16 opiniões sobre Mário Soares

Na hora da sua morte, prefiro pensar que foi isso mesmo que aconteceu. É mais do que tempo de virarmos, todos, essa página.

O momento do seu desaparecimento físico é tempo de grandeza da memória, de balanço da gratidão e de legado do exemplo

Com o desaparecimento de Mário Soares, fecha-se um ciclo da nossa história. Importa agora saber imortalizar a sua memória e o seu legado, que esses perdurarão para além do tempo dos homens.

Basta fazer uma busca pelo nome de Soares nas redes sociais para perceber que ele continua, mesmo depois de morto, a ser identificado pela extrema-direita portuguesa e pelos novos populistas conservadores como o grande inimigo, alvo de todos os ataques.

Em 1965, Mário Soares proferiu um discurso que foi um marco, uma fronteira na oposição e uma das componentes do processo que o 25 de Abril irá prosseguir e mudar o curso da História.

Disputou a hegemonia, portanto nunca desistiu do seu ponto de vista e proposta. Não há lição mais duradoura e mais sábia desta vida de um político inteiro que nos deixou.

Aprendi a conviver com ele, a estimá-lo e a admirá-lo como alguém que, mais do que qualquer outra pessoa – político ou não –, me transmitiu a mensagem principal sobre o bem inestimável da tolerância.