Opinião

Passos Coelho’s blues

É oficial: as movimentações recentes no PSD colocam Passos Coelho no estatuto de líder à condição. O seu futuro próximo será duro e triste. Por culpa própria. E por culpa do Governo

Rui Rio desdobra-se em jantares de Natal com militantes do PSD. Em Bruxelas, Paulo Rangel segue com “atenção” a situação política. Em Belém, dão-se alfinetadas discretas. Em São Bento, balbuciam-se nomes para a sucessão. Em Oliveira de Azeméis, Hermínio Loureiro nota o “silêncio de alguns dos mais próximos colaboradores” e avisa o líder do PSD para ter os “olhos abertos com as raposas”. É oficial: o ocaso político de Pedro Passos Coelho deixou de ser uma previsão da cartomancia. É uma realidade. Oficial. Já só os mais crentes o vêem como um líder de futuro. A sua mensagem tornou-se vazia por falta de audiência. A sua solidão é sinal da sua incapacidade para angariar lealdades com estratégia e fidelidades com vitórias. Um ano depois de ganhar as eleições, Pedro Passos Coelho foi derrotado pelas circunstâncias de um governo cujo rumo não soube prever. Tornou-se o espectro de um passado político que o presente não pára de demolir.

Pouco importa deliberar sobre a justiça ou a injustiça da sua condição. O balanço do seu mandato no Governo será do domínio da História que olha os factos à distância, não do jornalismo que os analisa a quente. Pode ser que daqui a um ano ou dois voltemos a ser obrigados a lembrar muito do que disse e algo do que fez, mas para ele será talvez tarde de mais. O tempo que lhe resta até ao congresso do PSD, no princípio de 2018, vai ser penoso e certamente triste. Aos olhos dos portugueses tornou-se uma figura a preto e branco, unidimensional. A sua vulnerabilidade tornou-o alvo fácil da propaganda da esquerda. Os que apreciaram a sua coragem para vencer a bancarrota suspeitam agora que foi longe de mais. Os que o viam como o arauto de uma direita que despreza os pobres, ataca os trabalhadores e afronta o Estado social radicalizaram a sua opinião. Numa leitura assim dada a maniqueísmos, Passos só poderia aguentar as suas hostes, se o Governo ruísse ou se ele tivesse conservado um discurso coerente como o que fez no poder. Não aconteceu nem uma nem outra coisa.

Hoje não sabemos bem quem ele é e ainda menos o que tem para propor – porque, mal ou bem, goste-se ou não, nos primeiros anos do seu mandato no PSD e em São Bento, Pedro Passos Coelho tinha na cabeça uma ideia e um plano para o país. Para ele, a crise era uma oportunidade para Portugal se libertar das amarras do Estado, para que se criasse uma nova geração de cidadãos e de empresas que não fossem “piegas”, que arregaçassem as mangas e voltassem a mostrar a coragem e a ousadia dos descobridores quinhentistas. Ir além da troika era em si mesmo um programa de transformação. Medidas duras de austeridade, privatizações, liberalização do mercado de trabalho ou a liberdade de escolha na educação eram apenas danos colaterais dessa visão revolucionária.

“Esse” Passos não existe. O homem assertivo tornou-se um político mole, que age de acordo com as sondagens e o politicamente correcto. O famoso “que se lixem as eleições” tornou-se letra morta quando as eleições de 2015 ficaram à vista. O liberal duro reconverteu-se à social-democracia. Negócios cruciais para o país, como o das imparidades da Caixa Geral de Depósitos, foram simplesmente varridos para debaixo do tapete. O Banif foi tratado com aspirinas. A saída limpa do ajustamento tornou-se uma obsessão perante a qual todas as urgências se dissolveram. A disputa de votos com o PS levou-o ao leilão do fim dos cortes dos salários ou das pensões. Depois, na oposição, Passos chega a perguntar ao primeiro-ministro por que não aumenta mais depressa as pensões; insurge-se contra os salários dos gestores da Caixa calculados em função das regras do mercado, quando o seu Governo defendeu essas regras.

A crença na vinda do diabo foi o seu maior erro. Ao esperar por esse dia, acreditou que bastava ficar quieto até que o inferno devorasse o Governo e a aliança à esquerda. Nunca se empenhou em desenhar uma estratégia consistente e alternativa. Tornou-se uma cassete repetitiva. Em episódios negros da vida do Governo, como as mudanças dos exames escolares, as 35 horas ou na infame história da Caixa, Passos falou, mas, como acontece aos líderes em perda, ninguém o ouviu – porque a sua palavra perdeu sentido. Se o diabo era a catástrofe, erros desse quilate não passam de um preço baixo a pagar por um governo normal. Incapaz de um discurso alternativo, Passos tornou-se um líder errático. Sem conseguir uma oposição coerente e consistente, limitou-se ao papel de franco-atirador.

Hoje, é um líder da oposição reactivo, apertado entre o dinamismo de Assunção Cristas e a navegação à bolina do PS e dos partidos mais à esquerda. Incapaz de assumir riscos (veja-se a ausência de propostas para as autárquicas nas principais cidades) e impotente para propor a sua própria receita para o país, torna-se presa fácil. O seu tempo esgota-se. Talvez cedo de mais. Talvez injustamente. Talvez um dia volte a ser reconhecido pelo que fez por deliberação e teve de fazer por imposição da troika. Para o conseguir, terá de recuperar o capital político que perdeu este ano. Um período de pousio talvez lhe faça bem.

2 – Os dias a seguir à magnífica notícia dos resultados da avaliação PISA deram lugar a uma orgia de indecência política. O que tinha todos os ingredientes para ser um raro momento de celebração colectivo derrapou para o regateio sectário sobre quem merece uma medalha maior do que os outros. O que devia instigar um elogio aos professores, aos alunos, aos pais, aos ministros de todos os governos redundou em duelos de protagonismo entre facções. Enquanto a OCDE e a imprensa internacional olhavam para Portugal com curiosidade e admiração, por cá entrava-se numa batalha sobre os méritos e os deméritos de Nuno Crato. O povo que nem se governa nem deixa governar é uma imanência, para nossa desgraça.

Se as tentativas de Nuno Crato para ficar em bicos de pés foram ridículas, mais ridículas foram os esforços de uma certa esquerda para encontrar nódoas no pano de fundo da avaliação. Claro que na Educação há enormes problemas. Claro que a taxa de retenção é insuportável. Claro que o modelo de governação das escolas requer afinações. Claro que o perfil etário ou o caderno de encargos que impomos à docência são brutais. Mas andar à cata de detalhes (sugerindo até que os alunos do vocacional não entraram na avaliação) apenas para poder dizer que o discurso de exigência ou a governação hierárquica impede a “democracia nas escolas”, ou a “felicidade” das crianças ou “a educação integral” e todas as demais tretas do politicamente correcto não é só estúpido: é o primeiro passo de um caminho que nos levará ao retrocesso.