Morreu Chester Bennington, vocalista dos Linkin Park

A notícia foi confirmada pelo médico legista do condado de Los Angeles e por um dos membros fundadores da banda. O cantor da banda que celebrizou temas como Numb ou In the End tinha 41 anos.

Reuters/MARIO ANZUONI
Foto
Reuters/MARIO ANZUONI

Morreu Chester Bennington, aos 41 anos, um dos vocalistas da banda Linkin Park. A notícia é avançada pelo TMZ, site tablóide especializado em celebridades, que foi anteriormente o primeiro a avançar a morte do cantor Michael Jackson ou da actriz Debbie Reynolds, e a morte foi confirmada à AP pelo médico legista do condado de Los Angeles. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se. 

O corpo foi encontrado nesta quinta-feira na residência privada do cantor, em Los Angeles, nos EUA. O porta-voz do médico legista, citado pela AP, afirma que a morte de Bennington está a ser investigada, naquilo que considera ser um "aparente suicídio", não adiantando mais pormenores. Ainda assim, o site TMZ escreve que as autoridades disseram que se tinha tratado de uma morte por enforcamento, na residência do cantor, em Palos Verdes Estates. Mike Shinoda, um dos membros fundadores da banda, confirmou a morte no Twitter, dizendo estar "chocado e de coração partido", assegurando que os Linkin Park emitirão um comunicado oficial assim que possível.

As reacções à morte do vocalista não se fizeram tardar. Para além de milhares de utilizadores das redes sociais, várias celebridades também manifestaram o seu pesar, como a cantora Rihanna, a banda Imagine Dragons ou o apresentador Jimmy Kimmel, que no Twitter o considerou um “dos homens mais bondosos” que já estivera no seu programa. 

Chester Bennington era casado e tinha seis filhos. À revista musical Kerrang!, em 2011, o vocalista dos Linkin Park afirmava que tinha tido problemas com álcool e drogas no passado, admitindo ainda que tinha sido vítima de abusos sexuais, por parte de um colega mais velho, quando tinha sete anos. 

Para além da banda de rock Linkin Park — de que fazia parte desde 1999, três anos depois da fundação —, o cantor integrou também outros projectos como os Stone Temple Pilots, Grey Daze e Dead by Sunrise. Chester Benington participou ainda brevemente como actor num dos filmes da saga de terror Saw, em 2010.

Os Linkin Park tinham editado recentemente, em Maio deste ano, o álbum One More Light, tendo por isso agendado um concerto para 27 de Julho em Mansfield, no estado norte-americano de Massachussetts, assim como vários outros em Julho e Agosto (dois deles no Canadá).

Hybrid Theory, o álbum de estreia dos Linkin Park lançado em 2000, vendeu mais de dez milhões de cópias só nos Estados Unidos — dele faziam parte alguns dos êxitos da banda, como In the End ou Crawling. Três anos depois desse lançamento, a banda estreava-se em Portugal, em Setembro de 2003. E não se ficaram por aí: voltaram em 2004 para o festival Super Bock Super Rock e em 2007 para o Alive. Mas marcaram sobretudo presença no Rock in Rio, comparecendo em 2008, 2010, 2012 e 2014. 

Foi precisamente em 2014 que a banda norte-americana esteve pela última vez em Portugal. Na altura, a vice-presidente do festival Rock in Rio, Roberta Medina, afirmava que os Linkin Park continuavam a ser “uma das bandas mais pedidas pelo público português”, sendo que o recinto do festival tinha “sempre casa cheia nos seus concertos”. “O nível de popularidade deles em Portugal é inegável”, concluía Roberta Medina, citada pelo Sapo.  

Chester Bennington era amigo próximo de Chris Cornell, vocalista dos Soundgarden e dos Audioslave, que se suicidou em Maio, quando tinha 52 anos. Na altura, há dois meses, o vocalista dos Linkin Park fez um discurso no seu funeral e partilhou também uma carta no Twitter dedicada ao amigo, elogiando o seu talento e a forma como o inspirava. Coincidência ou não, a data da morte de Chester Bennington é a data de nascimento de Chris Cornell. 

Em 2007, os Linkin Park lançavam a canção Leave out all the rest, em que Chester cantava “when my time comes, forget the wrong that I’ve done, help me leave behind some reasons to be missed” – algo como “quando chegar a minha hora, esquece o mal que eu fiz, ajuda-me a deixar para trás algo que deixe saudades”.