haverá dois grandes temas: “Por um lado, queremos apresentar a dimensão do problema”, destaca Luís Fernambuco. “Por outro lado, queremos dar alternativas e [mostrar] como todos podemos ter um papel concreto para reduzir o plástico descartável.”

Três dos oradores vão confrontar o público com o problema dos plásticos descartáveis. O fotógrafo subaquático Brian Skerry – que apresentou o seu trabalho até ao início deste ano no Oceanário de Lisboa na exposição Sharks, uma missão de Brian Skerry – já captou a diminuição nas pescas a nível mundial, recifes de coral em perigo ou tubarões ameaçados das Bahamas. “As suas imagens celebram o mistério das profundezas e oferecem retratos de criaturas tão íntimos que às vezes parecem ter sido tirados num estúdio”, refere-se num comunicado sobre a conferência. “Vai mostrar-nos como a beleza do oceano está a ser ameaçada pelo problema dos plásticos”, realça Luís Fernambuco.

PÚBLICO -
Foto
Brian Skerry, que mergulha oito meses por ano e muitas vezes em condições extremas como sob o gelo do Ártico DR

a ecóloga Lucy Hawkes rastreia populações de tartarugas marinhas dos Estados Unidos ou de Cabo Verde e segue a migração de animais como tubarões-frade e gansos-de-cabeça-listada, a que chama “animais atletas”. “A sua apresentação deverá ser focada na migração de tartarugas e como a poluição dos plásticos está a afectar as rotas migratórias”, resume o director-geral da National Geographic Partners Portugal.

PÚBLICO -
Foto
Lucy Hawkes, que rastreia “animais atletas” DR

A presença portuguesa deste ano é a bióloga Paula Sobral. Fundadora e presidente da Associação Portuguesa do Lixo Marinho, a investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente já desenvolve investigação em microplásticos e lixo marinho desde 2008. Segundo Luís Fernambuco, Paula Sobral dará uma visão científica da dimensão do problema e mostrará como a poluição dos plásticos está a afectar a costa portuguesa.

Apresentada a dimensão do problema, dois oradores irão sugerir soluções. Jamie Butterworth – antigo presidente executivo da Fundação Ellen MacArthur – é membro do comité de investimentos e integra a equipa de investimentos da empresa Circularity Capital. “Desenvolveu um profundo entendimento de como a economia circular gera valor, trabalhando com várias das principais marcas do mundo para apoiá-las na implementação bem-sucedida de modelos de negócios circulares”, lê-se no comunicado. Estará no Porto para falar de economia circular e explicar como a economia de uma sociedade pode evoluir e conseguir lutar contra os plásticos descartáveis.

Por fim, Lauren Singer – fundadora do movimento Desperdício Zero – deixará o seu testemunho. Desde 2012 que a norte-americana decidiu produzir a menor quantidade de lixo possível. “Como define o Desperdício Zero? Para Lauren, Zero Desperdício significa que não produz lixo. Não manda nada para o aterro, não manda nada para o lixo, nada. No entanto, recicla e faz adubo”, refere-se no comunicado. E Luís Fernambuco acrescenta: “Tem uma apresentação muito conhecida em que mostra um copinho fechado que representa a totalidade de lixo que produz durante um ano. Vai partilhar como se pode fazer isso.”

Além destas apresentações, entre as 10h e as 12h, decorrerá a Conferência National Geographic Júnior. Cerca de mil crianças do 5.º e 6.º ano – que estão a participar num desafio da National Geographic com projectos para reduzir do plástico nas suas escolas – irão assistir a uma apresentação de Brian Skerry e Ana Milhazes. Embaixadora do movimento Lixo Zero Portugal, a portuguesa Ana Milhazes dará às crianças algumas dicas para reduzirem o desperdício no dia-a-dia.

PÚBLICO -
Foto
Ana Milhazes, que irá partilhar com os mais novos formas de reduzir o desperdício DR

E será uma conferência sem plástico? “O nosso foco é o plástico descartável e vamos tentar reduzir a sua utilização durante a summit”, responde Luís Fernambuco. “Acreditamos que é importante fazermos mais hoje do que o que fazíamos ontem e fazermos mais amanhã do que o que fazemos hoje: neste sentido, se só conseguirmos reduzir 80% da utilização de plástico em relação à edição anterior, já é um êxito.” Portanto, embora não se consiga reduzir nas garrafas de água nesta edição, tentar-se-á não oferecer brindes com embalagens de plástico ou copos de plástico.

No final da conferência, Luís Fernambuco espera que a problemática dos plásticos tenha tido (ainda) mais visibilidade e que as pessoas saiam da Casa da Música com uma perspectiva positiva. “Não queremos só dizer que é um grande problema, mas queremos apresentar soluções e propostas para que as pessoas possam aplicá-las depois de forma prática no dia-a-dia.”

Até domingo, 17 de Março, os bilhetes normais custam 35 euros. Depois, o preço sobe para 50 euros. Há apenas 50 bilhetes para estudantes a 25 euros.