Católica é a melhor escola de gestão portuguesa para o Financial Times

Lista das melhores instituições europeias para tirar um MBA volta a incluir três opções em Portugal

Foto
Escola da Gestão da Católica perdeu um lugar no ranking Daniel Rocha

As escolas de gestão da Universidade Católica de Lisboa, da Universidade Nova e da Universidade do Porto são mais uma vez as três presenças portuguesas entre as melhores instituições da Europa nesta área de ensino, de acordo com a selecção do Financial Times. A lista, uma de várias publicadas pelo jornal ao longo do ano, é uma referência para estudantes e executivos, e um importante momento de promoção para as escolas.

A Católica Lisbon School of Business and Economics é a instituição portuguesa mais bem classificada, tendo ficado em 26.º lugar (uma descida de uma posição face ao ano passado), empatada com a Stockholm School of Economics. Logo abaixo, a 28.ª posição vai para a Nova School of Business and Economics, também em Lisboa e que mantém a classificação obtida em 2014. Já a Porto Business School surge em 62.º lugar, três posições abaixo do ano passado. Pelo segundo ano consecutivo, a tabela, que totaliza 85 instituições, é encabeçada pela London Business School, da Universidade de Londres.

Entre os indicadores analisados pelo Financial Times estão a percentagem de estrangeiros, doutorados e mulheres no corpo docente de cada instituição. Das escolas portuguesas, é a da Católica aquela que tem um maior peso de estrangeiros, ao passo que a Nova tem a dianteira no número de doutorados e de elementos femininos.

Outro dos factores de avaliação do jornal é o salário dos ex-alunos para três dos cinco programas de ensino analisados: MBA, MBA executivo e mestrados em gestão. O jornal calcula o valor da remuneração média três anos após a conclusão do curso e indica quanto é que esses valores representam em termos de aumento salarial.

Na Nova e na Católica, as médias salariais são exactamente iguais, uma vez que as duas escolas oferecem um programa de MBA conjunto: cerca de 112 mil euros anuais no caso dos MBA (o que significa uma subida salarial de 97%) e 101 mil euros nos MBA executivos, o que se traduz num aumento de 47%.

No caso da Porto Business School, os ex-alunos do MBA executivo (o único disponível) ganham, ao fim de três anos, perto de 74 mil euros, mais 40% do que antes de tirarem o curso. Na London Business School, que lidera a tabela geral, os salários médios oscilam entre 142 mil euros e 213 mil euros.

Para o director da escola de gestão da Universidade Nova, a meta é alcançar um lugar entre as dez primeiras instituições. “Este é o momento de cimentar o nosso crescimento. Com a mudança para Carcavelos, acredito que vamos conseguir ganhar pegada global, cumprir o nosso objectivo estratégico de entrar para o top 10, projectando a Nova SBE e Portugal no mundo”, afirmou Daniel Traça, num comunicado da instituição.

Aquela escola está a preparar a abertura de um novo campus em Carcavelos, construído com fundos privados e com o qual pretende atrair estudantes internacionais, em parte graças à proximidade da praia e ao apelo de um estilo de vida que já descreveu como “californiano”

Já o reitor da Porto Business School mostra-se satisfeito com a posição obtida e diz haver margem para melhorar a classificação. “Há quatro anos que estamos lado a lado com as melhores escolas de negócios da Europa, apesar de concorrermos em apenas três das cinco áreas de formação abrangidas por este ranking”, afirmou Ramon O’Callaghan. “Acreditamos que, num futuro próximo, e tendo em conta a nova estratégia da Porto Business School, poderemos ir mais longe nestas classificações.”