Pedro Marques anuncia mais 42 quilómetros de obra que não existe

Ministério do Planeamento e Infraestruturas usou o Twitter para fazer o anúncio de 58 quilómetros de obras na linha do Douro, quando só 16 estão em execução.

Foto
Ministério do Planeamento e Infraestruturas, liderado por Pedro Marques, disse no dia 31 de Julho que na linha do Douro está a electrificar 58 quilómetros de via férrea LUSA/OCTÁVIO PASSOS

O Governo rendeu-se também à comunicação via Twitter e o Ministério do Planeamento e Infraestruturas publicou um tweet no dia 31 de Julho a dizer que na linha do Douro está a electrificar 58 quilómetros de via férrea.

Contudo, só 16 quilómetros é que estão a ser objecto de obras, as mesmas que tinham sido consignadas num evento realizado em Marco de Canavezes na sexta-feira passada (dia 27 de Julho) - uma empreitada de modernização da linha do Douro entre aquela cidade e Caíde do Rei (concelho de Lousada).

É, pois, 16 e não 58 o número de quilómetros que estão a ser electrificados e a ser alvo de renovação integral de via, instalação de sinalização e telecomunicações e de modernização das plataformas das estações.

Questionado o Ministério do Planeamento e Infraestruturas, fonte oficial enviou ao PÚBLICO a apresentação feita na cerimónia de consignação da obra Caíde – Marco, que não só confirma que são 16 os quilómetros que estão a ser intervencionados, como até assume um atraso de dois anos na modernização do troço Marco – Régua (42 quilómetros).

Esta secção da linha do Douro deveria, segundo o Plano de Investimentos Ferroviários 2020, ter entrado em obras em Junho deste ano para ficarem concluídas em Setembro de 2019, mas a referido apresentação do ministério liderado por Pedro Marques apresenta agora esta obra com início em Março de 2020 e conclusão em Março de 2022.

Ou seja, a obra que segundo o tweet do Governo já está a ser feita, na verdade está atrasada dois anos, só começa em 2020 e tem até um prazo de execução três meses superior.

Actualmente, aquele troço de 42 quilómetros encontra-se ainda em fase de projecto, devendo a contratação da obra ser realizada em 2019 para a sua adjudicação se concretizar em 2020, já depois das próximas eleições legislativas. 

Já a parte restante da linha do Douro, numa extensão de mais 70 quilómetros entre Régua e Pocinho, permanece de fora das intenções do Governo para a sua modernização no horizonte 2030 uma vez que este projecto não foi considerado pela Infraestruturas de Portugal como prioritário para o debate que o Governo anunciou realizar sobre o Programa Nacional de Investimentos.

Também a reabertura da linha do Douro do Pocinho a Barca de Alva (e daí até Espanha) não faz parte dos planos do executivo liderado por António Costa. Em Fevereiro de 2017 o PÚBLICO divulgou um estudo da Infraestruturas de Portugal que dizia que aquela reabertura custaria apenas 43 milhões de euros, os quais poderiam ter retorno devido à elevada procura pelo turismo no vale do Douro, para além do transporte de minério de Moncorvo.

A reabertura do lado espanhol custaria 119 milhões de euros, para os quais existem fundos comunitários, por se tratar de um projecto transfronteiriço.

Após a divulgação desse estudo, a que o PÚBLICO teve acesso, a Infraestruturas de Portugal realizou uma auditoria interna, chamando a depor dezenas de quadros para tentar saber de onde teria saído o referido documento.

Curiosamente, na perspectiva europeia, este missing  link (elo em falta) é considerado, entre 365 ligações ferroviárias transfronteiriças, como um dos 48 que têm maior potencial gerador de maiores benefícios económicos.