Torne-se perito

Governo quer que Caixabank e Isabel dos Santos se entendam no BPI

Finanças já enviaram para os reguladores e para os bancos uma proposta para rever a lei da blindagem dos votos. Primeiro-ministro quer acordo entre angolanos e espanhóis no BPI antes de aprovar as novas regras.

Foto
As movimentações junto do poder político têm envolvido figuras de topo ligadas ao BPI, entre as quais Artur Santos Silva Rui Gaudêncio

O Ministério das Finanças enviou na segunda-feira para consulta do Banco de Portugal, da Comissão de Mercados e Valores (CMVM), do Banco Central Europeu e da Associação Portuguesa de Bancos uma proposta de alteração da lei que regula a blindagem de estatutos nas sociedades cotadas e ofertas públicas de aquisição (OPA). A solução de acabar com as restrições aos direitos de voto em assembleias gerais é “uma recomendação” da CMVM, mas não gera consensos.

Tudo apontava para que o Governo aprovasse na quinta-feira uma alteração da lei que regula a blindagem de estatutos nas sociedades cotadas e ofertas públicas de aquisição, o que não se confirmou. A iniciativa faria cair a blindagem em caso de uma OPA para controlar mais de 75% do capital. O que seria favorável aos interesses do maior accionista do BPI, o banco espanhol Caixabank, com 44% do capital, que hoje trava uma guerra com Isabel dos Santos (Santoro), com 18,4%. 

Contactado, o gabinete do primeiro-ministro disse ao PÚBLICO que “a vontade do Governo é que os accionistas do BPI concluam a contento de ambas as partes as negociações em curso, sem que o diploma perturbe as negociações entre a engenheira Isabel dos Santos e o Caixabank. Gostaríamos de aprovar o diploma após as partes se entenderem.” 

Mas ao posicionar-se como sendo favorável a uma mudança da lei, a meio da disputa, a acção de António Costa foi interpretada como uma ajuda implícita ao grupo espanhol. O que contribuiu para, já esta semana, o CaixaBank e Isabel dos Santos regressarem à mesa das conversações. A aparente aproximação não é alheia também ao facto de o prazo dado pelo Banco Central Europeu (BCE) ao BPI para se libertar da exposição ao Banco de Fomento de Angola estar a chegar ao fim. Outro dado a ter em conta no retomar dos contactos prende-se com a decisão da CMVM de imputar ao BIC Angola (de que Isabel dos Santos é também accionista) uma participação de 2,4% do BPI que obrigou a revelar. A posição (BIC e administradores) já existia desde 2013, altura em que deveria ter sido comunicada ao mercado, mas não foi.

O projecto do Governo está a ser analisado pelas instituições bancárias, que deverão enviar de seguida os seus contributos para poderem ser analisados pelas autoridades. Em linhas gerais, a solução apresentada é esta: as empresas com estatutos blindados devem ratificar esta regra em assembleia-geral, de cinco em cinco anos, sendo que nesse momento cada accionista votará com as acções que tem (sem restrições).

O segundo maior banco privado, o BCP, que tem igualmente o capital blindado, já fez saber publicamente, através do presidente do conselho de administração, António Monteiro (que representa a Sonangol), que é preciso cuidado a legislar. Um conselho que tem sido passado para a esfera política e que tem por detrás uma preocupação: em economias frágeis, mais do que beneficiar no curto prazo os accionistas, há que encontrar mecanismo de defesa que permitam optimizar os interesses das empresas. Recorde-se que o BCP enfrenta um quadro de fragilidades expressas nomeadamente na sua cotação e por ter ainda de pagar ao Estado 700 milhões de um empréstimo. As debilidades resultam igualmente de ter como maior accionista (20%) a petrolífera Sonangol, sem vocação para gerir bancos, e com restrições económicas em Angola.

As movimentações junto do poder político têm envolvido, como era de esperar, figuras de topo ligadas ao BPI favoráveis à desblindagem estatutária, entre as quais Artur Santos Silva. O presidente do conselho de administração do BPI actua no âmbito das suas funções, de defesa de uma posição apoiada pela maioria do capital.

O fim da blindagem dos estatutos (no BPI os accionistas votam apenas com 20% do capital presente) é requerido pelo banco espanhol desde 2014, mas não tem sido tema que preocupe Isabel dos Santos. O Caixabank quer poder votar com o investimento realizado (44% das acções), enquanto a Santoro alega que adquiriu em 2012 parte da sua posição no BPI ao grupo espanhol com o pressuposto da blindagem. E, aparentemente, não quer meter mais dinheiro no BPI. Como Isabel dos Santos tem direito de veto, apesar de estar alinhada com pouco mais de 20% do capital, inviabiliza a mudança estatutária.

Em simultâneo, tem havido outro diferendo, este à volta do BFA, onde o BPI possui 50,1% do capital, e a Unitel de Isabel dos Santos os restantes 49,9%. Para responder às exigências do BCE, que não reconhece ao Banco Nacional de Angola um padrão de supervisão equivalente ao europeu, o BPI propôs a cisão das suas operações angolanas e moçambicanas (para não contaminar o balanço). Proposta que, numa primeira fase, recebeu o apoio da empresária. Mas, havendo entendimento sobre desblindagem dos estatutos, este tema cai, pois a maioria do capital aprova a separação dos activos africanos. Resta saber se, em Angola, a Unitel está de acordo e se o Banco Nacional de Angola permite.

Sugerir correcção