Opinião

Qual é a lógica, Miguel?

O BES caiu porque demasiados confiaram, durante demasiado tempo, no nome Espírito Santo.

Durante dez anos, Miguel Sousa Tavares não escreveu uma palavra sobre o BES. Não escreveu sobre a operação Monte Branco e as lavagens de dinheiro da Akoya, não escreveu sobre o inside trading durante a privatização da EDP nem sobre o escândalo do BES Angola, muito menos escreveu sobre os 14 milhões de euros que Ricardo Salgado recebeu de prenda de um construtor, ou sobre os seus curiosos esquecimentos nas declarações ao fisco. Sobre tudo isto, a sua vigorosa pena manteve-se em recatado silêncio.

Esse silêncio não se estendeu a escândalos como os do BCP. Disse ele numa entrevista de 2008: “Se achar que a administração do BCP se portou como um bando de trapaceiros, porque é que eu hei-de calar isso?” Porquê, de facto. E MST não se calou. Não se calou nunca, não calou nada, excepto em relação ao BES, por razões já referidas, mas que vale a pena recuperar: “O Ricardo Salgado é sogro da minha filha e avô de netos meus”, contou à revista Sábado. “Nunca o critiquei e nunca o elogiei, porque acho que não se fala da família em público.”

É uma posição certamente discutível, mas aceitável – desde que se mantenha um mínimo de coerência. Ora, sendo eu leitor e espectador atento de Miguel Sousa Tavares há muitos anos, e um apreciador da sua frontalidade, gostaria muito de conseguir perceber porque é que para ele subitamente o BES deixou de ser um tema tabu, quando o compadre Ricardo Salgado ainda está – e estará, por muitos anos – no centro do furacão. É que o mesmo MST que até há três meses achava que não se deveria falar da família em público, em escassas semanas já se atirou várias vezes ao Banco de Portugal pela forma como geriu o caso BES.

Há 15 dias, no Expresso, MST afirmou ter sido o Banco de Portugal quem, com a cumplicidade do governo, “afundou o navio”. No último sábado, voltou à carga com terríveis profecias: “Um dia alguém há-de escrever a história desta inimaginável destruição de valor, que num mês e meio conseguiu reduzir a quase nada tudo o que um banco com um século e meio de existência tinha de bom.” Mas como aquele “um dia” pode estar ainda muito longe, MST tratou já de avançar com a sua versão da “história”: “A senha [sic – é possível que ele quisesse escrever “sanha”] de castigar os Espíritos sobrepôs-se a qualquer preocupação com o futuro do banco e dos seus clientes.”

Devo confessar que foi esta “sanha de castigar os Espíritos” que me fez saltar a tampa e voltar a um tema que tenho abordado incessantemente nestas páginas. Porque, se é verdade que muita coisa se pode criticar ao governo e ao Banco de Portugal, e se é igualmente verdade que a solução do Fundo de Resolução pode vir a correr mal, atribuir a derrocada do BES a uma “sanha de castigar os Espíritos”, como se eles fossem os novos Távoras e Carlos Costa tivesse mandado salgar o chão da Comporta após a sua decapitação, só pode ser brincadeirinha. E uma brincadeirinha difícil de engolir vinda de um amigo da família que durante dez anos esteve calado, enquanto pilhas e pilhas de trafulhices envolvendo o nome do BES se ia acumulando nos tribunais e nos jornais. O BES caiu, sim, mas pela razão oposta àquela que Miguel Sousa Tavares sugere: não por qualquer intuito absurdo de perseguição, mas porque demasiados confiaram, durante demasiado tempo, no nome Espírito Santo. A vitimização da família mais poderosa do país é ridícula e ofensiva. Muitos favoreceram-nos nos negócios – e alguns, como se vê, continuam a favorecê-los nos jornais.