Torne-se perito

A calma dos Fleet Foxes antes da tempestade Jungle em Paredes de Coura

As duas formações foram o alvo principal da atenção do público do festival, que neste segundo dia também recebeu os repetentes X-Wife e Legendary Tigerman. Aretha Franklin foi lembrada pelos Jungle, que lhe dedicaram um tema.

Fotogaleria
Fleet Foxes PAULO PIMENTA
Fotogaleria
Jungle PAULO PIMENTA

No segundo dia da 26.ª edição do Vodafone Paredes de Coura, quando os Fleet Foxes se despediram do palco principal, após uma actuação imersiva que encheu as medidas aos que encontram refúgio no indie/folk contemplativo que fazem, parecia poder dar-se a noite por encerrada. Na verdade, se já tivesse chegado a hora de fechar o palco grande ninguém sairia defraudado.

Mas era cedo para o fazer. Ainda a recuperar de uma actuação que exige alguma reflexão pós-concerto, o público tentou furar outra vez pelo caminho mais curto até ao sítio onde os próximos artistas iam assentar arraiais. Talvez já adivinhasse o que aí vinha: a tempestade funk/soul dos Jungle deixou marcas.

Não teríamos aguentado esta tempestade sem que a calma anterior dos Fleet Foxes nos tivesse preparado para ela. O soul/funk dos londrinos é poderoso e teve força suficiente para se espalhar por todo o anfiteatro, onde uma hora mais tarde se recolhiam os despojos da actuação que mais consenso e mais gente reuniu nesta primeira metade do festival, que prossegue até à madrugada de domingo em direcção ao anunciado clímax dos Arcade Fire. Em dia triste para o mundo da soul e da música em geral, que perdeu Aretha Franklin, os Jungle prestaram-lhe homenagem e lembraram a sua influência no género particular em que se movem e noutros ainda.

Mas isso foi apenas o fim de mais um dia. O tempo, nas tardes de Paredes de Coura, é lento e preguiçoso. A distância entre as margens do rio – onde muitos aproveitam as últimas horas de sol – e o recinto parece mais longa ao final da tarde. Daí que apenas uma parte da imensa mancha humana que mais tarde haveria de dançar com Jungle aguardasse os X-Wife, de regresso ao festival onde tocaram pela primeira vez há 15 anos. Foram os portugueses a abrir o palco principal com o seu electroclash, termo que caiu em desuso para explicar o que é uma electrónica de atitude punk. Estiveram lá para apresentar o novo álbum homónimo, que conta com o single This game, adiantado no início do ano.

Logo a seguir, posicionaram-se no palco secundário os The Mystery Lights que trouxeram um garage rock capaz de resolver problemas. O concerto demorou a arrancar, atrasado por percalços técnicos. De resto, durante o dia foram-se repetindo contratempos que acabaram por condicionar algumas actuações. Mas nada parece abalar estes norte-americanos. Enquanto esperaram, foram trocando umas notas de baixo e uns improvisos de voz. Resolvido o que havia para resolver, meteram a primeira velocidade, passaram directamente para a quarta e a partir dali desfilaram temas aguerridos e cativantes, sujos quanto baste, mas polidos pela elegância de certos riffs de guitarra do também vocalista Mike Brandon, que por vezes vai às bandas sonoras dos spaghetti westerns beber inspiração. Ocasionalmente optam por riffs mais macabros, como em Flowers in my hair, demons in my head, que integrou o alinhamento. Apesar do mau início, deram a volta por cima e conseguiram marcar pontos.

De regresso ao palco principal, encontrámos os Shame. Apenas com um álbum gravado, os britânicos apropriam-se daquele território para dali tentar dominar a plateia. É um pós-punk feito por pós-adolescentes com a ambição de chegarem à mesa dos adultos: conseguem lá ir de vez em quando, mas só de passagem.

PÚBLICO -
Foto
O vocalista dos Shame, Charlie Steen, juntou-se à plateia com um mergulho PAULO PIMENTA

O vocalista, Charlie Steen, encarna bem a personagem de frontman, ataca competentemente o público e interage constantemente com ele. Em atitude, concentra um pouco de vários históricos do punk, como Johhny Rotten ou Jello Biafra. Mais como o segundo, não tenta ser maior do que os que estão à sua frente. Prefere a comunhão. Discursa sobre o respeito e, nas letras, passa a activista. Ser um rock star não lhe cabe na cabeça, já o tinha dito há uns meses ao jornal britânico The Guardian. Por isso, junta-se a quem está a vê-lo com um mergulho para a plateia. Pouco tempo antes, tinha tocado o single One Rizla e uma nova canção ainda sem nome, as duas num registo punk mais melancólico, em contraste com o resto do alinhamento, furioso. Serviu para agitar a plateia. Esperemos por um segundo álbum para perceber se o nervo de uma banda ainda pouco madura não se perde.

Ainda antes de Paulo Furtado pisar o mesmo palco, em modo The Legendary Tigerman, tropeçámos no indie rock sedutor e juvenil pintado com teclados sonhadores dos Japanese Breakfast, liderados por uma vocalista de voz delicada. Vendem sonhos em formato áudio e com isso proporcionaram um início de noite simpático a abrir caminho para um final de dia promissor.

