Benefício às empresas no IRC pela criação de emprego vai acabar

PS apoia bandeira do BE e PCP. Auditoria aos incentivos dos últimos anos revelava irregularidades.

As empresas da grande distribuição, do Pingo Doce ao Continente, beneficiam deste incentivo
Foto
As empresas da grande distribuição, do Pingo Doce ao Continente, beneficiam deste incentivo Daniel Rocha

As bancadas do BE, PCP e PS concordaram em pôr fim ao benefício fiscal em IRC às empresas pela criação líquida de postos de trabalho, um incentivo controverso que uma auditoria da Inspecção-geral de Finanças concluíra não ser eficaz na “criação de emprego efectivo”. O fim desta medida, que terá de ser confirmado na votação global no Parlamento depois de ter sido aprovado na especialidade nesta quarta-feira, deverá ter efeitos a partir de 1 de Julho.

O incentivo tem estado concentrado num universo de três mil empresas nos últimos anos. O Pingo Doce, a TAP, o Banco de Portugal, a Teleperformance, o BNP Paribas, a Ecco Let e o Lidl ocupam os primeiros lugares, mas no grupo dos beneficiários encontram-se outras grandes empresas, como a EDP Distribuição, a Galp, o Continente (do grupo Sonae, dono do PÚBLICO) e a Caixa Geral de Depósitos.

O fim deste incentivo foi aprovado na especialidade através de uma proposta do BE que contou com os votos favoráveis do PCP e do PS. A bancada comunista também apresentara uma iniciativa idêntica para acabar com este incentivo.

O apoio do PS a esta proposta concreta – defendida tanto pelo BE como pelo PCP – surge na mesma altura em que o Parlamento se prepara para discutir as alterações à lei laboral entre críticas dos parceiros do PS a algumas das soluções encontradas na concertação social. Mas embora o incentivo que agora acaba tenha uma componente que se relaciona com os apoios à criação líquida de postos de trabalho para jovens e desempregados, trata-se de uma questão separada da revisão do Código do Trabalho que tem gerado fricção entre o Governo e os parceiros à esquerda.

Ainda que o Governo de António Costa nunca tenha fechado a porta a discutir o fim deste incentivo, o executivo tinha posto em cima da mesa uma outra solução: manter a medida de pé para já, mas tornando o benefício mais restritiva (com um incentivo mais pequeno para as grandes empresas).

Até agora, as empresas podiam abater ao lucro tributável em IRC um valor equivalente a 150% dos encargos com novas contratações (mas condicionada à criação líquida de postos de trabalho para jovens e para desempregados de longa duração). Mas numa análise ao que se passou entre 2009 e 2014, a Inspecção-Geral de Finanças (IGF) detectou situações irregulares de uso indevido deste benefício na ordem dos 32 milhões de euros. E considerou que a medida não garantia uma “efectiva criação líquida de emprego”, estando em mais de metade dos casos a ser usado para a “conversão de anteriores contratos de trabalho de natureza precária em contratos por tempo indeterminado”.

É um incentivo “muito caro e está a ser apropriado por empresas que não precisam dele”, reagiu no Parlamento a deputada do BE Mariana Mortágua, dando como exemplo o caso do Banco de Portugal, que, disse, não foi contratar recém-licenciados por causa desta medida.

Como entretanto havia 15 incentivos fiscais em risco de caducar, o Governo teve de apresentar ao Parlamento uma proposta de lei de forma a prorrogar aqueles que queria manter ou a revogar os que considera obsoletos. O incentivo fiscal no IRC foi um dos que o Governo propôs manter para já, mas criando diferenças baixa para as grandes empresas e com uma diferenciação positiva para as micro, pequenas e médias empresas (PME) e as que estão instaladas no interior do país.

Em relação ao ano de 2015, as estatísticas divulgadas pelo Governo mostram que o incentivo representou para o Estado uma despesa fiscal na ordem dos 36 milhões de euros (em anos anteriores foi um pouco superior).

O próprio executivo já reconheceu que o sistema de controlo dos incentivos fiscais no IRC pela criação de emprego tem brechas. E quando propôs esta alteração, reconheceu ser preciso reforçar os mecanismos de fiscalização, criando uma plataforma de partilha de informação entre a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), o Instituto da Segurança Social e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). O objectivo passa por dar ao fisco informação que lhe permita saber de forma eficaz se uma empresa está, ou não, a acumular incentivos relativamente ao mesmo trabalhador ou ao mesmo posto de trabalho, algo que à luz da lei não é permitido.