1924-2017

Mário Soares

Mário Soares foi o homem, o político, o pensador, o fundador da democracia. Viu, viveu, fez viver e mudar. Poucos como ele ficarão nos livros da história. Uma história de alguém que nunca desistiu e que aqui se conta.

  • Membro do Conselho Geral critica gestão do banco por ter prestado informações, com uma antecedência de apenas três dias, sobre a exigência do Banco de Portugal para um aumento de capital de 250 milhões de euros, anunciado na última sexta-feira. E deixou alertas para o futuro.

  • Portugal, do ponto de vista do noticiário económico internacional, perdeu a graça. Passámos a ser um país macroeconomicamente aborrecido. Ainda bem.

  • Não foi Marcelo Rebelo de Sousa o primeiro Presidente a levar a palavra consenso ao Parlamento numa sessão comemorativa do 25 de Abril.

  • Somos hoje uma sociedade com um pé na idade adulta da política. E somos assim porque transportamos nas nossas vidas e experiências os 43 anos do 25 de Abril.

  • Os “pecados” de Mário Soares foram bem mais leves do que as importantes decisões que teve a enorme coragem de tomar.

  • Foram locais da mais dura repressão e do mais forte simbolismo da ditadura. O tempo de hoje, aliado do descuido e adverso à história, já relativizou o seu significado. O ritual desta manhã no Parlamento mantém o encontro dos portugueses com o seu passado recente.

  • O antigo Presidente da República foi homenageado no Porto por iniciativa do PS e todos lhe elogiaram a “imensa coragem” e o amor pela liberdade

  • É imperioso que, também no Porto, se preste homenagem a Mário Soares.