Função pública também terá simulador de pensões até ao final do ano

Trabalhadores que descontam para a Caixa Geral de Aposentações terão acesso a um simulador semelhante ao que é disponibilizado na quarta-feira para a Segurança Social.

Foto
O primeiro-ministro António Costa esteve ao lado do ministro da Segurança Social na apresentação do novo simulador de pensões LUSA/ANDRE KOSTERS

Os funcionários públicos terão acesso, até ao final do ano, a um novo simulador que lhes permitirá conhecer o valor da pensão a que terão direito e o momento em que poderão reformar-se, tal como acontecerá já a partir de quarta-feira na Segurança Social. O anúncio foi feito pelo ministro do Trabalho, Vieira da Silva, durante a apresentação do simulador de pensões da Segurança Social, uma medida prevista no programa do Governo e que agora é concretizada.

A Caixa Geral de Aposentações (CGA) tem actualmente um simulador em funcionamento, mas as funcionalidades não permitem, por exemplo, simular os anos que faltam para a idade da reforma. A ideia é criar uma ferramenta mais fácil de utilizar e o passo seguinte, adiantou Vieira da Silva, é combinar os dois simuladores para que seja possível aos trabalhadores que descontaram para a Segurança Social e para a CGA simularem a sua pensão de forma automática (algo que com os simuladores novos ainda não é possível).

Já a combinação dos dois sistemas “será mais exigente do ponto de vista técnico", admitiu o ministro, citado pela Lusa, durante a apresentação que decorreu nesta terça-feira em Oeiras.

O novo simulador de pensões da Segurança Social ficará disponível a partir das 0h01 desta quarta-feira e permite estimar a idade em que a pessoa pode reformar-se e a pensão a que terá direito, tendo em conta a legislação em vigor e as remunerações registadas no sistema de Segurança Social. A ferramenta permite ainda antecipar ou adiar o momento da reforma e perceber as penalizações e as bonificações a que os futuros pensionistas estarão sujeitos.

Para aceder ao simulador, é preciso estar registado na Segurança Social Directa e ter a respectiva palavra-passe.

O resultado da simulação não é vinculativo e tem como base as regras em vigor, que poderão ser alteradas no futuro. “Não é o simulador que estipula as regras de aposentação. Ele apenas reproduz as regras que se encontram em vigor. Se em algum dia se introduzir alguma alteração na fórmula de cálculo das pensões, então, de uma forma relativamente simples, o simulador irá adaptar os seus parâmetros", esclareceu Vieira da Silva.

O ministro da Segurança Social destacou que a nova ferramenta "constitui um passo no reforço da transparência e da credibilização" do sistema público de pensões. "Este simulador dá capacidade de resposta a cerca de 95% dos trabalhadores no activo do lado da Segurança Social, ficando apenas de fora situações minoritárias de trabalhadores que têm uma carreira composta em diferentes regimes, ou situações de excepção", esclareceu.

O ministro aproveitou ainda para anunciar a abertura de um concurso para recrutamento externo de mais 200 profissionais para a Segurança Social. A estes trabalhadores deverão juntar-se os precários que serão regularizados através do programa de regularização extraordinário que está em curso.

O primeiro-ministro António Costa, que acompanhou Vieira da Silva na apresentação do simulador de pensões, aproveitou a deixa para deixar claro que  a margem orçamental disponível não pode ser gasta apenas com os salários de quem já está na Administração Pública. Tem de servir, acrescentou, para a contratação de mais pessoal para os serviços.