Imagens restauradas dos primeiros passos de Armstrong na Lua
Espaço

Morreu Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar a Lua

Armstrong no interior do módulo lunar Eagle a 20 de Julho de 1969
Fotogaleria
Armstrong no interior do módulo lunar Eagle a 20 de Julho de 1969 Reuters/NASA
Neil Armstrong a pisar a Lua a 20 de Julho de 1969
Fotogaleria
Neil Armstrong a pisar a Lua a 20 de Julho de 1969 Edwin Aldrin-NASA/Handout/Reuters
Da esquerda para a direita: Neil Armstrong, Michael Collins and Edward Buzz Aldrin
Fotogaleria
Da esquerda para a direita: Neil Armstrong, Michael Collins and Edward Buzz Aldrin Reuters/Handout
Armstrong durante uma intervenção no Comité de Comércio, Ciência e Transporte, em Maio de 2010, em Washington
Fotogaleria
Armstrong durante uma intervenção no Comité de Comércio, Ciência e Transporte, em Maio de 2010, em Washington Win McNamee/Getty Images/AFP
Buzz Aldrin, Neil Armstrong e Michael Collins posam junto ao Módulo Lunar no Museu do Ar e do Espaço, em Washington, a 19 de Julho de 2009
Fotogaleria
Buzz Aldrin, Neil Armstrong e Michael Collins posam junto ao Módulo Lunar no Museu do Ar e do Espaço, em Washington, a 19 de Julho de 2009 AFP Photo/Mark Avino/Nasm/Smithsonian Institution
O antigo astronauta cumprimentado pelo Presidente Obama a 20 de Julho de 2009, nas celebrações dos 40 anos da chegada à Lua
Fotogaleria
O antigo astronauta cumprimentado pelo Presidente Obama a 20 de Julho de 2009, nas celebrações dos 40 anos da chegada à Lua AFP Photo/Saul Loeb
Fotogaleria
AFP Photo/NASA

O astronauta Neil Armstrong morreu este sábado aos 82 anos. Foi o primeiro homem a pisar a Lua, num momento histórico visto por milhões de pessoas pela televisão, em 1969.

Armstrong tinha sido submetido a uma cirurgia ao coração no princípio de Agosto, com a realização de um bypass para resolver quatro bloqueios nas artérias coronárias. Segundo a família, morreu devido a complicações resultantes desta intervenção.

Nascido a 5 de Agosto de 1930 em Wapakoneta, Ohio, Neil Armstrong foi um dos três astronautas da histórica missão Apollo 11, que pousou na Lua a 20 de Julho de 1969. Os outros eram Michael Collins e Edward "Buzz" Aldrin. Collins permaneceu no módulo de comando em órbita, enquanto Armstrong e Aldrin fizeram a alunagem a bordo do módulo Eagle, no chamado Mar da Tranquilidade. “Houston, aqui base da Tranquilidade. A águia pousou”, disse Armstrong.

Foi ele o primeiro a descer, pisando o solo da Lua pela primeira vez na história e pronunciando uma frase que se tornaria célebre: "Um pequeno passo para o homem, uma salto gigante para a humanidade". Buzz Aldrin juntou-se a Armstrong e ambos passaram duas horas a caminhar saltitantes sobre asuperfície lunar, recolhendo 21 quilos de rochas, tirando fotografias e plantando uma bandeira norte-americana no solo, a 380 mil quilómetros da Terra.

Numa entrevista à BBC, Aldrin disse que recordará Armstrong como "um comandante muito competente e o líder de uma conquista que será reconhecida até que o homem ponha os pés em Marte". "Ele era o melhor e sentirei terrivelmente a sua falta", declarou por sua vez Michael Collins.

"Ele foi escolhido para comandar o módulo lunar porque tinha dado provas de ser a pessoa ideal. Era uma manobra dificílima, uma alunagem à vista. Só ele tinha essas qualidades ", recorda Rui Agostinho, director do Observatório Astronómico de Lisboa. “.Vai ficar na história da humanidade por ter sido o primeiro ser humano que visitou outro planeta”, completa.

“Ele era apenas um emissário de todos nós, diz o físico Carlos Fiolhais, da Universidade de Coimbra. “Não foi só ele que foi à Lua, fomos todos nós”.

Apaixonado pela aviação desde a infância, Armstrong obteve a sua licença de piloto muito cedo, e serviu como piloto militar entre 1949 e 1952, tendo estado envolvido em 78 missões de combate na Guerra da Coreia. Integrou primeiro a NACA (National Advisory Comittee for Aeronautics), a entidade que daria depois lugar à NASA, servindo como piloto de testes.

Em 1962, passou para o programa de astronautas da NASA. Comandou a missão Gemini 8, em 1966, e três anos depois, foi destacado para liderar a missão Apollo 11, em que uma nave pousaria pela primeira vez na Lua. “É um lugar interessante. Recomendo”, disse depois de regressar. Enquanto guiava o módulo lunar em direcção à superfície, os sensores no seu corpo registavam uma pulsação de 150 batidas por minuto.

Armstrong permaneceu na NASA por mais dois anos, coordenando trabalhos na área da investigação e da tecnologia. Reformou-se em 1971 e até 1979 foi professor na Universidade de Cincinnati.

Apesar de ter sido protagonista do momento mais emblemático da história da aventura espacial, Neil Armstrong manteve uma vida relativamente discreta. A sua própria família, num comunicado difundido sábado, disse que "Neil Armstrong era um herói americano relutante que sempre acreditou que apenas estava a fazer o seu trabalho".

"Enquanto lamentamos a perda de um homem bom, também celebramos uma vida notável e esperamos que ela sirva como um exemplo para que jovens em todo o mundo lutem para concretizar os seus sonhos, para explorar os seus limites e para servir uma causa maior que si próprios", lê-se no comunicado da família.

"Além de ser um dos maiores exploradores norte-americanos, Neil agia com uma graça e humildade que foram um exemplo para todos nós", disse o administrador da NASA, Charles Bolden.

Para o Presidente norte-americano, Barack Obama, que num comunicado se mostrou “profundamente triste” com a morte de Armstrong, o astronauta é “um dos grandes heróis norte-americanos”.

O candidato republicano à Casa Branca, Mitt Romney, que se diz inspirado por Armstrong pela paixão do astronauta “ao espaço, ao universo e à sua devoção à América”, também o considerou um homem de coragem, com um lugar reservado no “panteão dos heróis”, cita a AFP.

Para a família de Neil Armstrong, a melhor forma de o homenagear é seguir o seu exemplo de "serviço, realização e modéstia". E mais: "Da próxima vez que andar ao ar livre numa noite limpa e ver a Lua a sorrir cá para baixo para si, pense em Neil Armstrong e pisque-lhe um olho".

Notícia actualizada às 23h23
Sugerir correcção