Parlamento presta homenagem ao seu antigo presidente Francisco Oliveira Dias

Mesmo os partidos mais à esquerda foram unânimes no reconhecimento do pesar pela morte do antigo deputado centrista.

Foto
Parlamento aprovou voto de pesar LUSA/MIGUEL A. LOPES

Os deputados prestaram homenagem, nesta quarta-feira à tarde, ao antigo presidente da Assembleia da República, Francisco Oliveira Dias, que esteve à frente do Parlamento entre 1981 e 1983. Além do voto de pesar proposto pelo CDS que foi aprovado por unanimidade, todos os partidos fizeram questão de lamentar a morte do antigo deputado na Assembleia Constituinte que se manteve até 1983.

Assunção Cristas salientou que Oliveira Dias, fundador do CDS, foi um exemplo da "forma de fazer política assente no respeito por todos" enquanto presidente do Parlamento. "Sempre respeitou as diferenças mas também sempre procurou consensos e pontes", afirmou a líder do CDS, recordando o "grande empenho" na revisão constitucional de 1982, "fundamental para a moderação e democratização do regime".

"Homem de fé, católico comprometido, humanista profundo, de sólidas convicções, Francisco Oliveira Dias contribuiu empenhadamente, desde a primeira hora, para a construção da nossa democracia", descreveu Cristas, que lembrou depois que o centrista presidiu à comissão de honra da sua candidatura a deputada pelo círculo de Leiria, de onde o antigo deputado era natural.

O social-democrata José Matos Rosa fez um extenso elogio ao fundador do CDS pela sua grande "dedicação à causa pública", primeiro como médico, depois como político. O socialista Filipe Neto Brandão realçou o "prestígio" conferido ao Parlamento pela acção de Oliveira Dias como seu presidente.

Apesar de o Bloco ainda não existir na altura em que Oliveira Dias foi presidente do Parlamento, Pedro Filipe Soares apoiou-se nos testemunhos para salientar a sua "marca de tolerância democrática e respeito por todas as forças políticas presentes na AR na altura". "Temos claramente que assumir que a sua perda é também para a democracia do país."

O líder parlamentar comunista, João Oliveira, associou-se à expressão de pesar do resto do Parlamento apesar das "profundas diferenças ideológicas" de Oliveira Dias com o PCP. Lembrou o "período particularmente difícil" em que o centrista assumiu funções e lembrou que foi o primeiro presidente da Assembleia da República eleito por um grupo parlamentar que não era o mais votado da AR - como acontece actualmente com Eduardo Ferro Rodrigues.

 O voto aprovado por unanimidade lembra que ao tomar posse como presidente da Assembleia da República, Oliveira Dias afirmou que a instituição é “muito que mais que nós, deputados que passamos, enquanto ela permanece e há-de permanecer, rejuvenescer-se, aperfeiçoar-se”. E considerava que as posições opostas de deputados eram saudáveis “porque quando tal não se verifica ou os homens estão doentes ou as pátrias subjugadas”.