O debate em que Nóvoa obrigou Marcelo a entrar na campanha

Os dois candidatos estiveram ao ataque. Marcelo criticou o seu adversário por não ter experiência. E ouviu de volta uma crítica: “Diz tudo e o seu contrário”.

Fotogaleria
Marcelo Rebelo de Sousa e Sampaio da Nóvoa não pouparam nos ataques Miguel Manso
Fotogaleria
O professor de Direito e o ex-reitor da Universidade de Lisboa pegaram-se várias vezes Miguel Manso
Fotogaleria
Marcelo Rebelo de Sousa e António Sampaio da Nóvoa à chegada à SIC Miguel Manso

Logo às 20.50, no estúdio da SIC, na resposta à primeira pergunta da jornalista Clara de Sousa, António Sampaio da Nóvoa marcou o tom: Marcelo Rebelo de Sousa “foi a pessoa que ainda há três meses defendeu o Governo de Passos Coelho e Paulo Portas”.

Marcelo respondeu, trocando as voltas ao argumento de Nóvoa. Falou do apoio que recebeu do PSD e do CDS, que garante não ser “tóxico” e devolveu a crítica de apoiar uma “facção”: “Ele alinha com uma parte do país contra a outra parte do País. O Presidente não pode ser de facção.”

A partir daqui o ambiente aqueceu, com Marcelo e Nóvoa em aceso despique. Frente a frente estavam dois ex-colegas da Universidade de Lisboa. O antigo reitor e um dos mais distintos professores de Direito.

Nóvoa não deixou escapar o argumento e acusou Marcelo pelo “apoio que deu a políticas que estão na base das fracturas que marcaram o país: Idosos contra jovens, empregados contra desempregados.”

E aqui chegamos à primeira clivagem política: a austeridade. Nóvoa é contra, Marcelo contextualiza-a. Mas havia uma outra linha de ataque na estratégia do candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS. Falando para Nóvoa: “A sua história é de vazio, é de ausência. Apareceu agora virgem, a tomar posição política.”

Nóvoa também tinha uma para a troca: “O que é sempre impressionante é ouvir 20 citações suas a dizer uma coisa e outras 20 a dizer o contrário.”

A experiência dos candidatos foi o clímax. Marcelo não foi magnânimo, como parecia querer manter-se ao longo desta campanha. “Onde é que o senhor esteve? É uma desvantagem num candidato não ter nenhuma experiência.”

O visado usou a falta de experiência a seu favor: “Essas são afirmações inaceitáveis num tempo em que os portugueses precisam de ter renovação na política. Não estava à espera que viesse com esse argumentário, que é pobre.”

Marcelo continuou: “Onde estava no 25 de Novembro?” E acusou o seu adversário de querer “ir de soldado raso a general”.

Às 21.01 Marcelo piscou o olho a Clara de Sousa quando a jornalista pediu “ordem”. Seguiu-se uma lista importante de pontos em que os candidatos convergem. Ambos consideram desnecessário rever a Constituição, ambos contestam o regresso dos controlos de fronteiras na UE, ambos defendem as salas de chuto. Depois veio, de novo, a picardia. “Não esteja nervoso”, alfinetou o ex-reitor.

Quanto à “substância”, Marcelo pretende ser um Presidente “árbitro”, Nóvoa um de “causas”. Mas o estilo imperou. O apoio de Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio a Nóvoa também foi debatido: “Tem de trazer na lapela os ex-Presidentes. É um homem de corte. Eu não precisei de ser convencido por ninguém.” A resposta: “Não me ouço só a mim mesmo. Não gosto de passar o tempo a falar sem ouvir ninguém.”

Nova alfinetada de Marcelo: “Não ando como o vi aqui a desembarcar de uma carrinha com seis assessores.” Nóvoa: “Não vá por aí...” “Porquê?” “As suas afirmações são anti-democráticas.” “Anti-democráticas porquê?” “Já não falo da exposição que teve estes anos todos e que aproveitou de forma no mínimo discutível.” “O senhor aceita donativos privados e eu não aceitei.”

Marcelo chegou a indignar-se quando Nóvoa afirmou que não tinha dúvidas, há meses, de que ele seria candidato. “Estava na minha cabeça?”

Depois veio o Banif. Nóvoa acusou: “O senhor garantiu há um ano que estava tudo blindado.” Marcelo encaixou: “Era um analista.”

Tudo parecia caminhar para um final de concórdia, depois de tanta animação. Marcelo elogiava as conquistas da democracia: “Nos últimos 40 anos houve passos muito importantes: o Serviço Nacional de Saúde...” Nóvoa interrompe-o: “Que o senhor quis extinguir.” Nóvoa trazia uma lista de declarações de Marcelo sobre Saúde e Educação e, entre elas, uma lei do Governo da AD (de que foi secretário de Estado da Presidência) que punha em causa a gratuitidade do SNS. Mais tarde, Nóvoa voltaria à carga, com um elogio de Marcelo à proposta de revisão Constitucional do PSD. Marcelo defendeu-se: “Disse que é interessante e hábil mas não apoiei.”

A campanha começa no domingo, e pelos vistos está a animar-se.