CP continua a suprimir comboios todos os dias

O plano de Verão da CP para tentar combater os efeitos da crise da ferrovia não está a impedir a acumulação de supressões e atrasos, a um ritmo diário

Foto
MÁRIO CRUZ

A tentativa da CP para resolver o problema das supressões com uma redução da oferta não está a resultar. Não foi só nos primeiros três dias a seguir a 5 de Agosto (data da introdução dos novos horários) que houve passageiros em terra por falta de comboio.

As supressões têm ocorrido a um ritmo diário - sobretudo nas linhas do Alentejo, Algarve, Oeste e Vouga – e não é necessário fazer um balanço exaustivo pois bastam os últimos três dias para verificar a situação de ruptura da empresa.

Na quarta-feira foram suprimidos três comboios no Algarve por falta de material circulante. Um deles foi substituído por dois autocarros que fizeram o percurso Faro – Tavira e Faro – Vila Real de Stº. António. E outro por dois autocarros entre Faro e Lagos. Na quinta-feira houve mais uma supressão entre Faro e Vila Real de Stº. António, tendo o comboio sido substituído por transbordo rodoviário alternativo.

No entanto, os autocarros não fazem o mesmo percurso dos comboios e deixam de fora alguns apeadeiros onde, em pleno Verão, há passageiros – entre eles muitos turistas estrangeiros – que ficam apeados, sem informação, à espera de um comboio que não aparece.

A linha do Oeste continua a campeã das supressões. Na segunda-feira uma automotora avariou em Torres Vedras, tendo os passageiros sido encaminhados, por táxi, para os seus destinos até às Caldas da Rainha. Na quarta-feira foram suprimidos cinco comboios nesta linha, sendo que só dois foram substituídos por autocarros.

O PÚBLICO perguntou à CP por que motivo, sendo as supressões uma ocorrência frequente e expectável (na linha do Oeste acontecem desde Janeiro de 2017), a empresa não tinha operacionalizado um plano que permitisse assegurar o transporte em autocarro aos seus clientes sempre que os comboios fossem suprimidos. Mas a CP não respondeu.

Nesta mesma linha, devido às supressões, os atrasos sucedem-se. Na terça-feira, em Torres Vedras cruzavam nesta estação dois comboios que circulavam, ambos, com uma hora de atraso.

No Alentejo, nos últimos três não houve supressões, mas as dificuldades de material levam a atrasos constantes. E no Vouga, não é só o abastecimento de gasóleo que leva a cancelar comboios. Ontem, foram suprimidos mais dois comboios devido à falta de material.

Enquanto isto, o Governo vai procurando suavizar a situação repetindo anúncios de que serão contratados novos trabalhadores para a EMEF, que serão comprados novos comboios e que está a investir na rede ferroviária.,

O PÚBLICO questionou o Ministério do Planeamento e Infraestruturas sobre os motivos estão a impedir a conclusão do caderno de encargos para lançar o concurso, mas não obteve resposta. Em Junho o governo dinamarquês deu autorização à DSB (homóloga da CP) para abrir concurso para a compra de 100 automotoras para 200 Km/hora. As primeiras entrarão ao serviços em 2024.

Em Portugal, não é expectável que antes disso haja também comboios novos, mas o presidente da CP e o ministro Pedro Marques têm anunciado que vão alugar mais comboios a Espanha. A CP já paga 7 milhões de euros por ano para poder operar 20 automotoras espanholas a diesel (que circulam sobretudo no Minho e no Douro), factura que deverá aumentar com o aluguer de mais material desta série.

Ao governo resta-lhe mostrar que está a resolver problemas investindo na ferrovia e o Ministério do Planeamento até já se rendeu ao tweet, que usa frequentemente para lembrar que está a fazer obra. Primeiro de forma exagerada, mas agora com maior rigor, explicando os troços em obra e em projecto e não confundindo modernização das linhas (investimento) com renovação integral da via (manutenção pesada).

Mas os tweets não escondem uma realidade que está muito aquém do power point que apresenta o Ferrovia 2020. As obras são poucas e estão atrasadas. Na Beira Alta ainda não teve início nenhuma das três frentes de obras que já deveriam estar em execução. Na linha do Norte, das quatro secções de obras de renovação de via, só uma está concluída e não há obras em mais nenhuma.

A nova linha de Évora a Elvas, cujas obras foram prometidas para inícios de 2018, ainda está em fase de lançamento de concursos.

Na linha do Minho, a obra mais avançada, entre Nine e Viana do Castelo, já deveria ter sido concluída no início deste ano e o troço restante, até Valença, arrancou há semanas com 15 meses de atraso.

Na linha do Douro, o famoso troço Caíde-Marco arrancou finalmente, com três anos de atraso e o troço até à Régua, que deveria estar em construção desde o início de 2018, ainda não arrancou.

O projecto da linha do Oeste, que já deveria estar em execução entre Meleças e Caldas da Rainha, ainda nem chegou à fase de concurso público.

Esta linha tem sido o palco privilegiado para os partidos políticos apresentarem os seus protestos sobre a situação da ferrovia e, em particular, deste eixo ferroviário. Na passada terça-feira, Assunção Cristas, viajou entre Caldas da Rainha e Coimbra numa acção política, repetindo parcialmente a viagem Caldas – Leiria que já tinha realizado em 2011 durante a campanha eleitoral que a haveria de catapultar para ministra do governo PSD/CDS-PP.

Em Julho foi a vez de deputados do PS e do PCP terem tentado viajar nesta linha, mas as acções de protesto falharam porque os comboios que pretendiam apanhar foram suprimidos