A ilha de plástico do Pacífico Norte tem 17 vezes o tamanho de Portugal

A Grande Mancha de Lixo do Pacífico é uma ilha em que não se pode caminhar: é toda feita de plástico flutuante. Os cientistas estimam agora que é maior do que se pensava, tendo cerca de 1,6 milhões de quilómetros quadrados.

Fotogaleria
Em 2015, houve uma mega-expedição com mais navios para se medir a acumulação de plástico no Pacífico Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
A mega-expedição reuniu 30 navios em 2015,A mega-expedição reuniu 30 navios em 2015 Fundação The Ocean Cleanup,Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
O cientista Laurent Lebreton Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
Usaram-se mais de 600 redes de arrasto para este trabalho Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
Usaram-se mais de 600 redes de arrasto para este trabalho Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
Recolheram-se amostras de diferentes tipos de plástico Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
Recolheram-se amostras de diferentes tipos de plástico Fundação The Ocean Cleanup
Fotogaleria
Recolheram-se amostras de diferentes tipos de plástico Fundação The Ocean Cleanup

Uma equipa internacional de cientistas mediu (a uma escala nunca antes feita) a Grande Mancha de Lixo do Pacífico, mais conhecida como a Ilha de Lixo do Pacífico. Estima-se agora que esta “ilha” de plástico a flutuar tenha 1,6 milhões de quilómetros quadrados, o que equivale a mais de 17 vezes o tamanho de Portugal continental, dos Açores e Madeira. Num artigo científico publicado esta quinta-feira na revista Scientific Reports, os cientistas mostram que há cerca de 80 mil toneladas de plástico a flutuar nessa ilha, um valor cerca de 16 vezes mais elevado do que se pensava.

Em 1997, estava o oceanógrafo californiano Charles J. Moore a regressar de uma regata Los Angeles-Havai a bordo do seu catamarã quando, por acaso, encontrou essa ilha de plástico flutuante. A partir daí, começou a ficar cada vez mais conhecida. “No entanto, a NOAA [agência dos oceanos e da atmosfera dos EUA] já anteriormente havia previsto a sua existência através de dados recolhidos no Japão em condições de circulação semelhantes”, aponta Paula Sobral, professora da Universidade Nova de Lisboa (UNL), que não participou no trabalho. Esta ilha fica entre a Califórnia e o Havai. “A exactidão é relativa, pois é uma mancha móvel, uma sopa”, frisa Paula Sobral.

Laurent Lebreton, cientista da Fundação The Ocean Cleanup (Holanda) e principal autor do artigo, também destaca a aparência dessa ilha: “É importante salientar que a Grande Mancha de Lixo do Pacífico não é uma ilha de lixo, mas uma área onde a concentração de plástico flutuante é significativamente mais elevada do que noutras partes do oceano.” E acrescenta: “Se a virmos do céu, por exemplo, só vemos um oceano azul profundo, mas se a virmos mais de perto começamos a perceber que há muitos detritos espalhados à superfície.”  

PÚBLICO -
Foto
Usaram-se mais de 600 redes de arrastos para se recolherem amostras de plástico Fundação The Ocean Cleanup

E como surgiu? “Formou-se pela acumulação de plástico flutuante que circula nos oceanos, em particular no giro do Pacífico Norte, e está relacionado com o facto de a gestão de resíduos ser incipiente ou inexistente em muitos países que o bordejam, em especial no continente asiático, com economias emergentes e elevado número de habitantes”, explica a professora da UNL. “Os padrões de circulação oceânica de larga escala – combinação do regime de ventos e força de Coriolis – geram correntes circulares que criam uma espécie de vórtex que vai acumulando objectos flutuantes no seu ‘interior’”. Todos os grandes oceanos têm acumulações de lixo flutuantes na sua zona central, os chamados “giros”: há dois no Pacífico, dois no Atlântico e um no Índico. Mas a ilha de plástico do Pacífico Norte é a maior. E será possível encontrar plástico deitado no oceano em Portugal lá? Paula Sobral diz que não é impossível, porque os oceanos não têm fronteiras, mas é pouco provável.

