Seguro revela que PS apoia moção de censura do PCP

Líder socialista diz que se trata de "uma questão de coerência".

Jorge Moreira da Silva considerou "irrealistas" as propostas do PSAntónio José Seguro quer união em torno de um "Governo credível"Pedro Mota Soares diz que PS é responsável por fim de negociações
Foto
Jorge Moreira da Silva considerou "irrealistas" as propostas do PSAntónio José Seguro quer união em torno de um "Governo credível"Pedro Mota Soares diz que PS é responsável por fim de negociações Nuno Ferreira Santos

O secretário-geral do PS, António José Seguro, revelou esta segunda-feira que o partido vai votar a favor da moção de censura ao Governo anunciada pelo PCP, apesar de a ter considerado um "claro frete" ao Executivo.

"Depois de haver uma censura que os portugueses expressaram através de uma votação, o PCP ir apresentar uma moção de censura que se sabe que está condenada ao fracasso, naturalmente que isso, na nossa opinião, é um claro frete ao Governo", sustentou o líder socialista numa entrevista exclusiva à TSF.

Seguro justificou, no entanto, o voto favorável do PS à iniciativa dos comunistas, anunciada no domingo pelo secretário-geral comunista Jerónimo de Sousa com "uma questão de coerência". "Se há um partido que toma a iniciativa de apresentar uma moção de censura ao Governo, depois do PS já ter censurado esse Governo, o PS não pode ser incoerente no seu sentido de voto", defendeu o secretário-geral dos socialistas.

Jerónimo de Sousa anunciou a apresentação de uma moção de censura ao Governo PSD/CDS-PP na Assembleia da República, após os resultados das eleições europeias, que considerou terem sido "uma censura do povo" ao Executivo.

"O PCP anuncia a decisão de apresentar moção de censura ao Governo", assumiu, no domingo, o líder comunista, no centro de trabalho Vitória, em Lisboa, adiantando terem sido consultados os restantes parceiros da Coligação Democrática Unitária – "Os Verdes" e a Associação Intervenção Democrática. O texto da moção de censura deverá ser entregue "na próxima semana", disse.

Sugerir correcção