CP ameaçou demolir peça de museu que acabaria salva por espanhóis

Histórico vagão J de 1885 ameaçado pela empresa ferroviária portuguesa foi salvo por entusiastas da ferrovia espanhóis.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Não é uma pintura, nem um livro raro, nem um móvel, nem uma jóia. Pesa sete toneladas, mas não deixa de ser uma peça de museu. Trata-se de um veículo ferroviário – um vagão J construído na Bélgica em 1885 – e que foi salvo da demolição em 2007 por três amigos entusiastas do caminho-de-ferro com o objectivo de o recuperar e oferecê-lo ao Museu Nacional Ferroviário.

Paulo Alexandre, Armando Lobato e Rui Barbeiro dividiram entre eles a despesa de 2000 euros que custou o vagão, após uma negociação com a CP que por ele pedia 4000 euros. Estacionado na estação da Régua, o seu destino era a sucata, mas o Museu Nacional Ferroviário prontificou-se a recebê-lo e a integrá-lo no seu espólio, dado que se tratava de uma peça única.

Construído na Bélgica em 1885 pela Usines de Morlanwelz (mais tarde Societé de Baume et Marpent) veio para Portugal prestar serviço na Companhia dos Caminhos-de-Ferro do Minho e Douro, passando a integrar a frota da CP a partir de 1947.  Até aos anos 70 havia largas centenas de vagões J como este, mas com a compra de material mais moderno e, nas últimas décadas, o abandono do transporte de mercadorias a detalhe, fez com que estes veículos fossem abatidos.

O vagão Jsf 50002 sobreviveu por um mero acaso e tornou-se numa peça única. Tem ainda uma característica interessante: possui uma guarita onde viajava o guarda-freio que à época apertava os freios para ajudar o maquinista a travar a composição.

Quando, em 2007, é salvo da demolição pelos três amigos, estes fazem um protocolo com a Fundação Museu Nacional Ferroviário em que os primeiros pagam a recuperação do veículo e a segunda se compromete a movimentá-lo da Régua para as oficinas de Contumil (Porto) da CP e daí para o museu do Entroncamento onde ficaria em exposição.

Em 2010 o vagão é rebocado para o Porto, mas desde então a EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário) acabaria por nunca dar um orçamento para a sua recuperação.

“No início deste ano fomos surpreendidos com uma carta da CP a dizer que tínhamos de retirar o vagão das oficinas ou passaríamos a pagar mil euros mais IVA, por mês, de taxa de estacionamento”, disse Paulo Alexandre ao PÚBLICO. A mesma carta ameaçava ainda que “após 31 de Dezembro, caso o proprietário continue sem retirar o veículo, a CP considera-o perdido a seu favor, sendo demolido e vendido para sucata”.

Não se tira um vagão dos caminhos-de-ferro de uma oficina ferroviária como quem tira um carro de uma garagem. Mas perante a perspectiva de pagar mil euros por mês e vir a ficar sem o veículo, os seus proprietários contactaram o Centro de Estudios Históricos del Ferrocarrial Español que, num prazo de duas semanas, se comprometeu a vir buscar o vagão, a recuperá-lo e a expô-lo num museu ferroviário em Barcelona.

O veículo foi alvo de um transporte especial que o levou ao outro lado da Península Ibérica, onde chegou na passada segunda-feira, 30 de Julho, para ser reabilitado nas oficinas catalãs de Martorell. Em comunicado, aquela associação espanhola de amigos do caminho de ferro conta como resgatou o vagão da CP, que classifica de “peça histórica de elevadíssimo valor cultural”, idêntico a outros adquiridos por Espanha no séc. XIX à mesma construtora belga. O seu interesse é aumentado por o Jsf 50002 ter seguramente circulado na rede espanhola pois era frequente a CP e a Renfe terem vagões de mercadorias a circular em ambos os lados da fronteira.

O centro de estudos tece um elogio aos três portugueses que conservaram o vagão J, informa que o vai recuperar e que “o destino, de momento, deste valioso veículo histórico foi o Parque Ferroviário de Martorell”.

Contactada a CP, fonte desta empresa respondeu que “o vagão em causa não é propriedade da CP há mais de dez anos. De facto, foi adquirido pelo seu actual proprietário em 2007, tendo-se mantido estacionado no parque de Contumil desde essa data, não tendo havido disponibilidade de recursos humanos na EMEF para proceder à sua reparação”. A empresa acrescenta que, “face à necessidade de espaço em Contumil para a manutenção e parqueamento de material da CP, foi solicitada ao proprietário a sua remoção.”.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, é também presidente da Fundação Museu Nacional Ferroviário, a qual tem um protocolo para receber o veículo no museu do Entroncamento, mas sobre isto a mesma fonte não respondeu.

Em Fevereiro passado a CP anunciou que iria demolir locomotivas a vapor centenárias e carruagens históricas dos anos 30, o que causou um movimento de indignação que levou a empresa a recuar. O PÚBLICO questionou a empresa sobre o destino actual daquelas peças, mas não obteve resposta.

Há poucas semanas a CP publicitou uma nova venda de material ferroviário para sucata, que inclui no seu lote componentes únicos que poderiam pôr em estado de funcionamento algumas locomotivas expostas no museu ferroviário do Entroncamento. O PÚBLICO questionou a empresa sobre o interesse museológico desse material, mas não obteve resposta.