Na Linha do Oeste, a CP já é conhecida por “Camionetas de Portugal”

Nem sempre a empresa substitui comboios por autocarros e muitas vezes os passageiros ficam em terra sem qualquer informação.

Transporte ferroviário, Trem, Vagão ferroviário, Carro de passageiro, Faixa, Trânsito rápido, Estação de trem, Transportes
Foto
rui Gaudencio

Na região do Oeste, a CP já começa a ser conhecida por “Camionetas de Portugal”, tal é a quantidade de vezes que a empresa recorre ao transporte rodoviário alternativo por não ter material circulante para assegurar o serviço.

Entre 20 e 28 de Junho a transportadora pública suprimiu 56 comboios na Linha do Oeste, o que dá uma média de seis por dia. Um valor que tem sido relativamente constante no mês de Junho.

“Antigamente, um comboio suprimido dava direito a um inquérito e ao apuramento de responsabilidades. Agora é uma coisa rotineira”. O desabafo é de um ferroviário que se vê confrontado com os protestos dos passageiros perante as constantes supressões e respectivos atrasos porque todo o serviço fica desregulado e os atrasos atingem frequentemente as duas horas.

Com o início da época balnear, os transtornos causados são maiores, sobretudo entre Caldas da Rainha e S. Martinho do Porto. A viagem de comboio entre estas duas estações demora apenas sete minutos, ficando os passageiros a escassos 50 metros da praia. De automóvel demora-se 25 minutos, mas os autocarros alternativos demoram mais de meia hora e circulam sistematicamente atrasados.

Pior, porém, é quando os clientes da CP não têm comboio... nem autocarro. Foi o que aconteceu a 8 de Junho com uma professora e uma turma de alunos da Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, das Caldas da Rainha, que foram fazer uma actividade de campo a S. Martinho. Compraram bilhete de ida e volta, mas em vez de comboio foram de autocarro porque aquele tinha sido suprimido. O pior foi no regresso: o comboio das 18h56 não apareceu, nem nenhum autocarro. A estação não tinha pessoal, e o call center tinha uma gravação a dizer para mandarem um e-mail. Resultado: alunos e professora foram resgatados pelos encarregados de educação que se mobilizaram para irem buscar o grupo abandonado pela CP.

Histórias como estas sucedem-se. Creches e escolas costumam organizar passeios à praia com as crianças, mas chegam à estação das Caldas da Rainha e não há comboio. E também já aconteceu grupos de crianças ficarem retidas três horas na estação das Caldas por não haver ligações devido às supressões. A empresa, entretanto, recusa vender bilhetes para grupos, assumindo que não consegue assegurar a sua oferta regular. E porquê? Porque não tem automotoras. As poucas que tem são tão velhas que avariam frequentemente e vão para as oficinas. Estas, por sua vez, por não terem pessoal, não conseguem repará-las.

Fonte oficial da empresa disse ao PÚBLICO que em breve 20% a 25% da frota diesel da CP deverá ficar imobilizada devido à falta de capacidade da EMEF (empresa de manutenção de equipamento ferroviário) em dar resposta. Daí que o problema afecte também as linhas do Alentejo e do Algarve, onde são habituais as supressões.

O problema, contudo, era previsível. Desde Janeiro de 2017 que a CP começou a suprimir comboios na Linha do Oeste, sem nunca ter criado uma alternativa. A única “solução” foi a de reduzir a oferta de comboios, incluindo o fim das ligações directas para Coimbra, a partir deste Verão, mas a tutela não concordou e, para já, os horários mantêm-se (apesar de nunca cumpridos).

Até ao fim do ano passado, a CP fornecia dados sobre o número de supressões e montante gasto em aluguer de autocarros, mas recentemente deixou de fornecer ao PÚBLICO essas informações. Também não respondeu às perguntas sobre como tenciona resolver o problema.