Porque é que as medidas anunciadas não vão melhorar a situação da CP no curto prazo?

Situação da CP vai continuar a degradar-se nos próximos meses pois nenhuma das medidas anunciadas pelo Governo terá efeitos no curto prazo.

Foto
Na melhor das hipóteses, os novos comboios da CP só serão entregues em 2023 Nuno Ferreira Santos

Depois de um Verão em que a transportadora pública foi notícia quase diária devido à situação de ruptura provocada pela falta de material circulante e de pessoal, o Governo desdobrou-se em promessas de investimento no sector ferroviário. Mas a situação vai continuar a piorar. O PÚBLICO explica por que motivo nenhuma das medidas anunciadas terá qualquer eficácia nos próximos meses.

Compra de novos comboios

O Governo anunciou que vai lançar um concurso público para adquirir 22 novos comboios para serviço regional, dos quais 10 serão eléctricos e 12 híbridos (aptos a circular em modo diesel e modo eléctrico). Trata-se de um concurso de 170 milhões de euros que, embora já anunciado várias vezes desde o início do ano, tarda em concretizar-se.

Se for lançado nos próximos meses, na melhor das hipóteses, os novos comboios só serão entregues em 2023. Em vez de apenas 22 comboios, regionais a proposta da anterior administração da CP, entregue ao executivo em Fevereiro deste ano, era de 25 comboios mais dez de longo curso.

O Governo nunca explicou por que motivo reviu em baixa estas necessidades, mas diz que a falta de investimento em material de longo curso nada tem a ver com qualquer intenção de privatização ou concessão desse serviço.

Em 2009, ainda no Governo de Sócrates, a necessidade de comboios para a CP foi avaliada em 74 comboios (49 eléctricos e 25 a diesel), tendo sido aberto um concurso público, que depois não se concretizou.

Aluguer de comboios à Renfe

O aluguer de mais quatro automotoras à espanhola Renfe é um paliativo que está longe de colmatar as necessidades da CP. Mas é o possível. Num primeiro momento, a Renfe disse que tinha todos os seus comboios em circulação não havendo material disponível para aluguer a Portugal, mas poucos dias depois as duas empresas anunciavam que tinham chegado a acordo para o aluguer de quatro automotoras.

Questionada pelo PÚBLICO sobre este volte-face, fonte oficial da empresa espanhola disse que “a Renfe compra comboios para os ter todos em circulação e não para estarem parados numa oficina”, acrescentando que “vão-se melhorar as rotações de material e oferecer-se comboios à CP”.

Essas quatro unidades, iguais às outras 20 automotoras espanholas (inicialmente eram 17) que já circulam em Portugal (e pelas quais a CP paga sete milhões de euros por ano à Renfe), são também material bastante envelhecido – datam de inícios dos anos 80 e foram renovadas em 1996.

Terão de ser alvo de reparações e, sobretudo, incorporar tecnologia a bordo que permita “ler” a sinalização em Portugal. Por isso, só estarão em funcionamento, na melhor das hipóteses, no primeiro trimestre de 2019.

Admissão de 102 trabalhadores para a EMEF

Se as oficinas da CP tivessem pessoal suficiente, a situação da ruptura que a empresa vive não se teria verificado pois, apesar de velho, o material circulante seria reparado atempadamente.

O Governo anunciou agora o recrutamento de 102 trabalhadores para a EMEF, mas a medida tardará a dar resultados. Por dois motivos: em 2010 a EMEF tinha 1552 trabalhadores. Hoje tem 1067. E só no primeiro semestre deste ano saíram 68. Os 102 que vão ser admitidos representam uma quinta parte dos que saíram nos últimos oito anos.

Por outro lado, o recrutamento e fase de aprendizagem dos novos operários tardará, pelo menos, nove meses a dar frutos, pelo que até lá, automotoras, locomotivas e carruagens vão continuar imobilizados à porta das oficinas.