Morreram 2262 refugiados no mar Mediterrâneo em 2018

O país que recebeu mais migrantes foi Espanha, que acolheu metade dos migrantes sem documentos que chegaram à Europa.

Foto
Reuters/HANDOUT

Em 2018, morreram (e desapareceram) 2262 pessoas no mar Mediterrâneo, enquanto tentavam chegar à Europa, de acordo com os números do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). O país que recebeu mais migrantes foi Espanha – mais de 60 mil migrantes só no ano passado.

Os números do ACNUR revelam que em 2018 chegaram por terra 6723 pessoas e por mar 113.482 – que entraram na Europa sobretudo pela costa de Itália, Grécia, Espanha e Chipre. Quase 12% dos migrantes que chegaram vinham da Guiné, o grupo com maior expressão.

Cerca de 12% dos migrantes chegaram através de Marrocos, 9,4% do Mali, 8,9% da Síria, 6,9% do Afeganistão e 6,6% do Iraque. 

Os números, apesar de elevados, representam o ano em que a Europa registou um número mais baixo de entradas. Em 2017, o número cifrou-se nos 172.301 migrantes – com 3139 pessoas dadas como mortas ou desaparecidas enquanto tentavam chegar. Em 2015, pico da crise migratória, chegaram mais de um milhão de pessoas às costas europeias. 

Espanha foi o país que recebeu mais refugiados

Feitas as contas, chegaram à Europa 120.205 refugiados, de acordo com os números do ACNUR. Espanha recebeu cerca de metade dos migrantes sem documentos que tentaram chegar ao Velho Continente: um novo recorde para o país, ao qual chegaram 57 mil pessoas, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM) da ONU. As contas do ACNUR revelam 64 mil pessoas a chegar a Espanha no total. 

Neste país os migrantes vêm maioritariamente de Marrocos (21%), Guiné (20,8%) e Mali (16,1%) e entram através pela região da Andaluzia (que recebeu, sozinha mais de 50 mil migrantes).

E é uma tendência que não dá sinais de se vir a alterar: só nos primeiros três dias de 2019, a Guarda Costeira espanhola já resgatou 401 migrantes, de acordo com a OIM.

No top dos países que mais migrantes surge, em segundo lugar, a Grécia, com 32.497 chegadas — vindas maioritariamente de países como a Síria (25%), Afeganistão (25%) e Iraque (19%).

Em terceiro está Itália, com 23.371 chegadas, de países como a Tunísia (23%), Eritreia (15,3%) e Iraque (7,8%). Foi o ano em que menos migrantes sem documentos chegaram a Itália, depois do pico registado no segundo semestre de 2016. Para este resultado terá contribuído a hostilidade de Matteo Salvini, ministro do Interior italiano, que fez finca-pé na sua política anti-imigração e, em Junho, fechou todos os portos aos navios de ajuda humanitária que trouxessem migrantes.

Impedido de atracar em portos italianos, o navio de ajuda humanitária Aquarius esperou em alto mar, que outro país o recebesse. Espanha acedeu ao pedido e abriu-lhe o porto de Valência.

A fechar o top de países que mais migrantes receberam surge Malta, que ao longo do ano passado recebeu 1184 migrantes. O navio Lifeline, com mais de 200 pessoas regastadas do mar a bordo, foi recebido em Malta, depois de cinco dias de incerteza em alto mar e de uma recusa, por parte das autoridades italianas, de receber a embarcação. 

Notícia corrigida a 3.1.2019. A fonte do primeiro dado é o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR)

Sugerir correcção