EUA abandonam Conselho de Direitos Humanos da ONU

"Viés crónico anti-Israel" de organismo "hipócrita" é o motivo apontado pela Administração Trump para mais uma ruptura dos EUA com o multilateralismo.

Relações Públicas, Comunicação
Foto
Reuters/TOYA SARNO JORDAN

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, e a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, anunciaram esta terça-feira que o país abandona o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Haley, que em 2017 já tinha acusado o conselho de ter um "viés crónico anti-Israel", afirmou esta noite que o organismo é "hipócrita". Ao mesmo tempo, anunciou que a saída norte-americana "não é uma diminuição do empenho [dos EUA] em relação aos direitos humanos".

Os EUA ameaçavam há muito sair se este órgão não fosse renovado, acusando o organismo composto por 47 membros sediado em Genebra de ser anti-israelita. As negociações com Washington sobre estas reformas falharam, o que sugeria que a Administração Trump estaria já a preparar a sua saída.

O abandono do Conselho de Direitos Humanos da ONU significa mais um corte entre a Administração Trump e acordos multilaterais - o Presidente dos EUA já tinha retirado o país do Acordo de Paris sobre o clima e do acordo nuclear com o Irão.

A decisão surge também numa altura que os EUA têm sido alvo de intensas críticas devido à política de “tolerância zero” relativamente aos imigrantes não-documentados que entram em território norte-americano, o que significa que milhares de famílias têm sido separadas na fronteira com o México.

Zeid Ra'ad al-Hussein, alto comissário para os Direitos Humanos da ONU, classificou na sessão de segunda-feira em Genebra esta política como “inconcebível” e exigiu que Washington ponha um ponto final na mesma.

Esta tarde, e instado a proferir uma primeira reacção às notícias da iminente retirada dos EUA, o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, limitou-se a dizer que “o secretário-geral [António Guterres] acredita na arquitectura dos direitos humanos da ONU e na participação activa de todos os Estados.”

Quando o Conselho de Direitos Humanos foi criado, em 2006, o Presidente George W. Bush, evitou-o. Sob a presidência de Barack Obama, os EUA foram eleitos para o órgão por um máximo de dois mandatos consecutivos de três anos. Depois de um ano fora do organismo, os EUA foram eleitos para o terceiro mandato, que vai a meio.

No ano passado, Haley disse que Washington estava a rever a sua presença e pediu uma reforma para eliminar “o preconceito crónico anti-Israel”. O conselho tem uma alínea permanente na sua agenda para violações que se suspeitem tenham sido cometidas por Israel na Palestina. Os EUA pretendiam retirar este ponto.