Do rock'n'roll à folk e à festa

Sem perder a simpatia, The Legendary Tigerman voltou a Paredes de Coura para espalhar amor e rock’n’roll, enquanto lutava com problemas técnicos que interferiram directamente no concerto. O feedback espalhava-se e teimava em não desaparecer. Ainda assim, conseguiu fazer com que isso jogasse a seu favor. O público foi solidário e aguentou-se ao seu lado.

Paulo Furtado trouxe consigo um pedaço do Mississípi, outro de Chuck Berry e carradas de atitude punk e rockabilly que ainda guarda dos tempos dos Tédio Boys. Trouxe o seu novo Misfit, lembrou Nancy Sinatra com These boots are made for walkin' e terminou junto do público ao som de uma 21st century rock 'n'roll interminável, enquanto vociferava “amor e rock’n’roll” até à última. A sua guitarra ficou perdida no meio do público, mas houve alguém que a trouxe de volta.

PÚBLICO -
Foto
Outro mergulho do palco para a plateia (com extravio de guitarra pelo meio): The Legendary Tigerman PAULO PIMENTA

Precisávamos de recuperar o fôlego e esperámos pelos Fleet Foxes para nos ajudarem nessa tarefa. Da última vez que os tínhamos visto, num palco secundário do Nos Alive, em 2017, conseguiram roubar roubar algum protagonismo aos cabeças de cartaz Depeche Mode com o então recém-lançado Crack-up, e ficámos com vontade de os ver noutro contexto. Quando apareceram no cartaz de Paredes de Coura, inevitavelmente passámos a sonhar com a ideia de os reencontrar num anfiteatro a céu aberto.

Quase que não se concretizava. Robin Pecknold disse em palco que horas antes estivera retido no aeroporto de Amesterdão. Mas os astros alinharam-se e os Fleet Foxes conseguiram chegar a tempo de se estrearem em Paredes de Coura. E em boa hora o fizeram.

Sofreram do mesmo mal de que outras bandas já se tinham queixado, problemas com o som logo à entrada. O afável e mais do que disponível vocalista, guitarrista e compositor reagiu com serenidade e os Fleet Foxes proporcionaram um dos momentos altos da edição deste ano. Tocaram todos os singles que os fãs esperavam, mesmo dedicando grande parte do set ao irrepreensível Crack-up. Está visto que atingiram a maturidade. Sem perder o cunho mais folk, arriscam, sobretudo no álbum mais recente, em paisagens mais próximas do progressivo, com arranjos musicais superiores.

Robin Pecknold tem uma sensibilidade especial e uma amplitude vocal reservada a poucos. As harmonias de vozes delineadas com a ajuda dos restantes elementos chegam a ser divinais. As composições feitas à guitarra, coadjuvadas por sopros, metais e cordas, revelaram-se mais uma vez soberbas. Somando a isso, há um respeito pelo público digno de nota, não se recusando seja qual for o pedido vindo da plateia. Tudo isto justifica o regresso de Pecknold ao activo depois de um hiato que dedicou a descobrir outras capacidades escondidas fora do espectro da música.

Em Paredes de Coura, os Fleet Foxes foram angelicais quando tinham de ser, emocionais quando necessário e, no conjunto, magistrais.

Uma força da natureza

Igualmente magistrais, e maiores do que todos os que este ano passaram até ao momento por Paredes de Coura, foram os Jungle. Já se tinham mostrado no Nos Primavera Sound, em 2015, e, apesar da discografia curta (apenas um álbum), não chegaram ao anfiteatro de Coura como anónimos, mas seguramente surpreenderam muitos.

Ainda a recuperar da subtileza da formação anterior, chocámos com uma força da natureza alimentada a soul e funk. Com um baixo ultra balançado, percussão sóbria mas celebrativa, os Jungle são puxados por uma locomotiva de duas vozes firmes, poderosas, e carregadas de alma, capazes de aguentar qualquer obstáculo. Aqui o espírito do contratempo técnico não se atreveu a revelar-se.

Do falsete ao grave, o jogo de vozes é soberbo, a secção rítmica é contagiante e o groove é sedutor. O anfiteatro de Coura não ficou indiferente e encheu-se com a maior multidão dos dois primeiros dias desta edição, por vezes a lembrar um clube de disco-beat gigante.

A banda formada pelos amigos de infância Tom McFarland e Josh Lloyd-Watson foi responsável por uma actuação superior, e que reservou um espaço no seu alinhamento para lembrar Aretha Franklin, a quem dedicou Lemonade lake, que encerra o primeiro álbum. De lá veio também Busy earnin', que tocaram pouco depois, antes de se despedirem, revelando-se rendidos perante a enchente que os recebeu. E que tudo indica será superada este sábado, com os bilhetes diários absolutamente esgotados para assistir a uma jornada que começa com Myles Sanko e há-de terminar, já madrugada dentro, com uns heróis locais chamados Arcade Fire.