Foi então esta acumulação de plástico que os cientistas tentaram medir. Em 2015, realizaram uma mega-expedição com 30 navios e 652 redes de arrasto. Em 2016, fizeram imagens aéreas desta grande ilha. Depois, foram para laboratório analisar o material recolhido. Por fim, fizeram modelos matemáticos com todos os dados.

Além de concluírem que a Grande Mancha de Lixo do Pacífico ocupava uma área de cerca de 1,6 milhões de quilómetros quadrados, os cientistas estimam que haja mais de 1,8 biliões de pedaços de plástico a flutuar (o que equivale a 250 peças de detritos por cada humano na Terra) que pesam cerca de 80 mil toneladas. Este último valor é entre quatro a 16 maior do que as estimativas feitas em estudos anteriores. Por exemplo, um estudo de 2014 na revista Proceedings of the National Academy of Sciences estimava que esta ilha tinha 4800 toneladas e um outro artigo do mesmo ano na Plos One indicava que seriam cerca de 20 mil toneladas.

PÚBLICO -
Foto
Os cientistas analisaram em laboratório o plástico recolhido no Pacífico Norte Fundação The Ocean Cleanup

Ao todo, 99,9% dos detritos encontrados pelos cientistas nesta parte do oceano são plásticos. Encontraram recipientes, garrafas, tampas, fitas de embalagens, cordas, redes de pesca ou pequenos pedaços. Só 46% dos objectos eram bocados de redes de pesca. Ainda dividiram os plásticos em vários tipos e perceberam que cerca de 92% eram objectos maiores do que 0,5 centímetros e 8% eram microplásticos (entre 0,05 e 0,5 centímetros).

Viu-se também que os microplásticos se estão a acumular rapidamente: dos 0,4 quilos por quilómetro quadrado nos anos 70 passou a haver 1,23 quilos por quilómetro quadrado em 2015. “Fizemos uma investigação a uma escala que nunca tinha sido feita antes”, considera Boyan Slat, da Fundação The Ocean Cleanup e um dos autores do trabalho, em comunicado.

Analisar o fundo do oceano

“A concentração de plástico parece estar a acumular-se ao longo do tempo na área. A maior parte do material que existe chega como detritos grandes e passa a microplástico. Ao longo do tempo, podem degradar-se em partículas nocivas cada vez mais pequenas”, alerta Laurent Lebreton, acrescentando que a equipa irá continuar a monitorizar as concentrações de plástico à superfície (para melhorar os seus modelos e estimativas) e começará a fazer análises na coluna de água e no fundo marinho para perceber a quantidade de micropartículas que viaja da superfície do oceano para o fundo. Afinal, segundo o Programa das Nações Unidas para o Ambiente, a distribuição de plástico no oceano é de 15% à superfície, 15% nas praias e 70 % nos fundos marinhos. 

No comunicado, os cientistas frisam ainda para o impacto desta ilha na natureza. Por exemplo, outros estudos mostraram que já se encontraram cerca de 700 espécies com lixo e 92% desse lixo eram plástico. Pode afectar ainda a nossa cadeia alimentar, assim como a economia, nomeadamente com os custos de limpeza das praias e prejuízos nas pescas. Os custos da poluição de plástico podem ir até aos 10.500 milhões de euros por ano (13 mil milhões de dólares).

O que se pode fazer para reverter a situação? “Pode-se tentar recuperar esse lixo, no entanto existem alguns problemas, pois muitos organismos vivem e refugiam-se nessa sopa de plástico”, indica Paula Sobral, dizendo que há vários projectos em curso com o objectivo de retirar o lixo, mas não os organismos. “Existem algumas soluções de encaminhamento [desse plástico de baixo valor, degradado ou contaminado], mas, até ao momento, o custo da remoção não parece compensar o valor que esse plástico representa para a economia.”

A solução passa então por todos nós, como ter opções mais sustentáveis ou diminuir a nossa dependência do plástico, refere Paula Sobral. Laurent Lebreton concorda: “Devemos reduzir os plásticos de uso único e mudar os nossos hábitos para uma economia circular. Reduza, reutilize e recicle!”