Michelle Bachelet escolhida para Alta-Comissária dos Direitos Humanos da ONU

O jordano Zeid Ra'ad al-Hussein não quis continuar no cargo, por considerar que não tinha o apoio das grandes potências.

Foto
Michelle Bachelet marcou as últimas décadas da politica do seu país Eliseo Fernandez/REUTERS

A ex-Presidente chilena Michelle Bachelet foi escolhida pelo secretário-geral das Nações Unidas para ser a nova Alta-Comissária da ONU para os Direitos Humanos, em substituição de Zeid Ra'ad al-Hussein, que no fim do mês termina o seu mandato de quatro anos.

A nomeação, que a Reuters diz ter sido confirmada por cinco diplomatas, terá de ser aprovada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas em Setembro.

O jordano Zeid Ra'ad al-Hussein tem-se distinguido no cargo pelas declarações claras em defesa dos direitos humanos, conquistando bastantes inimizades. Anunciou que não queria cumprir um segundo mandato, por acreditar que não teria o apoio das grandes potências, como a Rússia, os Estados Unidos e a China.

O porta-voz da ONU Farhan Haq disse esperar que António Guterres notificasse o presidente da Assembleia-Geral Miroslav Lajcak "muito em breve".

Bachelet foi por duas vezes eleita Presidente do Chile, a primeira delas em 2006 - abandonou recentemente o cargo, substituída mais uma vez por Sebastian  Piñera -, cumprindo dois mandatos de cada vez. Liderou também a agência ONU Mulheres, criada para promover a igualdade dos géneros, entre 2010 e 2013. Enquanto Presidente, no seu último mandato, legalizou o aborto no Chile e em 2014 anulou a lei de amnistia de Pinochet.

Sugerir correcção